10/5/2021 -






Enéas Marques: cidade do Leitão na Grelha



Pelas regras atuais da ortografia o nome Enéas não deveria ter o acento, mas assim consta na lei que emancipou o município. Trata-se de uma situação parecida com Moreira Sales. O nome correto seria com duas letras "l" no "Salles", já que o sobrenome de registro do homenageado tem essa configuração. Enéas Marques é uma cidade localizada a 334 quilômetros de Campo Mourão. Integra a região de Francisco Beltrão. Tem 6.103 moradores, dos quais 3.977 residem na área rural.




O cidadão Enéas Marques foi representante do governo estadual em um grupo criado para contornar a chamada "Revolta dos Colonos" e regularizar a posse da terra. Essa revolta ocorreu em grande parte do Sudoeste paranaense em 1957. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 99,3 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 102 entre os 399 municípios do Paraná. Apenas 4 por cento da área urbana é servida pela rede coletora de esgoto.




Até 2018, o feriado de aniversário era no dia 14 de dezembro. Em 2019, através de alteração na Lei Orgânica, o feriado passou a ser comemorado em 18 de fevereiro. A história local relata que em 1961, Enéas Marques virou distrito de Francisco Beltrão, com o nome de Jaracatiá. Conquistou o título de município por uma lei de 1964. A partir dai passou a ter o nome de Enéas Marques.




O aniversário de Enéas Marques é comemorado com a festa do prato típico "Leitão na Grelha". No ano de 2019, o nome da cidade "correu" o mundo pela internet. O video que viralizou mostrava um homem provocando uma explosão ao tentar matar baratas no quintal de casa. Após despejar gasolina no terreno, o morador ateou fogo, ocasionando o estouro.




Outra curiosidade em Enéas Marques é a história do galo que bota ovos. Contaram que o galo é de um agricultor da comunidade Vista Alegre. Uma veterinária de Dois Vizinhos, explicou que apesar de raro, a ave possuiu dois sistemas reprodutivos. O galo foi motivo de muita conversa na praça "Jaracatiá", ponto de encontro dos moradores. A praça está localizada na quadra em frente a Igreja Matriz.




Em 2017, durante a abertura do Natal, os moradores que estavam na praça Jaracatiá foram surpreendidos com a chegada do Papai Noel voando em paramotor (paraquedas com motor). A abertura do Natal na cidade é comemorado com grande desfile e várias apresentações na praça. A casinha do Papai Noel nunca é desmontada e se torna mais um dos enfeites do local.




A principal avenida de Enéas Marques é a Joaquim Bonetti. O município tem cerca de 1.000 imóveis residenciais na área urbana e mais 1.500 na zona rural. Possuiu 150 empresas comerciais e de prestação de serviços e 19 indústrias. Não tem agências da Caixa e Banco Brasil e não conta com emissora de rádio. Entre as principais empresas está a Folem que produz insumos para ração animal.




O município de Enéas Marques é de pequenas propriedades rurais. São 16 mil hectares distribuidos entre 900 proprietários. A soja com 2.700 hectares é que tem o maior espaço. O rebanho bovino é de 24.240 cabeças. Destaque também para a produção de frangos. Tem uma unidade da Coasul Cooperativa. A Paróquia São José pertence a Diocese de Palmas/Francisco Beltrão.


Verê: cidade da agroindústria e turismo



Verê é uma cidade localizada a 364 quilômetros de Campo Mourão. Pertence a micro região de Francisco Beltrão. Relatos históricos informam que o nome é de origem caigangue "Viry". Viry foi um cacique dos índios de Guarapuava. O significado é "para sempre" ou "eterno". Quem nasce ou mora no município é denominado de "vereense". Na cidade acontece um festival de música que tem o nome de "Festival Índio Viry". Verê foi uma das localidades envolvidas na chamada "Revolta dos Colonos". Trata-se de um levante realizado por colonos e posseiros armados iniciado em 10 de outubro de 1957, em protesto contra os problemas de colonização entre posseiros, colonos, companhias de terras grileiras, e os governos federal e estadual.




Pela estimativa realizada em 2020, Verê tem 7.174 habitantes, ou seja, abaixo do censo mais recente realizado em 2010, quando o município contava com 7.878 moradores, dos quais 4.597 na área rural. A taxa de escolarização é de 98,1 por cento. Em PIB per capita está na posição 86 entre os 399 municípios do Paraná. Vinte e sete por cento da cidade conta com rede coletora de esgoto.




Até 1963, Verê foi distrito de Dois Vizinhos. Os primeiros moradores começaram a chegar em 1934. A região era coberta de mata. Os pioneiros ganharam dinheiro com a madeira e logo em seguida iniciaram o plantio de feijão, milho e a criação de porcos.




Verê tem cerca de 1.700 imóveis residenciais na área urbana e quase 1.500 na zona rural. Possui 300 empresas comerciais e de prestação de serviços e 30 no setor industrial. Tem agência do Banco do Brasil, mas não conta com a Caixa Econômica Federal.Três emissoras de rádio estão com transmissores na cidade. No esporte a cidade é representada na terceira divisão do Campeonato Paranaense pelo Futebol Clube Verê. É um time novo, fundado em 2015. O voleibol também é destaque com participações em eventos estaduais.




Uma das principais empresas de Verê é o Hotel Resort Águas do Verê. O empreendimento está localizado na área rural a cerca de 15 quilômetros do centro da cidade. O hotel com mais de 70 quartos fica de frente para o Rio Chopim. As águas termais estão nas torneiras, chuveiros e piscinas. Aliás, são 10 piscinas externas e 3 internas. Além de um parque aquático o hotel possui uma loja de presentes, restaurante, salas de jogos, quadras esportivas, boliche eletrônico e até sala do chimarrão. É considerado o maior resort da região Sudoeste do Paraná. Bem próximo tem o Sítio Lago das Pontes.




A principal praça de Verê não é da Igreja Matriz. Chamada de "Praça dos Pioneiros", o espaço público está localizado a três quadras do templo católico, em frente ao prédio da prefeitura. Ao redor tem churrascaria, restaurante e o famoso "Hot Dog da Praça". No local foi instaladada uma casa de madeira para lembrar os primeiros moradores.




A Praça dos Pioneiros de Verê é completa. Tem coreto, brinquedos para as crianças, quadra esportiva, equipamentos para a terceira idade e ponto de táxi. No período natalino é totalmente enfeitada. O aniversário de Verê é comemorado no dia 26 de outubro.




A principal avenida de Verê é a Iguaçu. Tem quase 2 quilômetros em linha reta e corta toda a cidade. É a avenida que passa em frente da Igreja Matriz, do Estádio Municipal "Vila do Mar" e também do cemitério. Outra via importante é a Avenida Getúlio Vargas, prolongamento da PR-475 que dá acesso a Francisco Beltrão.




Em Verê encontramos um torcedor "fanático" pelo Internacional de Porto Alegre. Para demonstrar o amor pelo time, nada melhor que pintar o próprio local onde mora, incluindo os símbolos da equipe. Preste atenção na imagem e observe que até o cachorro de estimação é "colorado".




Verê conta com uma grande unidade da Primato Cooperativa Agroindustrial. A empresa surgiu na cidade de Toledo em 1997, para atender na área de suínos e leite. Mais tarde passou a receber grãos e atuar com supermercado, posto de combustível, restaurante e até farmácia. Além de Verê conta com unidades em Cascavel, Guaraniaçu, Nova Santa Rosa e Dourados (MS). Em Verê atua na produção de alimentos para animais. O município também possui unidade da Coasul. Verê é um grande produtor de frangos. A soja, principal lavoura, ocupa cerca de 16 mil hectares. O rebanho bovino é de 19 mil cabeças. Grande produtor de leite o o município tem o Laticínios Alto Alegre. São 5.100 metros quadrados e emprega 120 pessoas.




A Paróquia São Joaquim, pertence a diocese de Palmas/Francisco Beltrão. Em 2017, completou 50 anos.


Nova Santa Bárbara: tem grande festa de Carnaval



Nova Santa Bárbara é uma cidade localizada no chamado Norte Pioneiro, a 262 quilômetros de Campo Mourão. Integra a microrregião de Assaí. O acesso é pela PR-090, famosa Rodovia do Cerne. Durante a nossa visita o céu estava nublado e chuviscava. Saindo da rodovia, a primeira avenida após o trevo é a "Walter Guimarães da Costa". É por ela que se chega ao centro da cidade. Em um trecho de 300 metros, um dos lados tem o sistema de iluminação com a fiação "escondida".




A mais movimentada avenida de Nova Santa Bárbara é a Intervetor Manoel Ribas. Tem 800 metros de comprimento, e ao longo de 600 metros existe um grande canteiro central em formato de jardim com 30 metros de largura. É mais que o dobro do canteiro da Avenida John Kennedy em Campo Mourão e um pouquinho maior que o da Avenida Brasil em Cascavel. Pelo Censo do IBGE realizado em 2010, o município estava com 3.908 habitantes, dos quais 629 na área rural. Na estimativa feita em 2020, a quantidade de moradores subiu para 4.277.




O canteiro central de Nova Santa Bárbara, além de ser a grande praça da cidade, também é o espaço onde estão instalados os prédios da prefeitura, rodoviária e de um palco coberto para apresentações artísticas. Nova Santa Bárbara, incluindo a parte urbana e zona rural, tem a segunda menor área territorial entre os 399 municípios do Paraná. A taxa de escolarização é de 97,6 por cento. Em economia ocupa a posição 349 no Estado. Quarenta por cento da cidade tem rede de esgoto.




Em Nova Santa Bárbara o sistema de abastecimento não é feito pela Sanepar. O serviço de água e esgoto é municipal. Até o final dos anos 80, ainda como distrito, a comunidade enfrentava muitos problemas com a falta de água. Em 1993, o primeiro prefeito decidiu criar o sistema autônomo para resolver o problema. O aniversário do município é comemorado no dia 9 de maio. Na programação tem shows, alguns nacionais e sem a cobrança de ingresso.




Os festejos de aniversário e chegada do Papai Noel são comemorados na praça(canteiro central). Só que a grande festa da cidade é o Carnaval. Começa na sexta-feira e vai até a madrugada da quarta-feira de cinzas. Além do desfile de rua com a participação de blocos, o Reinado de Momo inclui parque de diversões, apresentações artísticas e praça de alimentação. A festa de Carnaval na localidade é realizada a quase 30 anos.




Dois grandes fatos esportivos marcam o município de Nova Santa Bárbara. O primeiro é a tradicional competição motociclística "Enduro da Sobrevivência". É considerada a maior prova do gênero no Brasil. Os pilotos de motocross percorrem um trecho de quase 500 quilômetros passando por outros municípios da região. O trajeto também inclui acampamento. O segundo fato esportivo da cidade tem relação direta com a prova de São Silvestre realizada no último dia do ano em São Paulo. O queniano Edwin Kipsang, morava e treinava na cidade quando foi campeão da prova nos anos de 2011 e 2012.




Quase todas as escolas da área urbana de Nova Santa Bárbara estão concentradas em uma área da cidade. Os estabelecimentos ficam lado a lado ou em frente do outro. A cidade não tem agências da Caixa ou Banco do Brasil. No setor urbano são quase 1.400 imóveis residenciais e 100 empresas comerciais e de prestação de serviços. Não possui grandes indústrias e nem emissora de rádio.




Por ter a segunda menor área territorial entre os municípios do Paraná, a produção agrícola é pequena. O maior espaço com agricultura é destinada a soja com 5.100 hectares. O trigo vem em segundo lugar com 3.900 ha. Milho 670 ha. O rebanho bovino também é pequeno com 644 cabeças.




Nova Santa Bárbara é um município novo. Em 1990 foi emancipado de Santa Cecília do Pavão. Elegeu o primeiro prefeito em 1992. A comunidade começou a surgir nos anos 40 com a construção da rodovia do Cerne. Os proprietários daquela área de terras dediciram fazer o loteamento e atrair interessados no plantio de café. Foram criadas as primeiras ruas. A pequena vila passou a se chamar Água do Sabiá. Em 1948, o nome foi modificado para Santa Bárbara por sugestão de um dos colonizadores que era devoto da santa. Com a emancipação passou a se chamar "Nova" Santa Bárbara para se diferenciar de outros municípios brasileiros com o mesmo nome.




A Paróquia Santa Bárbara pertence a Diocese de Cornélio Procópio e foi criada no dia 20 de junho de 1.996.


Ortigueira: a capital paranaense do mel



Ortigueira é uma cidade localizada a 238 quilômetros de Campo Mourão. O prato típico é costelinha de porco no mel. O letreiro na entrada da cidade serve para lembrar que o município é o maior produtor de mel do Paraná e está entre os cinco maiores produtores do Brasil. No censo realizado pelo IBGE em 2010, o município estava com 23.380 moradores, mas caiu para 21.960 na estimativa feita em 2020.




Ortigueira pertence a microrregião de Telêmaco Borba. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 95 por cento. Em PIB per capita, ocupa a quarta posição entre os 399 municípios do Paraná. Essa posição se deve ao complexo industrial da Klabin conhecido por "Unidade Puma". Esse empreendimento é recente e se soma a unidade que a empresa tem na cidade de Telêmaco Borba. Por causa disso grande parte do território do município é ocupado por reservas florestais da própria Klabin.




Em Ortigueira a rede de esgoto atende 32 por cento da cidade. A cada 10 habitantes, quatro moram na zona rural. O nome da cidade faz referência a conhecida planta "Urtiga". Quando o povoado começou a surgir havia uma grande quantidade dessa vegetação. Quem nasce ou mora lá é denominado de "ortigueirense".




A área urbana de Ortigueira tem cerca de 6.100 imóveis residenciais. Conta com 500 empresas comerciais e de prestação de serviços e cerca de 70 indústrias de grande, médio e pequeno porte. Apesar da riqueza, o município não tem agências da Caixa ou do Banco do Brasil. Tem duas emissoras de rádio. Além da grande área de reservas florestais, o plantio de soja ocupa quase 40 mil hectares. O milho é a segunda lavoura mais plantada com 8 mil hectares. O rebanho bovino é enorme, com 157 mil cabeças. Destaque também para a produção de frangos. Fazendo jus ao título de Capital do Mel, a produção anual é de quase 800 mil quilos.




O cartão de visitas de Ortigueira é o Lago Municipal. É nesse local que a prefeitura vem realizando a festa de Natal e da virada do ano com fogos de artifício e shows. O espaço também serve para uma grande festa junina e as celebrações de Páscoa com a distribuição de doces para as crianças. O local tem pista de caminhada com ciclofaixa e bancos. Recentemente teve início o plantio de Manacás e Ipês.




O Lago Municipal de Ortigueira tem uma pequena ponte e ainda um espaço asfaltado onde pudemos observar vários garotos brincando com skates. Um dos meninos contou que o local é muito bom e tranquilo, mas que de vez em quando vândalos quebram lixeiras e danificam os sanitários. Para turistas aventureiros, os destaques de Ortigueira estão na zona rural. Tem a cachoeira "Véu da Noiva" com 150 metros de altura e ainda a "Serra Pelada" local preferido por praticantes de rapel e vôo livre.




Na área central de Ortigueira existem duas praças. A da imagem acima fica em uma rotatória. A outra é a da Igreja Matriz. O que pudemos observar por lá é que tanto as praças como o Lago Municipal têm estilos "clean", ou seja, sem muitos enfeites e ornamentos. Sempre com cores claras e espaços abertos sem muitas árvores.




Um prédio que chama a atenção pelo estilo, cores e formato do letreiro é o "Centro Cultural Queimadas". Essa obra foi um presente da Klabin, entregue em 2017. Conta com teatro para 350 pessoas, estúdio de dança, biblioteca e salas para aulas, atividades culturais, exposições e reuniões. Outra curiosidade de Ortigueira, é que a cidade ganhou em 2019, a primeira Escola Técnica Florestal do Brasil. O investimento também foi da Klabin em parceria com a Secretaria de Educação do Paraná.




O aniversário de Ortigueira é comemorado no dia 14 de dezembro. O município promove a Expo Ortigueira. O evento acontece no moderno parque de exposições onde são realizados vários shows nacionais. Por lá eles não chamam "Parque de Exposições" e sim "Centro de Eventos". E tem um detalhe: não é cobrado ingresso para os shows. Durante as férias escolares a prefeitura promove o "Diversão Show de Bola" para as crianças entre 6 e 15 anos. Na área esportiva ainda tem o Campeonato Municipal de Futsal e de Futebol de Campo. Outra atividade é o Festival de Pesca no Lago Municipal. Para participar é preciso doar alimentos para entidades assistenciais. a maioria dos peixes fisgados também é doada. Em agosto é realizado Festival de Música com premiação em dinheiro. Podem participar crianças e adultos. Outra atividade é a prova com carrinhos de rolimã.




O primeiro nome de Ortigueira foi "Queimadas". Isso porque no começo dos anos 1.900, os pioneiros queimaram uma grande vegetação seca e iniciaram o plantio do feijão. Em 1921, Queimadas foi elevada à condição de distrito de Tibagi. Foi desmembrado e virou município em 1951. Ao mesmo tempo passou a se chamar "Ortigueira". O município ainda tem duas reservas remanescentes dos índios Caingangues.




O município tem uma grande colonia ucraniana, que em sua fé se reunem no templo "Cristo Rei" e também na comunidade do Caetê. Ortigueira é cortada pela Estrada de Ferro Central do Paraná, que liga Apucarana a Ponta Grossa. Outro ramal tem 23 quilômetros e dá acesso ao terminal de cargas da Klabin.




A Paróquia São Sebastião pertence a Diocese de Ponta Grossa, e foi fundada em abril de 1969. A primeira capela surgiu em 1918. Para comemorar o padroeiro é realizada uma grande festa. Outros eventos religiosos em Ortigueira são os festivais de música realizados por igrejas evangélicas. As principais ruas de Ortigueira são denominadas de Paraná e Brasil.


Catanduvas: local de combates na revolução de 1924



Catanduvas é uma cidade localizada na região de Cascavel a 219 quilômetros de Campo Mourão. O município tem 10.202 habitantes dos quais cerca de 4 mil residem na área rural. Quem nasce ou mora na localidade é denominado de "catanduvense". O nome surgiu por causa da grande quantidade de uma vegetação rasteira típica de cerrado que os índios chamavam de Catanduva. Durante a Revolução de 1924, o pequeno povoado era distrito de Guarapuava, e um dos poucos do Paraná que tinha telégrafo. Por isso, mais de 400 revolucionários que lutavam para derrubar o presidente da República, Arthur Bernardes, escolheram a comunidade para instalar um "quartel-general". Assim, o local foi palco de várias batalhas.


Catanduvas é a cidade de origem do grupo de música "Gauchinhos do Fandango". O grupo formado por irmãos passou a ter como sede a cidade de Campo Mourão. Era liderado por Nelson Lira Fell, mais conhecido como "Nelsinho", Ele morreu em 2016, aos 60 anos, vítima de acidente. A picape S-10 que ele dirigia capotou perto da cidade de Moreira Sales.




Em Catanduvas, os acontecimentos relacionados a Revolução de 1924, estão reunidos em um local público. Trata-se do Memorial da Revolução de 1924. O espaço histórico foi inaugurado em 2013. Durante a nossa visita estava fechado por causa da pandemia. O prédio guarda fotografias, documentos, objetos, munições e até algumas armas utilizadas nos conflitos. Na área rural existe um cemitério onde estão sepultadas dezenas de pessoas que morreram nesses combates.




Ao percorrer as ruas e avenidas de Catanduvas a gente já percebe que o município "tem tudo a ver com a uva". É que as placas com a nominação das vias públicas é no formato de um cacho de uvas. O município tem muitos produtores de vinho, e no mês de julho acontece a tradicional Festa do Vinho. O evento de vários dias é realizado no Parque de Exposições. Algumas atividades acontecem em outros pontos da cidade. Na programação tem o Festival Valores da Terra, exposição de vinhos, produtos coloniais, seminários, mostra do comércio, shows nacionais, cavalgada, passeio ciclístico, almoço com pratos típicos, concurso do maior tomador de vinho e baile. Todo o vinho para a festa é envasado em uma vinícula no próprio município. A Festa do Vinho acontece na semana de aniversário de Catanduvas.




Em Catanduvas não tem uma Praça Central naquele padrão tradicional de outras cidades. Em frente da prefeitura tem um espaço com área verde, mas podemos dizer que está bem "distante" de uma praça convencional. A igreja matriz fica fora da área central e também não possui uma grande praça. Além da Festa do Vinho e da comemoração do aniversário, Catanduvas tem outros eventos ao longo do ano. O município promove o Campeonato Municipal de Futebol de Campo, Festival Estudantil nas categorias música e dança, desfile do dia 7 de setembro, Festival de Musica Regional, Chegada do Papai Noel no Lago Municipal, Festa da Virada de Ano com shows entre outros eventos.




Se o centro de Catanduvas não tem uma praça pública no jeitão tradicional, essa ausência é compensada com o Lago Municipal. A exemplo de algumas cidades como Toledo e Guarapuava o lago encontra-se na área central. Alguns moradores nos disseram que faltam bancos e mais espaço com árvores, mas elogiaram o espaço.




Fora da área central Catanduvas tem o Bosque Municipal "Tancredo Neves". O parque é o local preferido pelos moradores para churrasco dos finais de semana, festas e eventos familiares. A prefeitura também utiliza o espaço para confraternizações, já que conta com dois barracões para essa finalidade. Na área rural o ponto mais visitado é o Rio Adelaide e suas cachoeiras.




Catanduvas tem um centro de eventos só para as pessoas da Terceira Idade. O índice de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 98 por cento. Em PIB per capita o município ocupa a posição 224 entre os 399 do Paraná. A cidade tem 7 por cento de rede coletora de esgoto. O aniversário é comemorado no dia 25 de julho.




Cantanduvas é sede de comarca, e abrange os municípios de Três Barras do Paraná e Ibema. Catanduvas foi elevado à condição de distrito de Guarapuava em março de 1913. Em 1938, mudou a denominação para "Rocinha", mas voltou com o nome anterior. Em 1950 a localidade foi integrada a Laranjeiras do Sul e um ano mais tarde passou a ser distrito de Guaraniaçu. Em 1960 conquistou a condição de município.




A rodoviária de Catanduvas é atendida pelas empresas Viação Catarinense, Viação Sudoeste e Viação Reunidas. Os destinos com mais viagens são para Cascavel, Dois Vizinhos, Caxias do Sul, Francisco Beltrão e Blumenau. ESPAÇO ÁEREO - Em Catanduvas a Força Áerea Brasileira tem um destacamento de controle do espaço aéreo (Radar) conhecido por "CINDACTA II". A central encontra-se em meio a uma mata na área rural. O entorno é considerado de segurança nacional e protegido por barreiras.




Catanduvas tem cerca de 20 empresas consideradas como do setor industrial. Na área comercial e de prestação de serviços são 200 empresas. A cidade tem agência do Banco do Brasil. Vários serviços da Caixa são prestados pela Lotérica.Tem uma emissora de rádio. A maior parte das indústrias são do ramo metalúrgico e de madeira.




Catanduvas é uma cidade "quadrada" de ruas e avenidas retas. O perímetro urbano conta com 2.200 imóveis residenciais. Na área rural são mais 900 casas habitadas. Na agropecuária destaque para a soja com 18 mil hectares. O rebanho bovino é de 40 mil cabeças. É grande a produção de frangos e suínos. O feijão é plantado em 1.300 hectares. O milho ocupa 5.800 ha e o trigo é cultivado em 7.500 ha.




Em Catanduvas funciona uma penitenciária federal de segurança máxima. Foi inaugurada em junho de 2006. São 12 mil metros quadrados de área construída. Possui 208 celas individuais e 12 de isolamento. A prisão é destinada exclusivamente a presos considerados de alta periculosidade e é considerada uma das mais seguras do Brasil.




A Paróquia São Sebastião, pertence a Arquidiocese de Cascavel e está localizada a 600 metros da área central. O templo foi construido às margens da Avenida Brasil que é prolongamento da PR-441, rodovia que serve de ligação entre Catanduvas com a BR-277 (Cascavel e Guarapuava) e também com Francisco Beltrão. Quase 90 por cento dos moradores precisam atravessar a rodovia para frequentar a igreja, mas o trecho é bem sinalizado e com lombadas.


Espigão Alto do Iguaçu: ruas e avenidas não têm nomes de pessoas



A cidade de Espigão Alto do Iguaçu, está localizada na região Centro Sul do Paraná, a 289 quilometros de Campo Mourão. Quem nasce ou mora lá é é chamado de "espigãoense". Embora o município tenha 4.677 moradores, a cidade é uma das menores do estado, pois a maioria dos habitantes reside na área rural. No núcleo urbano são apenas 1.646 pessoas. As principais empresas e órgãos públicos estão concentrados às margens da PR-473, via que dá acesso a BR-277 (Guarapuava/Cascavel). De Espigão até a 277 são 33 quilômetros.




Em Espigão Alto do Iguaçu, a taxa de escolarização das crianças de 6 a 14 anos é de 98 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 214 no Paraná. Doze por cento da cidade tem rede de esgoto. A maior parte das ruas tem nomes de municípios do Paraná. Entre eles: Umuarama, Paranavaí, Cascavel e Guarapuava. A curiosidade está no fato que as ruas e avenidas não têm nomes de pessoas. Quando não é cidade, as vias públicas são denominadas com nomes de estados ou países.




Espigão Alto do Iguaçu não tem hospital municipal, mas conta com um Centro de Saúde, preparado para emergência e que é mantido pela prefeitura. A área urbana tem cerca de 900 imóveis residenciais e 90 empresas comerciais e de prestação de serviços. Não possui agências da Caixa ou Banco do Brasil. O município tem 11 indústrias. Destaque para a indústria ervateira "Verdelândia". A empresa foi criada em Matelândia no ano de 1985 e transferida para Espigão.




A prefeitura de Espigão Alto do Iguaçu funciona em prédio simples e bem "escondidinha". Quem não é da cidade passa por ela e nem percebe que ali é a prefeitura. Tem a fachada coberta pelas árvores e falta um letreiro visível. O aniversário do município é comemorado em 18 de abril. A festa tem o rodeio como atração principal e o é servido o prato típico "Ovelha Enfarinhada". A cidade não possui parques ou praças para o lazer da população.




Ao contrário da prefeitura, o prédio da Câmara dos Vereadores de Espigão Alto do Iguaçu é mais vistoso e imponente. No setor agrícola o destaque vai para a soja com 10 mil hectares. O rebanho bovino é de 20 mil cabeças. É grande a produção de frangos. Destaque ainda para o feijão com 2 mil hectares. O município conta com entreposto da Coopavel.

NACIONAL - Em novembro de 2018, Espigão Alto do Iguaçu foi notícia nacional. Quase cem pessoas foram intoxicadas pelo "Paraguate", um agrotóxico que está proibido na Europa desde 2007. Trata-se do caso com mais vítimas por agrótóxicos na história do Paraná. Dos 96 afetados, 52 eram crianças, a maioria alunos de uma escola rural que funciona colada à área agrícola onde o veneno estava sendo aplicado.




Espigão Alto do Iguaçu é uma localidade por onde passaram as tropas da Revolução de 1894, também chamada de Revolução Federalista. Os soldados chegaram a uma região que permitia uma ampla visão e colocaram o nome de Espigão Alto. Nos anos 40, começou a receber pioneiros e em 1953 se tornou distrito de Laranjeiras do Sul. Em 1968 passou a figurar como distrito de Quedas do Iguaçu. Em 1996 elegeu primeiro prefeito que tomou posse em 1997 e como novo município incluiu o nome "Iguaçu". A Paróquia Nossa Senhora da Luz pertence a Diocese de Guarapuava e foi fundada em 1996.


-

Bela vista da Caroba
Pome
Integrado

[ voltar ]