20/1/2022 -


Santa Tereza do Oeste: a Capital da Polenta



Santa Tereza do Oeste é uma cidade localizada a 197 quilômetros de Campo Mourão, às margens da BR-277, entre Cascavel (20 km) e Foz do Iguaçu (120 km). É servida ainda pela BR-163, que faz ligação com Francisco Beltrão e Pato Branco e PR-586, para Toledo. Por estar localizada em ponto estratégico possui um parque industrial de destaque. É também a cidade onde começa a reserva do Parque Nacional do Iguaçu.




Apesar do pedágio por 25 anos, a pista da BR-277, que corta a cidade ainda é de mão simples. São 5 quilômetros de uma rodovia extremamente movimentada cortando a cidade. O acesso ao perímetro urbano é perigoso. Não tem viaduto a exemplo de cidades do mesmo porte como Engenheiro Beltrão e Tuneiras do Oeste, cujo movimento é bem menor. Ao longo do trecho existe apenas uma passarela para pedestre. Quem mora nos extremos da cidade precisa caminhar 2 quilômetros para chegar até a passagem. Como consequência o trecho é palco de gravíssimos acidentes.




Pelo censo do IBGE realizado em 2010, Santa Tereza do Oeste estava com 10.332 habitantes, dos quais 2.297 na área rural. Na estimativa de 2021, caiu para 10.055. O índice de escolarização de crianças de 7 a 14 anos é de 97,7 por cento. Cerca de 25 por cento da cidade tem rede de esgoto.




Em PIB per capita, Santa Tereza do Oeste ocupa a posição 102 entre os 399 municípios do Paraná. Em área territorial encontra-se em 218º. A principal riqueza é a produção de soja com 17 mil hectares. O milho ocupa 15 mil ha. O trigo é plantado em 8 mil ha. Feijão tem espaço de 200 hectares. Destaque para a grande produção de frangos. O rebanho bovino é de 7.500 cabeças.




Além da agricultura e avicultura, a prefeitura de Santa Tereza do Oeste, recebe valiosos recursos de ICMs. São poucas as cidades do mesmo porte e até maiores que tem um parque industrial com o mesmo potencial. Tem várias fábricas de alimentos, indústrias de balanças, de equipamentos para resfriamento artificial em silos e armazéns, fábricas de doces, colchões e móveis. Conta ainda com indústrias de tintas, fertilizantes, confecções, produtos de limpeza, calçados e moinho de trigo. Uma empresa de destaque é a Isoart especializada na fabricação de produtos a base de isopor direcionados à construção civil e outros setores.




Na área urbana, Santa Tereza do Oeste tem 4.255 imóveis residenciais. O municipio conta com 284 empresas comerciais e 151 indústrias. Possui agência do Banco do Brasil, mas não tem agência da Caixa Econômica Federal (apenas posto de atendimento). Conta com uma emissora de rádio. Talvez pela proximidade com Cascavel, não existem lojas como Magazine Luiza, Colombo ou Pernambucanas, mas tem franquia do Boticário e filial da MM Mercadomóveis.




O Parque Municipal, também conhecido como "Lago dos Cisnes", é o cartão postal da cidade. Conta com brinquedos para as crianças. O lago está cheio de peixe, mas não pode pescar. Existe só uma data em que a pescaria é permitida. É quando acontece o concurso municipal de pesca.




Se o Lago dos Cisnes é o cartão postal, como fica a reserva florestal do Parque Nacional do Iguaçu que começa praticamente dentro da cidade?.. Realmente, da última rua da cidade se observa o começo da reserva. Tem até uma estradinha asfaltada margeando o Parque e uma torre de observação. Mas parece que o espaço não é tão bem explorado como acontece em Céu Azul. Até um portal que começou a ser construído em 2007, e que abrigaria um museu e centro de atendimento ao turista, ficou abandonado. Acabou demolido em 2018, porque atrapalhava a visão dos motoristas. Em valores de 2007, foram gastos 630 mil reais.




Espaços de lazer e para a prática de esportes foram instalados nas duas únicas e grandes rotatórias do centro de Santa Tereza do Oeste. A cidade tem estádio com arquibancada e uma arena de rodeio denominada "Governador Jaime Lerner". Conta ainda com piscina térmica pública para pessoas da terceira idade.




O Ginásio de Esportes "Elvira Menin", de Santa Tereza do Oeste, é sempre o local preferido pela equipe de futsal de Cascavel (campeã da Liga Nacional), para treinamentos e até disputas. Isso acontece quando o Ginásio da Neva em Cascavel está em reformas, como aconteceu em 2019, ou em outras ocasiões especiais. Santa Tereza do Oeste tem equipes de futsal que participam de competições regionais, tendo já conquistado a chamada Copa Oeste.




A rodoviária de Santa Tereza do Oeste é utilizada principalmente pela empresa Viação Catarinense. Santa Tereza surgiu com o desenvovimento da vizinha Cascavel, do qual foi distrito até 1989, elegendo o primeiro prefeito em 1992. Após a emancipação acrescentou o termo "do Oeste". Quem nasce ou mora no município é denominado de "santa-terezense".




A Câmara conta com 9 vereadores. O aniversário de Santa Tereza do Oeste é comemorado no dia 12 de junho. A cidade realiza a tradicional Festa da Polenta. O evento inclui shows e feira da indústria e agricultura. O município é considerado como "Capital da Polenta".




A Paróquia de Santa Tereza de Ávila pertente a Arquidiocese de Cascavel. É considerada a Santa desatadora de nós.




Gruta ao lado da Igreja.


Rancho Alegre: nome por causa de um casa de festas dos pioneiros



A cidade de Rancho Alegre está localizada a 252 quilômetros de Campo Mourão. Pertence a microrregião de Assaí (Norte Pioneiro). No censo realizado em 2010, tinha 3.955 habitantes, dos quais 485 na zona rural. Na estimativa do IBGE realizada em 2021, a população caiu para 3.760. Na região de Campo Mourão tem uma cidade com o nome parecido: Rancho Alegre do Oeste.




A cidade de Rancho Alegre surgiu por iniciativa da Companhia Barbosa. Na década de 1940, a empresa comprou uma grande área de terras e passou a fazer publicidade sobre as vantagens do local, principalmente para o plantio de café. Em 1951, a localidade foi elevada à distrito, e a emancipação aconteceu em 1960. Quem nasce ou mora no município é denominado de "alegrense". A Paróquia São Pedro pertence a Diocese de Cornélio Procópio e foi criada em 1960.




A cidade é cortada pela PR-443. No sentido Norte (foto), tem como um dos destinos a cidade de Assis (SP) e em direção ao Sul segue até Jacarezinho e depois Londrina. Na saída para Assis tem uma unidade da Cocamar Cooperativa e na saída para Londrina funciona a Integrada Cooperativa. A soja e o milho são as principais riquezas do município. A soja ocupa 13 mil hectares. O milho é cultivado em 12.460 ha. O trigo é plantado em 110 ha. Destaque para a laranja com 320 hectares. O rebanho bovino é de 500 cabeças. Vários produtores investem na criação de frangos. A pista de caminhada margeia um trecho da rodovia e termina no cemitério que está localizado a 1 quilômetro da área urbana.




Em PIB per capita o município de Rancho Alegre ocupa a posição 159 entre os 399 municípios do Paraná. Já em território está na posição 342. O índice de escolaridade de crianças entre 6 e 14 anos é de 98,3 por cento e 16 por cento da cidade tem rede coletora de esgoto. A história relata que o nome da cidade se deve a um pequeno rancho onde os pioneiros faziam as festas.




Na área urbana Rancho Alegre tem 1.500 imóveis residenciais. Possui 120 empresas comerciais e de prestação de serviços e 20 pequenas indústrias. Não tem agências do Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal. A cidade possui o Hospital e Maternidade Santa Adelaide. Em 2020, o prefeito foi eleito com 100 por cento dos votos válidos. Concorreu sozinho.




Um dos pontos de encontro da população é a praça da Igreja Matriz também conhecido como "Calçadão". A cidade tem estádio de futebol e uma pista de motocross que também é utilizada pelos "gaioleiros" (veículos modificados para off road). Na saída para Jataizinho/Londrina tem outro espaço público denominado como "Praça da Bíblia".




O Parque Municipal de Rancho Alegre é denominado de "Vale do Canaã". Canaã era a antiga denominação da região que hoje corresponde ao Estado de Israel. Recentemente o parque passou por revitalização. Ficou quase 10 anos abandonado. Agora conta com pista de caminhada, brinquedos para crianças e equipamentos para ginástica.




O parque também ganhou alguns "enfeites" e ainda conta com quadra esportiva de grama sintética. Nos dez anos em que ficou abandonado, o lago praticamente desapareceu e a vegetação tomou conta do espaço. Só dava para ver a cobertura do mirante que já existia.




O aniversário de Rancho Alegre é comemorado no dia 19 de novembro com a realização de desfile, shows, Feira da Lua, celebração de missa e eventos esportivos. Em julho o município realiza a Ranch Fest com a eleição da "Garota Ranch Fest", apresentações musicais, disputa de motocross, prova de laço e praça de alimentação. O prato típico do município é a Leitoa no Tacho.




As principais ruas e avenidas de Rancho Alegre são denominadas com nomes dos estados brasileiros.




Uma praça de 100 metros de comprimento por 16 de largura foi construída em um canteiro central. A instalação da praça foi a solução encontrada para acabar com o mato e o lixo que era jogado no local. É via de acesso a uma escola municipal.


A velha estação....



Pirapó é um distrito de Apucarana. Lá é preservada a antiga estação de trem. É uma das poucas que foi conservada na extinta linha de passageiros que ligava Cianorte até Ourinhos (SP), passando por várias cidades paranaenses. Hoje a velha estação abriga o Museu do Café e o distrito atrai muitos turistas. VEJA AQUI OUTRAS IMAGENS CURIOSAS E INTERESSANTES DO NOSSO PARANÁ.


Iracema do Oeste: atualização (fotos 2019 e 2021)



Iracema do Oeste é uma cidade localizada a 137 quilômetros de Campo Mourão. Pertence a microrregião de Toledo. Pelo censo realizado em 2010, estava com 2.578 habitantes, dos quais, 576 na área rural. Na estimativa de 2021, caiu para 2.216 moradores. Em população é o 384º entre os 399 municípios paranaenses. Também é um dos menores em área territorial figurando em 396º, o quarto menor do Paraná.




A localidade começou a surgir em 1952, com a chegada dos primeiros primeiros moradores interessados no plantio de café e arroz. Mas foi em 1964, que o colonizador Paulo Tricário começou as vendas do primeiro loteamento. O nome do município é uma homenagem a filha dele chamada Iracema. Foi distrito de Cascavel e Formosa do Oeste. A Lei da emancipação é de 1990, mas o primeiro prefeito foi eleito em 1992 e tomou posse em 1 de janeiro de 1993.




Quem nasce ou mora em Iracema do Oeste é denominado de "iracemense". O aniversário é comemorado no dia 4 de julho. Geralmente a comemoração é marcada por inaugurações e eventos esportivos e culturais. É servido o prato típico "Leitoa Desossada". A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 98,3 por cento. Não tem rede de esgoto. Por falta de contagem oficial da população desde 2010, Iracema do Oeste é um dos 22 municípios paranaenses que têm mais eleitores que habitantes. Pelos dados eleitorais de 2020, existem 121 eleitores a mais que a quantidade oficial de moradores.




A atual rodoviária denominada "Sebastião Lycurgo", foi inaugurada em 2016, mas só a partir de julho de 2021, passou a vender passagens presenciais. A iniciativa foi do Expresso Nordeste que instalou o primeiro guichê.




Apesar de ser o quarto menor do Paraná em área de terras, o PIB per capita do município ocupa a posição 138 entre os 399 do Estado. A maior riqueza do município é com o plantio da soja que ocupa 6.399 hectares. O milho é cultivado em 5.420 ha. Existe diversificação na produção com o plantio de café, frutas, cana de açúcar e ainda a produção de frangos e suínos. O rebanho bovino é de 1.126 cabeças.




Na área urbana, Iracema do Oeste tem cerca de 800 imóveis residenciais. Outros 150 estão na zona rural. Possui cerca de 70 empresas comerciais e de prestação de serviços e 8 indústrias. Não possui agências da Caixa e do Banco do Brasil. Entre as empresas do município estão a Fábrica de Biscoitos Elian, Indústria de Confecções USB, unidade de grãos e insumos da I.Riedi e a Copacol.




O Estádio "Manoel Martins", foi revitalizado e reinaugurado em 2017. O Ginásio de Esportes fica bem ao lado. Além do futebol, o município se destaca no voleibol feminino.




A Igreja São João Batista, pertence a Diocese de Toledo. Em junho acontece a festa do padroeiro com a tradicional Leitoa Assada.


Santa Mariana: mais uma cidade que surgiu no auge do café



Santa Mariana é uma cidade localizada na microrregião de Cornélio Procópio, a 267 quilômetros de Campo Mourão. O perímetro urbano é às margens da BR-369, rodovia que liga Londrina até Ourinhos (São Paulo), no trecho compreendido entre as cidades de Cornélio Procópio e Bandeirantes. Pelo censo realizado em 2010, o município contava com 12 mil 435 habitantes. Na estimativa realizada em 2021, a população caiu para 11 mil 523 moradores.




Santa Mariana começou a se formar em 1934. Os pioneiros chegaram para plantar café, pois as terras eram muito férteis. Quatro anos depois se tornou distrito de Bandeirantes. Foi elevado a condição de município em 1947. O nome "Santa Mariana" é uma homenagem à Maria Balbina Procópio Junqueira, filha de Cornélio Procópio de Araújo Carvalho, que foi casada com Francisco da Cunha Junqueira, um dos desbravadores da região. Seu pai é nome do município vizinho de Cornélio Procópio.




Santa Mariana é um dos municípios brasileiros que viveu a chamada fase de ouro do café. A estação ferroviária foi inaugurada em 1948. Em 1972, a linha chegou a Cianorte, onde parou. O projeto era prosseguir até Umuarama, mas a geada negra que acabou com os cafezais do Paraná, acabou com vários sonhos, e a ferrovia começou a ser abandonada. Em 1981, o transporte de passageiros e cargas entre Maringá e Cianorte foi desativado e os trilhos abandonados. No mesmo ano também parou o trem de passageiros entre Maringá e Ourinhos. Hoje a linha é apenas para o transporte de trens cargueiros.




A estação de Santa Mariana foi abandonada, mas ainda existe a praça em que os passageiros se reuniam aquardando a chegada dos trens. Percebemos ao redor alguns prédios antigos que serviam de armazem onde eram depositados os produtos a serem transportados. Da riqueza do café, hoje ainda restam 320 hectares. Atualmente a principal lavoura é a da soja com 30 mil e 200 hectares. O milho tem 25 mil ha e a cana de açúcar ocupa 3.000 ha. O rebanho bovino do município é de 3 mil cabeças.

Um parte da Fazenda Palmeira, que começou o cultivo de café em 1942, ainda segue com a cultura em 200 hectares. A propriedade faz parte de um roteiro turístico conhecido como "Rota do Café". No local são produzidos cafés especiais. Trata-se de uma colônia com 30 famílias. Lá o visitante conhece todas as etapas da produção do café. As visitas precisam ser agendadas através de agências cadastradas.




Santa Mariana é sede de Comarca. Foi criada em janeiro de 1961 e instalada em dezembro de 1967. O primeiro juiz foi "Ely Rodrigues", Souza. Até nos dias de hoje funciona no mesmo prédio da inauguração.




O aniversário de Santa Mariana é comemorado no dia 11 de outubro. Geralmente a comemoração é com grande desfile no período noturno. É tradição a participação de fanfarras locais e de outras cidades. Outra festa é a de São Cristovão. O dia de São Cristóvão é 25 de julho, mas a festa é realizada em agosto no Dia dos Pais. E o que chama a atenção são os prêmios. No bingo tem até automóvel zero quilômetro.




Santa Mariana é uma cidade bem arborizada. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 98,2 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 163 entre os 399 municípios do Paraná. Quarenta e três por cento dos imóveis urbanos estão ligados à rede coletora de esgoto.




Santa Mariana tem 4 mil e 400 imóveis residenciais na área urbana e outros 250 na zona rural. Possui 415 empresas comerciais e de prestação de serviços e 30 indústrias. Tem uma emissora de rádio. Possui agência do Banco do Brasil, mas a cidade não tem unidade da Caixa Econômica Federal.




CURIOSIDADES: Na área central de Santa Mariana tem uma "arena" para apresentações de shows, eventos e atividades culturais. A cidade já teve um time no Campeonato Paranaense de Futebol. Participou da competição nos anos de 1961 e 1962, mas não conseguiu a classificação para a segunda fase. Uma pessoa que ficou famosa no município e virou notícia nacional e internacional foi Kotaro Okuyama, considerado o descobridor da uva rubi. No final dos anos 60, ele plantava "uva itália". Problemas climáticos afetaram a produção, mas ele percebeu que um cacho na estufa havia sofrido mutação. A nova variedade foi estudada e replantada, surgindo a "Uva Rubi". Nos anos 80 acabou se espalhando por várias localidades do Brasil. Ele foi tema de reportagens, inclusive no Japão.




Um dos pontos de encontro da população é o Parque da Pedreira. Durante a nossa visita em outubro/2021, o espaço passava por obras de revitalização. Em uma área rural, o município abriga a Estância Ecológica Guaicurus. O local foi sede de uma antiga fazenda de café nos anos 40. As edificações foram construídas por imigrantes suíços. São 150 hectares de reserva natural.




Percorremos praticamente todo o perímetro urbano de Santa Mariana e não encontramos nenhuma rua ou avenida com nome de cidade, flor, árvore ou aves. Todas as vias públicas são praticamente nominadas com nomes de pessoas.




A Paróquia Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças, foi criada em 8 de dezembro de 1942. No início pertenceu a Diocese de Jacarezinho. Hoje integra a Diocese de Cornélio Procópio.


Maringá: atualização (novas imagens e informações)



Maringá é a terceira cidade brasileira com maior concentração de descendentes japoneses. Em 1973, se tornou cidade irmã de Kakogawa. Foi o começo da realização do grande projeto do Parque do Japão. Embora o projeto estivesse em discussão nos anos 70, a Pedra Fundamental foi lançada em 2006. A inauguração aconteceu em 2013. Veja aqui o nosso especial completo sobre Maringá.


Marialva: atualização (fotos de 2019 e 2021)



Marialva está localizada na microrregião de Maringá, a 105 quilômetros de Campo Mourão. Pelo censo de 2010, tinha 31 mil 959 habitantes. Na estimativa de 2021, subiu para 36.103. moradores. Quem passa por Marialva vai encontrar obeliscos em forma de cachos de uva. A imagem acima é do trevo que dá acesso a cidade para quem segue no sentido Maringá-Londrina. Percebe-se que é um cacho de uva rubi, a mais produzida por lá. O monumento foi construído em concreto e ferro pelo artesão cearense Gilberto Gomes Moura. Tem 18 metros de altura. Marialva é considerada a Capital da Uva Fina.




Aqui é para quem vem pela outra extremidade, ou seja no sentido Londrina-Maringá. (mas para passar em baixo é preciso sair da rodovia e acessar a via para a cidade). Em dezembro é realizada tradicional Festa da Uva Fina. O cultivo da teve início nos anos 60, com os japoneses. Atualmente são quase 800 produtores. Em população, Marialva ocupa a posição 53 entre os 399 municípios do Paraná. Tem um dos melhores salários do Estado. A taxa de alfabetização de crianças de 0 a 14 anos chega a 99 por cento. A mortalidade infantil é de 14 a cada 1000 nascimentos. A cidade tem 45 por cento de rede coletora de esgoto.




Durante vários anos o tráfego entre Maringá e Londrina passou pelo centro de Marialva. Era trecho da BR-376, denominada de Avenida Cristovão Colombo. O nome continua o mesmo. Vai até Sarandi e segue à Maringá, onde é mais conhecida simplesmente como Avenida Colombo. Ou seja, essa famosa avenida começa em Marialva e termina no trevo do Shopping Catuaí, saída para Campo Mourão, totalizando 24 quilômetros. Tanto Marialva quanto Maringá foram fundadas pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná e por isso o mesmo nome para o trecho que liga e passa pelas duas cidades.




Marialva surgiu através da Companhia de Terras Norte do Paraná, que decidiu criar um patrimônio, ao lado da estrada que liga Mandaguari a Maringá. Em 1947, o patrimônio era elevado à categoria de distrito de Mandaguari e, em 1951, foi criado município. O nome é uma homenagem a D. Pedro de Alcântara Menezes, o “Marquês de Marialva”, cavaleiro portugues, nascido em 1711 e falecido em 1799.




Em 1954, foi inaugurada a estação de trem em Marialva. Era a ligação da ferrovia entre Maringá e Ourinhos (SP), passando por diversas cidades como Mandaguari, Jandaia do Sul, Apucarana, Londrina, Jataizinho, Uraí, Cornélio Procópio e Cambará. Em 1973, os trilhos seguiram de Maringá até Cianorte. O projeto era para prosseguir até Umuarama, mas em 1980, o trecho entre Maringá e Cianorte foi desativado. Atualmente a estação de Cianorte abriga a Casa da Cultura e a de Marialva foi abandonada. A estação de Maringá parou com o transporte de passageiros em 1976 e foi desativada. Hoje entre Maringá e Londrina só existem os trens de carga.




Marialva é uma cidade com relevo de "altos e baixos". Em menos de 2 quilômetros em área urbana você sai de 550 metros de altitude (nível do mar) para 680 metros. Existem trechos de ruas que em menos de 200 metros a elevação passa dos 50 metros.




Em PIB per capita, Marialva ocupa a posição 66 entre os 399 municípios do Paraná. Embora seja considerada como a Capital da Uva, a principal riqueza do município é com a soja que ocupa 27 mil hectares. Em seguida está o milho com 20 mil ha. Em dinheiro, a uva fica com a terceira posição. São 485 hectares e produção de 11 mil 580 toneladas por ano. O rebanho bovino é de 11 mil cabeças. Destaque também para a produção de frangos. O café é cultivado em 130 hectares.




Marialva tem cerca de 15 mil imóveis residenciais na área urbana e 1.600 na zona rural. O município possui 1.500 empresas comerciais e de prestação de serviços e 374 na área industrial. Possui agências do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Tem filiais das Lojas Americanas, Magazine Luiza e Mercadomóveis. No ramo agrícola é atendida pela Cocari, Cocamar (moinho de trigo), Integrada Cooperativa e Belagrícola. Entre as indústrias destaque para a Flexoprint Labels (auto adesivos e etiquetas), Incoplast (embalagens flexíveis e envelopes), Arroz Martinélli e BSBIOS (biodiesel, glicerina e farelo de soja).




Marialva conta com câmeras de segurança na área central. Esses equipamentos são monitorados pela polícia. Não possui estacionamento rotativo. Várias ruas são de mão única e diversos cruzamentos possuem semáforos. Quem nasce ou mora no município é denominado de "marialvense".




O aniversário de Marialva é comemorado no dia 14 de novembro. A prefeitura organiza diversos eventos. Entre eles um desfile na Avenida Colombo. A atração principal é a realização da Festa da Uva Fina.




A Festa da Uva Fina, realizada em novembro, tem vários dias e acontece no Parque da Uva, saída para Mandaguari. É recheada de shows nacionais, exposições de uvas e flores, palestras, passeio ciclistico (chegada no Parque) e até campeonato de estilingue.




Em todos os dias da Festa da Uva tem o tradicional rodeio com a grande final geralmente acontecendo no sábado a noite. No domingo as atrações são shows e eventos culturais e almoço das entidades.




A Paróquia Nossa Senhora de Fátima foi fundada em 10 de abril de 1949. O templo é imponente. Possui muitas esculturas e pinturas nos vidros. Várias peças em madeira representam a Via Sacra. No período natalino a paróquia em parceria com prefeitura realiza o "Presépio Vivo". A encenação é feita durante várias noites com a participação de voluntários. Também é tradição a encenação da Paixão de Cristo




A Praça Santos Dumont, centro de Marialva é um dos pontos de encontro da população. Ao redor tem sorveterias e bares. Os pais levam os filhos para brincarem no parquinho.




Em Marialva também chama a atenção é que espaços reduzidos são transformados em pequenos jardins. A iniciativa acaba transformando o visual e a paisagem de uma esquina.




Em algumas das esquinas, além do jardim, o espaço é enfeitado com esculturas.




Algumas áreas de lazer estão afastadas do centro da cidade e beneficiam moradores dos bairros. Na imagem acima um parque linear perto da linha férrea. O espaço tem pista de skate, cancha de bocha e espaço para crianças e a terceira idade.




Entre as pessoas famosas que nasceram em Marialva estão a Nádia Gomes Colhado, jogadora profissional de basquete e o produtor musical Luiz Eduardo Pepato. Trabalhou com Marília Mendonça, Chitãozinho e Xororó, Gustavo Lima, Luan Santana entre outros. Na foto acima a Estação Rodoviária.




O Cine Teatro Municipal "Sônia Maria Silvestre", tem capacidade para 700 pessoas. Possui estacionamento e ar condicionado. Foi inaugurado em 2010. A curiosidade é que devido ao relevo do terreno o prédio fica abaixo do nível da rua.




A concha acústica está localizada perto da prefeitura na praça Francisco Silveira da Rocha. O espaço sempre tem apresentações artísticas e culturais.




O Colégio Anjos Custódios foi fundado no dia 29 de janeiro de 1965. Em 1972, o colégio passou a funcionar no prédio atual. A obra começou em 1966 e teve a participação dos moradores. Os anjos Custódios, também conhecidos como anjos da guarda, são anjos que Deus designou a cada homem para protegê-lo. O estabelecimento oferece ensino particular e é administrado pelas Irmãs Anjos Custódio.




O Poder Legislativo de Marialva é formado por 9 vereadores. Recentemente os vereadores aprovaram o 12 de março como o Dia Municipal das Vítimas da Covid. A data é uma referência a primeira morte pela doença no Brasil.




O polêmico "Mirante". Construído pela prefeitura perto do reservatório de água da cidade, no ponto mais alto de Marialva, o mirante tem por objetivo ser uma atração turística, mas acabou virando uma polêmica. A obra orçada em meio milhão de reais, que começou em 2015, ficou parada por vários anos e parte da estrutura acabou sendo danificada. A estrutura foi revitalizada e inaugurada em outubro de 2019. Possui elevador. Do alto é possível ver toda a cidade de Marialva e também Maringá. Em Marialva o serviço de abastecimento de água e esgoto é municipal.


Nova Santa Rosa: atualização (fotos 2019 e 2021)



Nova Santa Rosa é uma cidade localizada a 198 quilômetros de Campo Mourão. Integra a microrregião de Toledo. Pelo censo realizado em 2010, o município contava com 8.054 habitantes. Na estimativa realizada em 2021, passou para 8.311. É conhecida como "Jóia do Oeste".




Embora com pouca extensão territorial e considerado pequeno em número de moradores. Nova Santa Rosa é um dos municípios mais ricos do Paraná, com bom índice no PIB per capita. A riqueza está na agricultura com 13.420 hectares de soja. O milho é plantado em 12.771 ha. Outro destaque é a grande criação de frangos e suínos. O rebanho bovino é de 9 mil cabeças. O município tem 310 empresas comerciais e de prestação de serviços e 70 indústrias. Entre as indústrias estão a Frigorosa Embutidos e Defumados e cerâmicas.




A área urbana de Nova Santa Rosa tem 2.600 imóveis residenciais. Outros 850 estão na zona rural. A maioria das residências é de padrão médio. Tem mais de 7 mil veículos para 8 mil e 300 moradores. O índice de escolarização de crianças de 6 e 14 anos é de quase 100 por cento. Tem apenas 4 por cento de rede de esgoto. A cidade conta com agência do Banco do Brasil, mas não tem Caixa Econômica Federal. Possui uma emissora de rádio. A prefeitura promove a Expomeis - Feira dos Microemprededores.



A colonização começou em 1953, com famílias de alemães e descendentes, oriundos de Santa Rosa (hoje 74 mil habitantes), Rio Grande do Sul. A localidade foi fundada pela colonizadora Maripá, a mesma de Toledo. O nome é uma homenagem a cidade gaúcha de onde chegaram os primeiros moadores. Até 1977 foi distrito de Toledo.




Outra homenagem dos pioneiros foi nomear as ruas com denominações dos distritos do município gaúcho de Santa Rosa. As principais vias públicas foram batizadas de Boa Vista, Santo Cristo, Horizontina, Três de Maio, Tucunduva, Tuparandi, Campinas, Cruzeiro, Ubiretama, Porto Lucena e Porto Mauá. Quem nasce ou mora no município é denominado de nova-santa-rosense. O monumento com estrela de cinco pontas em um cruzamento central de Nova Santa Rosa, é símbolo da auto determinação, guia seguro e aspiração às coisas. A estrela também está na bandeira do município na cor azul.




O aniversário de Nova Santa Rosa é comemorado no dia 29 de abril, mas nos últimos anos, o feriado é antecipado ou transferido, dependendo do dia da semana. Em 2021, passou de quinta para sexta-feira. Uma das atrações é a ExpoRosa que acontece no Parque de Exposições (foto acima). Além de café colonial, shows, apresentações de fanfarras e bailes é servido o tradicional Frango Desossado e Recheado. Outros eventos acontecem no Centro Cultural, Praça e Teatro. O município promove todos os anos um concurso de decoração natalina de casas e comércio.




A principal praça da cidade é a "Praça da Bíblia". No perído natalino fica enfeitada de luzes e presépio gigante. É o ponto de encontro dos moradores. Ao redor ficam os traileres de lanches com a mesas na calçada contornando a praça. O local tem chafariz com uma flor rosa ao centro, brinquedos para crianças e equipamentos para ginástica. Até 1977, era conhecida como Praça da Sé, mas o nome foi alterado para significar a união de todas as religiões cristãs.




Outra praça, fora da área central, imediações do entreposto da Coamo Agroindustrial, é conhecida como "Praça Militar" ou "Praça do Exército". Foi inaugurada em 2016. O destaque é para a viatura blindada de combate modelo M41A3 de 23 toneladas. O veículo de guerra foi doado pelo Regimento de Cavalaria Blindado de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul.




O Teatro Municipal "Gustavo Fischer", foi inaugurado em novembro de 2016. No local já existia o prédio do Centro Cultural, construído em 2004. O espaço recebeu ampliação e modernização. Uma das grandes atrações locais do teatro é a Banda Marcial de Nova Santa Rosa. No local também é ralizado o Festirosa (Festival de Vozes). A competição é nos estilos Sertanejo, Gospel, Popular e Infantojuvenil, sendo que os primeiros colocados de cada categoria são classificados para o Festival Regional dos Municípios do Oeste do Paraná – Fermop. Outra atividade cultural é o Encontro Nacional de Coros Juvenis (Encoro). No esporte o município se destaca na Ginástica Rítmica. Tem campeonato municipal de futsal.




Estação Rodoviária de Nova Santa Rosa...




A cidade tem dois templos principais. A paróquia Santa Rosa de Lima...




..e o Templo da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana.


Abatiá: cidade que surgiu no auge do café



Abatiá é uma cidade localizada a 308 quilômetros de Campo Mourão. Pertence a microrregião de Cornélio Procópio. Pelo censo realizado em 2010, o município estava com 7.764 habitantes, dos quais 2.032 na área rural. Na estimativa de 2021, caiu para 7.360 moradores. Abatiá na lingua Tupi significa "grão de milho". Quem nasce ou mora na localidade é denominado de "abatiense".




A história registra que Abatiá começou a se transformar em um povoado em 1925. Os primeiros moradores deram o nome de Lageado. Em seguida a comunidade passou a ser conhecida como "Carvalhópolis". Foi para homenagear João Carvalho, que é retratado como primeiro habitante do local. As famílias foram sendo atraídas pelas terras férteis para o plantio de café. Em 1936, Carvalhópolis foi elevado a condição de distrito de Santo Antonio da Platina. O nome voltou a ser Lageado. Só que a população não gostou, e em 1943, por decreto do Governo Estadual, a localidade passou a se chamar Abatiá. A emancipação foi assinada em 10 de outubro de 1947, pelo então governador Moisés Lupion. O fim da era de ouro do café, prejudicou o desenvolvimento do município.




Em Abatiá, tem um centro esportivo denominado "Tião Abatiá" (foto acima). Muitas pessoas questionam sobre qual a ligação da cidade de Abatiá com o jogador Tião Abatiá, ídolo do Coritiba nos anos 70. Alguns acham que o nome da cidade é em homenagem ao centroavante. Na verdade o jogador do Coritiba, Sebastião José Ferri, nasceu em Abatiá, no dia 20 de janeiro de 1945, dois anos antes da emancipação. Ele ganhou o apelido nos anos 60, quando começou a jogar futebol pelos times de Cambará e União Bandeirantes. Era chamado de "Tião de Abatiá", mais tarde encurtaram o apelido. Tião Abatiá faleceu aos 71 anos, no dia 16 de agosto de 2016. Foi velado e sepultado em sua cidade Natal.




O sistema de distribuição de água encanada e rede de esgoto na cidade de Abatiá não é da Sanepar. É um serviço autônomo municipal administrado pela prefeitura. Trinta por cento dos imóveis estão ligados a rede coletora de esgoto. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 96,5 por cento. A mortalidade infantil é considerada alta, com índice de 33,9 por mil nascidos vivos.




Em PIB per capita Abatiá ocupa a posição 321 entre os 399 municípios do Paraná. A principal riqueza do município é a soja com 10 mil e 500 hectares. O milho é plantado em 9.800 ha e o trigo em 3.600 ha. A cana de açucar ocupa 520 hectares e o café é cultivado em 460 hectares. O rebanho bovino é de 14 mil cabeças. Destaque também para a criação de frangos, o plantio de feijão e a produção de 3.400 toneladas anuais de banana.




Abatiá tem 186 empresas comerciais e de prestação de serviços e 14 empresas consideradas como do setor industrial. Na área urbana são 2.360 imóveis residenciais. Outras 650 moradias estão localizadas na área rural. A cidade tem agência do Banco do Brasil, mas não possui unidade da Caixa Econômica Federal. Em Abatiá algumas ruas são de mão única.




O aniversário de Abatiá é comemorado no dia 17 de outubro. Uma festa tradicional no município é a Festa do Peão. Um dos destaques culturais da cidade é o Coral Municipal. Em outubro de 2016, um temporal atingiu a cidade. O vendaval ocorreu no momento em que acontecia o a Festa. Além de casas e estabelecimentos comerciais que ficaram danificados, o temporal também destruiu a estrutura da Arena do Parque de Exposições. Duas pessoas ficaram feridas.




Parque de Exposições de Abatiá, que teve a estrutura e arena de rodeio destruídas pelo temporal em outubro de 2016. As arquibancadas da arena são montadas com estrutura metálica por ocasião dos eventos. Outros feriados no município são para comemorar a Padroeira Nossa Senhora Aparecida em 12 de outubro e da Imaculada Conceição em 8 de dezembro.




O local de encontro dos moradores de Abatiá é a Praça Carvalhópolis. Está situada perto da Igreja Matriz e da Prefeitura. Fica numa posição de 2 a até 3 metros de altura em relação ao nível da Avenida João Carvalho de Mello, a principal da cidade. Assim, para entrar na praça por esse lado é preciso subir escadas. Em uma das extremidades a rua lateral foi transformada em calçadão e passou a fazer parte da praça.




Abatiá tem Hospital Municipal (Santa Casa). Funciona em um prédio construído em 1951. Na época abrigava o "posto de higiene". O espaço foi adaptado e ampliado para o funcionamento do hospital. A cidade também conta com Lar dos Velhinhos, denominado "São Francisco de Assis".




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Abatiá foi criada em dezembro de 1954. Pertence a Diocese de Jacarezinho.




Em Abatiá, saída para Ribeirão do Pinhal e Santo Antônio da Platina, tem uma capela que chama muito a atenção por quem passa pela rodovia.


Imagens do Nosso Paraná..



A Avenida Brasil em Cascavel é uma das mais bonitas do País. Tem 12 quilômetros de extensão com 50 metros de largura. Trinta metros são dedicados ao canteiro central, que acaba se transformando numa enorme praça pública com diversas atrações. VEJA AQUI MAIS IMAGENS EXCLUSIVAS DO PARANÁ.


As curiosidades do Nosso Paraná..



Geralmente as cidades fazem homenagens aos seus pioneiros, políticos ou pessoas de sucesso com estátuas, placas ou bustos, mas em Astorga, a homenagem para Chitãozinho e Xororó é uma lâmina de água em formato de violão...A dupla nasceu em Astorga. Chitãozinho em 1954 e Xororó em 1957. VEJA AQUI MAIS CURIOSIDADES QUE ENCONTRAMOS NO PARANÁ.


-

Bela vista da Caroba
Pome
Integrado

[ voltar ]