9/10/2021 -


Goioerê: atualização. Fotos de 2019, 2020 e 2021



A cidade de Goioerê está localizada a 74 quilômetros de Campo Mourão. Pela estimativa do IBGE de 2021, tem 28.734 moradores. Pelo Censo de 2010, estava com 29.018 habitantes, das quais 3.776 residindo na área rural. Goioerê é o 62º mais populoso entre os 399 municípios paranaenses. Quem nasceu ou mora na localidade é denominado de "goio-erense". O índice de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,4 por cento.




Na área urbana, Goioerê tem cerca de 10 mil imóveis residenciais. Pouco mais de 1.000 empresas estão cadastradas como comerciais e de prestação de serviços e outras 83 estão configuradas como indústria. A rede de esgoto beneficia quase metade da cidade. Conta com agências da Caixa, Banco do Brasil e outras duas instituições privadas. Tem 3 emissoras de rádio.




Goioerê conta com uma filial do Paraná Supermercados, Lojas Americanas, Concessionárias Ford, Chevrolet e Fiat, além das cooperativas Coamo, C.Vale, Integrada e Copacol. A estimativa é de que 20 por cento da população tenha emprego com carteira assinada. Em riqueza, avaliando o PIB per capita, Goioerê está na posição 187 do Paraná.




O prato tipico é o "Leitão Maturado". Desde o dia 2 de abril de 1978, funciona em Goioerê uma Aldeia Infantil SOS, entidade mundial que cuida do bem estar de crianças e adolescentes.




Goioerê está entre as 50 cidades mais arborizadas do Paraná. Na agricultura o destaque é para a soja com área de 35.200 hectares. O milho vem na sequência com 20 mil e 200 hectares. Destaque também para a produção de leite e frangos.




O aniversário de Goioerê é comemorado no dia 10 de agosto. O município decidiu que o feriado será sempre transferido para a segunda-feira, quando a data cair entre terça e sábado. Geralmente os festejos são realizados com grande festa incluindo shows com artistas de renome nacional. Os principais eventos são realizados no Parque de Exposições. Em várias ocasiões os shows foram gratuitos.




Outro evento que chama a atenção em Goioerê é o Prêmio ACIG "Melhores do Ano", promovido pela Associação Comercial e Industrial. Outro destaque é a Expo Cristã, que reúne cantores e grupos de músicas católicas e evangélicas.




Goioerê surgiu por volta de 1943, com a chegada dos pioneiros Francisco, Carlos e Vlademir Scarpari. Às margens do Rio Goio-Erê, os irmãos iniciaram as primeiras fazendas de café. Anos depois eles decidiram criar uma cidade e fundaram a empresa “Sociedade Goio-Erê”, planejando a área urbana e a venda de lotes.




O nome se deve ao Rio Goio-Erê, que na língua indígena significa "água limpa" ou "àguas claras". Mas, segundo o indigenista Edívio Battistelli, a tradução inicial do nome de Goioerê foi feita errada: as palavras Goio e Erê, na verdade, significam "campo dágua" e não "águas claras". Até 1955 foi distrito de Campo Mourão.




Nos anos 80, Goioerê foi reconhecido como o maior produtor nacional de algodão. Na época, ainda englobava os antigos distritos de Rancho Alegre do Oeste e Quarto Centenário. A população chegou a quase 100 mil habitantes, a grande parte na área rural. O fim do algodão nos anos 90 provocou grande desemprego e vertiginosa queda populacional. A foto acima, é do novo fórum de Goioerê.




O trânsito na área central de Goioerê é controlado por semáforos e vias de mão única. Não tem estacionamento rotativo pago. A cidade conta com campus da UEM, que oferece os cursos de Engenharia Textil, Engenharia de Produção e Licenciatura em Física. O campus começou a funcionar em 1991. Ao completar 30 anos, ganhou o curso de Física Médica.




A imagem da rodoviária de Goioerê também mostra um detalhe da cidade. É dificil encontrar os chamados "postes republicanos", moda na maioria das cidades que já visitamos. Lá é do tipo "chuveirinho".




A unidade do Corpo de Bombeiros está ao lado do Ginásio de Esportes 10 de Agosto. A cidade estuda a implantação da Guarda Municipal.




O Ginásio de Esportes "10 de Agosto", foi e continua sendo palco de grandes disputas esportivas e shows musicais. Foi inaugurado em 1981, e totalmente revitalizado no começo de 2019. Goioerê é reconhecida em todo o o Brasil por suas equipes de Handebol. Em 2021, a cidade de Goioerê foi escolhida pela Confederação Brasileira de Handebol, como um dos polos nacionais do Mini Handebol Brasil. O objetivo dos polos é a formação de atletas e atende crianças de 5 a 10 anos.




Goioerê tem 6 centros de educação infantil, 12 escolas de ensino fundamental, 6 colégios estaduais de ensino médio. A cidade conta com o Parque do Povo, com quadras esportivas, parque infantil, pista de caminhada e centro de convenções. Tem ainda o Parque Ecológico, onde é possível caminhar pelas trilhas.




Em Goioerê os órgãos públicos, biblioteca, ginásio de esportes, igreja matriz e até o estádio, ficam concentrados em um raio de 1 quilômetro. Falando em estádio, um dos orgulhos do município na área esportiva, é Edina Alves Batista. Nasceu em Goioerê no dia 10 de janeiro de 1980. Ela é árbitra de futebol da FIFA, desde 2016, e apitou uma das semifinais da Copa do Mundo Feminina na França.




A Paróquia Nossa Senhora das Candeias pertence a Diocese de Campo Mourão. Foi fundada no dia 24 de fevereiro de 1957, cerca de 3 anos após a celebração da 1ª missa na localidade. A construção do templo atual começou em 1966. A igreja abriga um fragmento da Cruz de Jesus Cristo. Só existem 3 fragmentos no Brasil. Os outros dois estão em Apucarana e São Paulo.


Arapongas: cidade dos móveis, pássaros, ovo e abacate



Arapongas está situada entre Apucarana e Rolândia. Distante 39 quilômetros de Londrina e a 149 km de Campo Mourão, o município é o 16º mais populoso do Paraná, com 104.150 habitantes, pelo censo de 2010 e 126.545 na estimativa do IBGE feita em 2021. Menos de 3 por cento da população mora na área rural.




Em PIB per capita, Arapongas ocupa a posição 119 entre os 399 municípios paranaenses. O salário médio do trabalhador é de 2,2 mínimos mensais e quase 30 por cento das famílias tem rendimento médio de meio salário mínimo por pessoa. Ou seja, embora tenha muitas indústrias e 34 por cento da população com carteira assinada (31º lugar do Paraná), os salários não estão entre os 100 melhores do Estado. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,3 por cento (288º no PR). Sessenta por cento da cidade possui rede de esgoto.




Arapongas possui 43 mil e 200 imóveis residenciais na área urbana e cerca de 800 na zona rural. Conta com quase 5 mil empresas nas área comercial e prestação de serviços e mais de 1.200 no setor industrial. Tem 12 agências bancárias e 5 emissoras de rádio. O Aeroporto Municipal "Alberto Bertelli", tem pista de 1.200 metros. Foi homologado em 1982. Em setembro (2021), foi reativada a linha aérea até Curitiba, no projeto "Voe Paraná".




Arapongas tem um dos maiores parques moveleiros do Brasil. A cada dez móveis produzidos no município, 9 são comercializados em outros centros. A indústria moveleira foi a "grande sacada" para escapar da crise do café. Hoje são mais de 60 indústrias de pequeno e grande porte como a Moval (foto), Aramóveis, Simbal, Irmol e Madetec. Em Arapongas o centro de eventos Expoara, é sede de duas grandes feiras bienais do setor mobiliário. A Expoara tem 40 mil metros quadrados de área coberta com 3 heliportos, restaurante e estacionamento para 5 mil veículos. É o maior complexo do Sul do Brasil destinado a eventos.




Além do grande parque indústrial do setor moveleiro, Arapongas também concentra outras grandes indústrias, principalmente no setor alimentício, como o Moinho Arapongas, inaugurado em 1964. É sede da Nortox, indústria de inseticidas, fungicidas, sementes e nutrição vegetal. Entrou em atividades em 1954. Também no município está instalada a indústria de Tintas Farben. Na área de ensino superior são 5 estabelecimentos. A cidade conta com unidade do Centro de Integração Empresa-Escola do Paraná (CIEE/PR). A instituição (39 no Estado), atua para promover a integração dos jovens ao mercado de trabalho.




O aniversário de Arapongas é comemorado no dia 10 de outubro. A prefeitura sempre organiza eventos especiais na Praça do Santuário (centro). Entre as atrações estão o Desfile de Fanfarras dos colégios, apresentação da Orquestra de Viola, shows e feira da barganha. Em agosto é realizada a tradicional Festa do Ovo e do Abacate. O evento acontece na comunidade rural Colônia Esperança. Arapongas é um dos maiores produtores de ovos e abacates (140 ha) do Paraná. Na agricultura o destaque é para a soja que é plantada em 21.600 hectares. Também é grande a produção de frangos. O rebanho bovino é de 6 mil cabeças. No Natal, a Associação Comercial (Acia), faz o sorteio de 10 motos Honda Biz e automóvel Jeep Renegade, além de outros prêmios.




A principal avenida da cidade tem o nome de "Arapongas". Como curiosidade todas as ruas e avenidas têm nomes de pássaros. A cidade vai crescendo e nos bairros mais afastados os pássaros já não são tão conhecidos, como por exemplo: Rua Periquito da Asa Dourada, Gralha do Topete, Casaca de Couro e Araçari de Crista.




Arapongas tem poucos trechos com duas pistas separadas por canteiros. Por causa disso a maior parte das vias públicas centrais é de mão única. Quem quiser atravessar a principal (foto acima), é melhor optar pelo cruzamento com semáforo, pois do contrário terá que ter muita paciência. É preciso pagar para estacionar. Dois reais por hora (set/2021). A cidade possui Guarda Municipal e tem Escolinha de Trânsito para crianças.




Estádio Municipal "José Luiz Chiapin", também conhecido como "Estádio dos Pássaros". Foi reformado em 2019, ano em que o Arapongas disputou a Divisão de Acesso (terceira divisão do paranaense). Foi vice, mas por pendências junto à Federação, cedeu a vaga para o Azuris. O estádio foi construído e inaugurado em 1982. Tem capacidade para 15 mil espectadores. Em agosto de 2010, recebeu quase 10 mil torcedores. Naquela oportunidade venceu o São José dos Pinhais por 2 a 0, ficou como vice e subiu para a primeira divisão. Em 2014, disputou o Brasileirão da Série D e a Copa do Brasil. No final do mesmo ano desistiu de participar do Paranaense. O estádio também é palco da tradicional Festa do Trabalhador em 1º de maio. O Arapongas Esporte Clube foi fundado em 1974.




Uma das pessoas mais conhecidas de Arapongas, é a "Bel da Pimenta". Com o Jeep antigo, e placas que levam o seu apelido e o ano em que nasceu, ela é participante da feira livre da cidade. Bel como o próprio nome diz, comercializa pimentas e molhos de todos os tipos. A Feira Livre de Arapongas, acontece aos domingos em frente ao Ginásio de Esportes, na área central da cidade. É uma das maiores e mais variadas do Paraná. Pode se comprar de tudo, até enxadas ou objetos e equipamentos antigos.




Quando chegamos em Arapongas, no domingo, 11 de julho 2021, já passava das 13 horas, e a feira tinha terminado, ficando apenas duas barracas de lanches. Mas a "Bel da Pimenta" e o seu "Wilson da Linguiça", nos desejaram uma ótima visita, e aguardam a gente por lá em outro domingo. Ao fundo, na imagem o Ginásio de Esportes e o espaço onde acontece a tradicional feira.




O Parque dos Pássaros é a principal área de lazer em Arapongas. Durante nossa visita (setembro/2021), notamos que o espaço carece de várias melhorias. A pista de caminhada tinha vários buracos, iluminação precária e o mato já em cima dos bancos.




Sobre a situação do Parque, conversamos com alguns frequentadores. Eles confirmaram que o local estava praticamente abandonado e relataram que não sentem segurança em caminhar por toda a extensão, citando que pessoas foram assaltadas. Em maio de 2020, um homem foi encontrado morto no local. Um funcionário da prefeitura disse que o município tem um amplo projeto para revitalização do Parque e acredita que a obra estará concluída até o final de 2022. Arapongas possui Museu Municipal, Mercado Municipal e o antigo Cine Mauá que funciona como teatro.




O terminal de ônibus urbano de Arapongas é bem chamativo por causa do estilo na cobertura e também pelo relógio. O terminal foi instalado na antiga rodoviária. Em 2015, o prédio foi reformado e passou a funcionar como transporte coletivo urbano. A atual rodoviária foi inaugurada em 1993 e revitalizada em 2017.




Uma das igrejas que chama a atenção em Arapongas, é a do Sagrado Coração de Jesus. Está localizada na área rural, mais precisamente na Colônia Esperança, a 11 quilômetros do centro da cidade. Foi construída no estilo Colonial. Local calmo, com muitas árvores e lavouras ao redor. Quando estivemos lá, percebemos algumas pessoas fazendo piquenique. Também tinha gente fazendo fotos de casamento.




Do entorno da Igreja Sagrado Coração de Jesus (Colônia Esperança em Arapongas), é possível observar a vizinha cidade de Apucarana. A linha imaginária do Trópico de Capricórnio corta o município de Arapongas. Para representar a linha, existe um obelisco construído, em 1992, na BR-369, trecho, saída para Apucarana.




A Igreja Matriz de Arapongas é o Santuário de Nossa Senhora Aparecida. A paróquia foi instalada em novembro de 1942. É administrada pelos Padres Palotinos. No início, por decisão oriunda de Londrina, foi denominada paróquia "Santos Anjos", mas assim que a primeira igreja de madeira ficou pronta, o dono de uma serraria fez a doação da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Os fiéis pediram e o nome foi substituído.




A imagem de Nossa Senhora, que foi doada nos anos 40, encontra-se do lado de fora da igreja. É protegida por redoma de vidro, e ali os fiéis também fazem seus pedidos. Em Arapongas, além do Santuário, os palotinos administram a Casa de Acolhida São Vicente Pallotti. A instituição abriga pessoas em situação de rua.


Bom Sucesso do Sul: cidade com atrativos e famoso prato típico



Bom Sucesso do Sul é uma cidade localizada a 393 quilômetros de Campo Mourão. Integra a microrregião de Pato Branco. No censo de 2010, o município contava com 3.293 habitantes, dos quais mais da metade, 1.712, residindo na área rural. Na estimativa de 2021, a população estava em 3.244. Em PIB per capita, o município é o 19º entre os 399 do Paraná. Quem nasce ou mora na localidade é denominado de "bomsucessense do sul".




Assim que entramos na cidade (março/2021), fomos surpreendidos pelas esculturas, praças e por uma área urbana muito bem cuidada. E veio a pergunta: como um município tão pequeno consegue ter uma cidade bonita e ficar entre os 20 do Paraná em PIB per capita? E não foi só. Sessenta por cento das casas estão ligadas à rede coletora de esgoto.




A riqueza de Bom Sucesso do Sul está na agropecuária e nas indústrias de transformação. A área ocupada com soja é de 12 mil e 600 hectares. O milho é plantado em 8.250 ha. O espaço do feijão é de 5.120 hectares. É grande a produção de frangos. O Moinho Dona Alda produz farinhas especiais com quatro marcas. O Latícinios Bom Sucesso fabrica creme de leite, queijo, mussarela e manteiga com as marcas "Litoral" e "Soberano". A cidade tem fábricas de móveis planejados e esquadrias. É sede da Cooperativa São Expedito que atua na produção de farinha de milho e derivados. Possui ainda unidades da Sementes Guerra e Coasul.




Apesar dos bons níveis econômicos, Bom Sucesso do Sul não tem agências da Caixa ou do Brasil do Brasil. As unidades mais próximas estão em Francisco Beltrão (27 km) e Pato Branco (28 km). No total, o município abriga 19 indústrias e 80 empresas comerciais e de prestação de serviços. A área urbana possui 650 imóveis residenciais. Outros 500 encontram-se na zona rural. A cidade não conta com emissora de rádio.




Em Bom Sucesso do Sul, a prefeitura e câmara dos vereadores estão lado a lado. A história da localidade começa por volta de 1920, com a descoberta de uma fonte de água mineral. O poder medicinal da água correu o Paraná e outros estados e acabou atraindo pessoas, que decidiram ficar por lá. Até 1990 foi distrito de Pato Branco. A instalação aconteceu no dia primeiro de janeiro de 1993, com a posse do primeiro prefeito. SOBRE O NOME: Em 1944, os pioneiros definiram Nossa Senhora do Bom Sucesso como a padroeira. A definição ficou também para o distrito. O "Sul" foi acrescentado por já existir um município com o mesmo nome no Paraná.




O aniversário de Bom Sucesso do Sul é comemorado no dia 8 de janeiro, mas a grande festa é do prato típico. O tradicional Leitão Desossado na Grelha é servido em dezembro. Trata-se de uma das maiores festas realizadas no Sudoeste do Paraná. Geralmente são vendidos em média 250 kits, e cada um é para servir até 22 pessoas. Tudo regado ao chope. Outra tradição é a Festa Junina realizada em conjunto pelas escolas municipais numa mesma data. O município ainda promove em maio o festival municipal de música. Também são comemorados o Natal e Final de Ano.




No setor esportivo, Bom Sucesso do Sul investe em campeonatos municipais como futsal, futebol 7, torneios de pesca no Lago Municipal. A cidade ainda conta com uma escolinha do Atlético Paranaense. A "Escola Furacão" atende crianças e adolescentes de 7 a 17 anos de idade, nas classes Sub 14, Sub 15, Sub 16 e Sub 17.




Bom Sucesso do Sul tem um dos parques municipais urbanos mais bonitos do Paraná. É o "Parque dos Anjos". O local é repleto de esculturas, espaço de lazer, pista de caminhada e brinquedos para crianças e atividades para a terceira idade. Possui sanitários e até um portal. A cidade tem 28 câmeras de monitoramento, montadas pela prefeitura.






Toda a área do Lago Municipal do Parque dos Anjos, conta com iluminação em led. Chama a atenção a transparência da água. É muito limpa. O parque disponibiliza sinal de wi-fi. Existem outros pontos pela cidade e até antenas especiais para a propagação da internet grátis em áreas rurais. Aliás, o município já recebeu prêmio pela sua rede de internet à população. O LAGO MUNICIPAL TEM RESTAURANTE.




Outro espaço público em Bom Sucesso do Sul é a "Praça da Produção", localizada em frente à Igreja Matriz. O local é uma homenagem aos pioneiros e também aos atuais moradores do município.




Mas de todas as atrações que Bom Sucesso do Sul oferece, a que mais chama a atenção é a do Monumento Cristo da Luz. É uma réplica do Cristo Rendentor do Rio de Janeiro e tem 12 metros de altura. O acesso até a estátua é feito à pé. No local existe um mirante em madeira, de onde é possível ver toda a cidade. O município ainda atrai visitantes com a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes. Localizada na área rural a gruta é lembrada por moradores devido a vários milagres.




A Paróquia Nossa Senhora do Bom Sucesso pertence a Diocese de Palmas/Francisco Beltrão. O nome se iguala ao do município. A origem da invocação não é tão clara. A primeira notícia da Invocação da Virgem Maria, Mãe de Jesus Cristo, sob o título de Nossa Senhora do Bom Sucesso vem de Lisboa nos anos 1.600. Em Guaratuba, a igreja construída em 1.771, também tem o mesmo nome.


Céu Azul: a Capital do Oxigênio



Céu Azul é uma cidade às margens da BR-277 (Cascavel/Foz do Iguaçu). A rodovia é a divisão entre o perímetro urbano e o Parque Nacional do Iguaçu. O parque tem 112 quilomêtros de extensão, dos quais 31 às margens da estrada (Santa Tereza do Oeste até Céu Azul), e outros 81 atravessando a área rural de vários municípios entre eles, Matelândia, Medianeira e Santa Terezinha do Itaipú, até chegar as Cataratas do Iguaçu. Embora o trajeto rural tenha 81 quilômetros lineares de matas, a reserva margeia 150 quilômetros do Rio Iguaçu, uma vez que o rio é cheio de curvas.




Pelo censo realizado em 2010, Céu Azul tinha 11 mil e 32 habitantes, dos quais 2.645 na área rural. Na estimativa feita em 2021, a população cresceu para 11.872. A cidade está localizada a 47 quilômetros de Cascavel, a 93 de Foz do Iguaçu e a 225 km de Campo Mourão. A área total do município é de 1.179 quilômetros quadrados dos quais 852 são de matas nativas do Parque.




Céu Azul é chamada de "Capital do Oxigênio". Isso pelo fato do município contar com reservas florestais em 73 por cento do seu território. Quem nasce ou mora no município é denominado de "ceu azulense". Em PIB per capita ocupa a posição 25 no Paraná. Metade da cidade conta com rede de esgoto. A taxa de escolaridade de crianças entre 6 e 14 anos é de 98,4 por cento.




Céu Azul é uma cidade com ruas e avenidas no formato "quadrado". Embora a Avenida Nilo Bazzo, margeando a BR-277, tenha o calçadão, várias empresas e até mesmo a igreja matriz, ela não pode ser considerada a principal. As lojas, bancos e órgãos públicos estão distribuidos por toda a cidade. Em área urbana Céu Azul, tem 4 quilômetros de comprimento (margeando a rodovia) e em média 1 quilômetro de largura.

O TRECHO DA BR-277, EM FRENTE A CÉU AZUL, É UM DOS MAIS PERIGOSOS DO PARANÁ. É COMUM ACIDENTES COM MORTES. A rodovia, uma das mais movimentadas do Brasil, é pedagiada, mas na maior parte das cidades cortadas pela estrada, não existe pista duplicada. Céu Azul não tem viaduto de acesso a cidade. Também não tem passarela para ir da cidade ao Parque Estadual do Iguaçu, que fica do outro lado da pista.




Céu Azul conta com 345 empresas comerciais e de prestação de serviços e outras 73 no setor industrial. A cidade tem Banco do Brasil, mas não conta com agência da Caixa Econômica Federal. Na área urbana são 3.537 imóveis residenciais. Entre as maiores empresas estão o Latícinios Starmilk (produção de manteiga, ricota e queijos; I.Riedi (grãos e insumos) e MaxiSpuma (fabricante de colhões). Na agricultura os destaques são para a soja que é plantada em 21 mil hectares e o trigo com espaço de 14 mil ha. O milho ocupa 8 mil hectares. O rebanho bovino é de 16 mil cabeças. É grande a produção de frangos. O município é atendido por unidade da Cooperativa Lar, cuja sede é Medianeira.




O aniversário de Céu Azul é comemorado no dia 8 de outubro. As festividades são marcadas pela Feira do Comércio (Fecom), café colonial, apresentações dos grupos de cantos da cidade, peças teatrais e da Orquestra de Viola Caipira. Também são realizados eventos esportivos e a tradicional "Quermesse na Praça". EM ABRIL, no Parque de Exposições, acontece a Festa do Prato Típico "Leitão Desossado na Grelha". O evento é organizado pela Colônia Alemã.




Em Céu Azul, a Câmara dos Veradores é no mesmo prédio que abriga o Centro Cultural. Um dos destaques no setor de cultura é o apoio à formação dos grupos de canto e coral. A cidade conta com o Museu Municipal "Manuel Gomez Filho". No esporte, destaque para as escolinhas de volei e campeonatos municipais de futsal, volei e bocha. O jogador Deola, que atuou pelo Palmeiras, é de Céu Azul, onde nasceu em 1983.




O Parque Ecológico de Céu Azul foi instalado em uma área degradada. O local também é conhecido como Lago Municipal e Bosque "Geraldo Batista Chaves". No interior da mata tem auditório para 120 pessoas (em nossa visita estava fechado por causa da pandemia). O local foi recentemente revitalizado.




O lago do Parque Ecológico ocupa cerca de 6 mil metros quadrados. Tem pista de caminhada com iluminação em led, através de energia solar. O espaço também conta com equipamentos para crianças e pessoas da terceira idade.




Em frente à cidade de Céu Azul, às margens da BR-277, está uma parte do famoso Parque Nacional do Iguaçu. O visitante pode optar por descansar ou praticar esportes em um grande área de gramado, ou então percorrer duas opções de trilhas pela mata (é preciso agendar). No local tem uma torre de observação. Outra atração turística do município é a Gruta de Nossa Senhora de Lurdes.




Um dos "enfeites" de Céu Azul são os telefones públicos personalizados com aves, onças e outros animais. É uma referência ao Parque Nacional.




O município de Céu Azul começou a ser formado em 1952, através da iniciativa da Colonizadora Pinho e Terras. Foi desmembrado de Matelândia em 1966. A instalação ocorreu em 22 de dezembro de 1968. A princípio grupos de moradores defendiam os nomes de Ibiapó e Ivete, mas outros deram a ideia de "Céu Azul".




A Paróquia São José Operário pertence a Diocese de Foz do Iguaçu. Foi criada no dia 1º de agosto de 1952. Está localizada de frente para a BR-277 e o Parque Nacional do Iguaçu. Também é o ponto mais alto da cidade. Ao lado é a Praça "Luiz Carlos Ruaro". O espaço possui parquinho para as crianças e área para apresentações artísticas. No período natalino a praça é enfeitada e recebe os principais eventos para comemorar o Natal e Ano Novo.


Inácio Martins: Festa do Pinhão e município mais alto do Paraná



A cidade de Inácio Martins está localizada a 262 quilômetros de Campo Mourão. Integra a microrregião de Guarapuava. Em 2010, tinha 10.943 habitantes, dos quais 4.655 na área rural. Na estimativa feita pelo IBGE em 2021, a quantidade de moradores cresceu para 11.117. Quem nasce ou mora no município é chamado de "inácio-martinense". A exemplo de muitos outros municípios do Paraná, as principais atrações turísticas são as cachoeiras e grutas. Outro atrativo é a Serra da Esperança, formada na Era Mesozóica. Faz a divisa entre o Segundo e Terceiro Planaltos do Paraná.




Em área total, incluindo os setores urbano e rural, Inácio Martins tem o 45º maior território do Estado. Em PIB per capita ocupa a posição 380, entre os 399 municípios do Paraná. A taxa de escolarização de crianças entre 6 e 14 anos é de 94,5 por cento. Trinta por cento dos imóveis estão ligados à rede coletora de esgoto.




A história de Inácio Martins começa em 1892, com a chegada das famílias Schleder, Stresse e Martins. Os pioneiros foram atraídos principalmente pela madeira. O primeiro nome era "Guarapuavinha". Até 1960, foi distrito de Guarapuava e com a instalação em 25 de novembro de 1961, o nome foi substituído de Guarapuavinha para Inácio Martins. A denominação é uma homenagem ao engenheiro que administrou a instalação da linha de trem que beneficiou a localidade.




O aniversário de Inácio Martins é comemorado em 25 de novembro, mas a tradicional Festa do Pinhão é realizada na primeira quinzena de junho. O evento é recheado de atrações. Tem concurso de rainha e princesas. O baile geralmente é ao vivo com animação de grupos gaúchos. Outros atrativos são o Festival de Música "Sapecanção", rodeio e as Olimpíadas do Agricultor Familiar.




A principal praça da cidade não é da Igreja Matriz. Aliás, a Paróquia Nossa Senhora Aparecida não tem praça, apenas estacionamento (veja mais abaixo). Quando estivemos na cidade (julho 2021), estava sendo construído o chamado "Eco Parque Terra dos Pinheirais". Serão 3 lagos, parque infantil, aparelhos para ginástica e pista de caminhada. DURANTE NOSSA VISITA, CHUVA FRACA, MUITO FRIO E NEBLINA.




Inácio Martins conta com Associação Comercial e Industrial. Em todo o município são 140 empresas comerciais e de prestação de serviços. No setor industrial o cadastro registra 44 firmas. As maiores empresas estão ligadas ao setor madeireiro e erva mate. Uma das empresas é a Cavassin, especializada em móveis rústicos, utilizando 100 por cento de madeira maçica.




O maior supermercados de Inácio Martins é o "Super Stroparo", com duas lojas. A cidade tem Banco do Brasil, mas não possui agência da Caixa Economica Federal. Conta com emissora de rádio. A área com agricultura é pequena. São apenas 2.800 hectares com soja e 750 ha com milho. O rebanho bovino é de 9 mil cabeças. O feijão é plantado em 865 ha e a erva mate está em 140 ha. MAIS DE 40 MIL HECTARES SÃO DEDICADOS A PRODUÇÃO FLORESTAL.




Em Inácio Martins faz muito frio. No dia 22 de julho de 2013, a cidade amanheceu coberta de neve. O fenômeno climático começou a ser observado na noite anterior. Inácio Martins é considerada a cidade mais alta do Paraná. Está localizada a 1.202 metros acima do nível do mar. Outras fontes informam 1.198. Por isso, durante o inverno é normal temperaturas abaixo de zero. Lá também é comum que lagos fiquem congelados. NA IMAGEM ACIMA: FACHADA DO GINÁSIO DE ESPORTES "MANOEL RODRIGUES MORAES".




A exemplo do Ginásio de Esportes, a rodoviária também foi pintada em tonalidades de azul. As principais ruas e avenidas de Inácio Martins são nominadas com personalidades históricas do Brasil. Tem Dom Pedro II, Duque de Caxias, Visconde de Guarapuava, ou então Rua Sete de Setembro.




Em Inácio Martins, a comunidade ucraniana é grande. O padroeiro São Pedro é homenageado com grande festa. O churrasco é uma tradição da comemoração.




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida pertence a Diocese de Guarapuava. Foi fundada em março de 1975.


Maripá: cidade das orquídeas, peixe e arrancadão de tratores



A cidade de Maripá está localizada a 182 quilômetros de Campo Mourão. Integra a microrregião de Toledo. O nome é a abreviação de Madeireira Rio Paraná, colonizadora que também fundou as cidades de Toledo e Marechal Cândido Rondon. Quem nasce ou mora no município é chamado de "maripaense". O portal indica que a cidade é a terra das orquídeas, dos peixes e do "arrancadão de tratores".




Pelo censo realizado em 2010, Maripá estava com 5.684 habitantes, dos quais 2.422 residindo na área rural. Na estimativa feita em 2021, a quantidade de moradores caiu para 5.562. A média salarial de 2,6 mínimos mensais é a 14ª do Paraná. A taxa de escolaridade de crianças de 6 a 14 anos é de 99,6 por cento. Em PIB per capita ocupa a 20ª posição no Estado. Apesar da riqueza, apenas 30 por cento dos imóveis urbanos possuem rede coletora de esgoto. Nas duas visitas que fizemos (2019 e 2021), percebemos uma cidade limpa e bem cuidada.




Não é a toa que Maripá é conhecida como "Cidade das Orquídeas". Basta um pequeno passeio e você se depara com o cultivo em troncos de árvores localizadas nas calçadas. A iniciativa surgiu em 1993. A professora Zíria Dalchiavon, era uma das responsáveis pela organização do Desfile de 7 de Setembro, e para enfeitar o trajeto decidiu plantar as orquídeas. Foi um sucesso. A população gostou e passou a fazer o mesmo em frente às residências e na área rural. Em 1997, foi aprovada uma lei municipal concedendo à Maripá, o título de "Cidade das Orquídeas".




Em Maripá, uma das maiores cultivadoras de plantas exóticas é Lilian Szimanski, casada, proprietária do Orquidário Raio de Sol, localizado na área rural. Com os pais de origem alemã, Szimanski, chegou ao Paraná quando tinha apenas 6 anos. Eles moravam em Arroio do Meio no Rio Grande do Sul. Ao longo dos anos ela foi ampliando a variedade de plantas.




O orquidário da Dona Lilian é um dos responsáveis pela ornamentação de Maripá durante os festejos de aniversário, quando acontece a tradicional Festa das Orquídeas. Além das orquídeas, o espaço é recheado de plantas ornamentais. Lilian diz que esse tipo de planta é especial para ambientes internos e podem usar vários tipos de vasos e até em jardins de inverno. Mas ela faz um alerta. Nem todas as plantas são indicadas para ambientes fechados.




Dona Lilian vende no local, participa de feiras e exposições e a família tem uma loja em Marechal Cândido Rondon, que é especializada na venda das plantas produzidas em Maripá. Atualmente além das orquídeas, é grande a procura por suculentas, rosas do deserto e cactus.




E esse negócio de orquídea em Maripá contagiou mesmo a população. Retornando do Orquidário Raio de Sol, é normal na área rural, se deparar com a planta sendo cultivada nos troncos das árvores. Elas crescem grudadas nas árvores, mas não "sugam" seus nutrientes, ou seja, não é considerada uma parasita. Mas é claro tem uma técnica especial para fazer isso.




A prefeitura de Maripá, organiza dois grandes eventos anuais. O aniversário é comemorado no dia 17 de abril, mas as principais festas como a das Orquídeas e do Peixe, são realizadas no mês de agosto. Atraem pessoas de várias cidades brasileiras e até de outros países. De forma paralela tem venda de produtos coloniais, praça de alimentação e exposição da industria e comércio. O prato típico é a carpa assada, desossada e recheada na grelha. No segundo domingo de agosto tem Festa do Costelão no distrito de Pérola Independente. Em abril, no aniversário também são realizados eventos, entre eles o Arrancadão de Tratores, shows e exposição de flores.




O Centro de Eventos de Maripa é grande e moderno. Durante nossa visita (agosto 2021), estava fechado. É o palco da Festas da Orquídea e do Peixe. Tem uma pista asfaltada com quase 400 metros de comprimento para o arrancadão de tratores. O arrancadão é realizado em abril durante os festejos de aniversário do município. O primeiro arrancadão em 1990, aconteceu em uma avenida da cidade. Hoje a competição é oficializada pela Federação Paranaense de Automobilismo e inclui provas noturnas e outras manobras com os veículos. O espaço ainda conta com pavilhões de exposição e gastronômico.




Maripá possui três áreas de lazer. Uma delas é a Praça Municipal, também conhecida como "Praça das Orquídeas". Está localizada em frente a Igreja Matriz. É bem arborizada e com orquídeas nos troncos das árvores. Local onde os pais levam os filhos para brincar no parquinho. No espaço funciona a Casa do Artesão. Assim é possível comprar lembranças e produtos coloniais fabricados no município. Para o período natalino fica toda enfeitada com luzes e bonecos.




A 1 quilômetro da Praça Municipal foi instalada uma área de lazer e prática de esportes.




A outra área de lazer em Maripá é o Parque Municipal "Lani Bento Maria". Um enfeite no local é um relógio digital que também apresenta notícias. A exemplo das demais áreas de lazer, possui brinquedos para as crianças, academia de ginástica e pista de caminhadas com iluminação. Dependendo da época tem torneio de pesca. O nome é em homenagem a uma pioneira, empresária do setor madeireiro, que chegou em 1966, ao então distrito. Foi uma das fundadoras da Associação Comercial e Industrial e participou de várias entidades. O Parque é relativamente novo. Foi inaugurado em 2017.




Além das orquídeas, Maripá é destaque nacional pela produção agrícola e produção de frangos e peixes. A cultura da soja é cultivada em 22 mil 580 ha. O milho ocupa 21.000 ha. O município conta com 210 empresas comerciais e de prestação de serviços, além de 40 indústrias. Entre as empresas de destaque estão: C.Vale, I.Riedi, Agrifirm, Latícinios Lacto e Cassava (líder nacional na produção de amido de mandioca). A cidade é beneficiada com agência do Banco do Brasil, mas não tem Caixa Econômica Federal.




Maripá tem um projeto de inclusão digital para pessoas da terceira idade. O comércio realiza campanhas de premiação em datas especiais incluindo sorteio de motocicletas e automóvel. No setor esportivo um dos eventos mais movimentados é o Campeonato Municipal de Futebol. O estádio tem iluminação. Na área urbana, Maripá tem cerca de 1.650 imóveis residenciais. Outras 900 moradias estão na zona rural.




Maripá pode se considerar meio argentina, inglesa e alemã. É que a Madeireira Rio Paraná, que fundou a comunidade e também cidades daquela região, como Toledo e Marechal Cândido Rondon, tinha sua sede em Buenos Aires (Madeira Del Alto Paraná). A princípio resolveu investir no Oeste do Paraná, a fim de madeira e erva-mate. Ao longo dos anos a companhia fez parcerias com empresários ingleses e alemães e acabou sendo comprada por Willy Barth, que em 1953, fundou e colonizou a Vila Maripá. Até 1990 foi distrito de Toledo, Guaíra e Palotina.

CURIOSIDADE: No ano de 2021, em um terreno localizado perto da Câmara dos Vereadores, a prefeitura de Maripá instalou o "Bosque da Vida". A cada nascimento de uma criança, a família planta uma árvore no local.




A Paróquia Nossa Senhora de Fátima pertence a Diocese de Toledo. Também é forte a presença de fiéis luteranos. Tanto é assim que além do feriado municipal da padroeira (13 de maio), existe o feriado da Reforma Luterana (31 de outubro).


São Pedro do Iguaçu: cidade que surgiu com mineiros e nordestinos



A cidade de São Pedro do Iguaçu está localizada a 218 quilômetros de Campo Mourão. Pertence a microrregião de Toledo. No censo realizado em 2010, a população era de 6.491 habitantes (2.436 na área rural), mas pela estimativa de 2021, caiu para 5.745. Uma das curiosidades é que todas as ruas e avenidas têm nomes de estados e capitais. NA ESTÁTUA LOCALIZADA NA ENTRADA DA CIDADE, SÃO PEDRO "MOSTRA" UMA CHAVE EM REFERÊNCIA A "ENTRADA NO CÉU".




A principal avenida de São Pedro do Iguaçu (Geni de Souza Bongiolo), é um trecho por onde passam 3 rodovias: em uma das extremidades é saída para Toledo (PR-182) e São José das Palmeiras (PR-586). Na outra é saída para Céu Azul (PR-585) e Cascavel (PR-586). Quem está na região de Toledo e quer encurtar a distância para Foz do Iguaçu, precisa cruzar a cidade de São Pedro do Iguaçu. O trecho urbano da avenida tem 1 quilômetro em duas pistas. A rede coletora de esgoto em São Pedro do Iguaçu abrange apenas 1 por cento dos imóveis.




A cidade de São Pedro do Iguaçu começou a surgir em 1963. Os primeiros habitantes, a maioria de mineiros e nordestinos, foram atraídos pela madeira e extração de palmito. O começo foi difícil, principalmente pelos conflitos agrários que resultaram em muitas mortes. O nome (São Pedro) foi sugestão do pioneiro que construiu a primeira casa da comunidade. A residência ficou pronta no dia dedicado ao santo. Com a emancipação de Toledo em 1990, foi incluído o "Iguaçu". A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,3 por cento.




O aniversário de São Pedro do Iguaçu é comemorado no dia 16 de julho. A programação é variada com bailes, shows e gastronomia. Na ocasião é realizada a Festa do Pernil Desossado e Recheado, prato típico do município. Tem ainda a Festa do Porco no Tacho e no distrito de São Francisco é servido o "Jantar Italiano".




O Estádio Municipal de São Pedro do Iguaçu foi batizado de "16 de Julho", em referência a data de aniversário do município. Pelo que observamos é um estádio bem cuidado e movimentado. OUTRAS ATRAÇÕES - Em setembro a cidade realiza o Festival Municipal da Canção (FESPI). São várias categorias que começam a partir dos 10 anos de idade. A secretaria de cultura também incentiva a formação de corais. São vários na cidade, abrangendo todas as faixas etárias.




Em PIB per capita, São Pedro do Iguaçu ocupa a posição 205 entre os 399 municípios do Paraná. Tem 13 pequenas indústrias, 158 empresas comerciais e de prestação de serviços. Entre as empresas, destaque para o Laticínios Dom Pedro e a Spech Pré Moldados. Na área urbana estã cadastrados cerca de 1.800 imóveis residenciais. Outras 700 moradias estão localizadas na área rural. A cidade não conta com agência da Caixa, mas tem o Banco do Brasil.




A "Praça dos Nordestinos", está localizada em uma rotatória da avenida principal. São 55 metros de circunferência. O espaço é uma homenagem aos primeiros moradores da localidade. Na agropecuária destaque para a soja com 14 mil hectares e rebanho bovino estimado em 15 mil cabeças. Os agricultores são atendidos por unidades da Coamo Agroindustrial e da I.Riedi.




A Paróquia São Pedro pertence a Diocese de Toledo. Foi fundada em 8 de agosto de 1976. OBSERVE NA IMAGEM: As principais paradas de ônibus em São Pedro do Iguaçu são tubulares. Além de amenizar os efeitos do sol, também protege das chuvas. A ideia surgiu em Curitiba, mas é dificil encontrar no Paraná os pontos de ônibus com essa configuração. A grande maioria não tem nada, só mesmo um pedaço de madeira para indicação.


-

Bela vista da Caroba
Pome
Integrado

[ voltar ]