APUCARANA /

ARAPONGAS /

ASSIS CHATEUBRIAND /

ASTORGA /

ATALAIA /

BOM SUCESSO /

CIANORTE /

CIDADE GAÚCHA /

ENGENHEIRO BELTRÃO /

FÊNIX /

IBIPORÃ /

ITAMBÉ /

IGUARAÇU /

JANDAIA DO SUL /

LONDRINA /

MANDAGUAÇU /

MARIA HELENA /

MARINGÁ /

NOVA ESPERANÇA /

NOVA OLÍMPIA /

PARANAVAÍ /

PEABIRU /

QUARTO CENTENÁRIO /

QUINTA DO SOL /

ROLÂNDIA /

RONDON /

SABÁUDIA /

SÃO PEDRO DO IVAÍ /

TOLEDO /

TUNEIRAS DO OESTE /

UMUARAMA /



























   














a
-----------------------------    
----------------------
a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a
------------ 
 
A CADA DIA UMA NOVA CIDADE...EM BREVE A SUA ESTARÁ AQUI






Floresta: essa cidade
cresce a cada dia



Floresta a 61 quilômetros de Campo Mourão e a 27 de Maringá, tem 6.695 habitantes. Dentre os 399 municípios do Paraná, está na posição 169. A taxa de escolarização de crianças entre 6 e 14 anos é de 99 por cento e conta com 20 por cento de rede de esgoto. Foto: igreja matriz.




Floresta foi fundada pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, a mesma de Maringá, Cianorte, Londrina e Umuarama.

A cidade começou a ser formar em 1951, quando Fukumatsu Kimura, japones de origem, instalou a primeira serraria.

Muitos pensam que o nome "Floresta" se deve as grandes áreas de mata na época. Na verdade, "Floresta", era o nome das serrarias do Kimura, a primeira delas instalada em 1920 em Batatais no Estado de São Paulo. Foi então, uma homenagem à família Kimura. Foto: Jardim Japonês, perto da igreja matriz.



Chama a atenção a grande quantidade de novos loteamentos e construções. É um contraste com a maioria dos municípios, onde se observa imóveis fechados e praticamente sem obras. Com certeza, é uma cidade que cresce a cada dia.





Uma das mais novas avenidas em Floresta, surgida com o crescimento dos loteamentos e novas residências.





Moradores e comerciantes nos informaram que essas obras, principalmente residências, são de pessoas de Maringá, que escolheram Floresta para morar. Tem ônibus circular entre as duas cidades. Foto: obra do novo templo da Assembleia de Deus (fevereiro de 2019)




No canteiro central de uma avenida, a prefeitura construiu uma quadra de bocha. Tornou-se um dos locais mais frequentados aos finais de semana.

O município tem o prato típico "Leitoa Grelhada Dupla Face", que acontece no começo de junho.

Em novembro, período do aniversário acontece a "Expoesta", no Parque de Exposições.




Acima, vista parcial da praça da Paróquia Nossa Senhora do Rosário. A paróquia pertence a diocese de Maringá.




Interior da igreja de Floresta. Um padre está sepultado no subsolo, embaixo do altar. É uma das poucas igrejas que tem acesso especial de cadeirantes, ao altar.




O padre de Floresta é o haitiano, Onac Axenat. Tem 40 anos (fevereiro de 2019). Há 5 anos, administra a paróquia. Realizou várias melhorias no templo (incluindo acesso de cadeirantes ao altar). Ele fez questão de lembrar que o Bispo de Campo Mourão, D. Bruno, foi ordenado em Floresta.







17/02/2019


FALECIMENTOS

Faleceram no sábado, 16, em Campo Mourão, Hugo Gabriel Pereira dos Santos, 12 anos (fazia tratamento de saúde em São Paulo); José Osni Galvão, 53; Isaura Gonçalves da Silva, 67. Velórios no Prever. Sepultamentos neste domingo, 17.


NÚMEROS - No sábado, 16, a temperatura máxima em Campo Mourão foi de 27 graus. Choveu 25 milímetros.



Colégio Vicentino Santa Cruz
comemora 69º aniversário



O Colégio Vicentino Santa Cruz comemorou no dia 14 de fevereiro o 69º aniversário de atuação em Campo Mourão.

Como uma comunidade unida, ética e atuante, estamos juntos esperando a comemoração dos 70 anos, com muita alegria e comprometimento com a educação.

Somos uma Escola Católica e Vicentina. Isso significa dizer que o modo como assumimos a missão educativa encontra seu fundamento e inspiração no carisma religioso que nos é próprio.

No centro do mesmo está o projeto do Reino de Deus, vivido e pregado por Jesus de Nazaré, e igualmente assumido por nossos Fundadores, Vicente de Paulo e Luísa de Marillac.

O carisma vicentino brotou do modo como eles, em seu tempo histórico, testemunharam sua experiência de fé, particularmente pelo amor-serviço afetivo e efetivo aos mais pobres.

Hoje, buscamos atualizar esse carisma, promovendo uma educação integral e de qualidade.

A ação educacional assumida na perspectiva confessional, especificamente para nós de cunho cristão-católico, se caracteriza por fundamentar o processo de ensino-aprendizagem em um conjunto de valores pautados nas experiências fundantes de um carisma religioso.

Essa dimensão não tem como finalidade definir conteúdos programáticos, nem ferir a autonomia da ciência e da técnica, mas permite imprimir transcendência ao projeto educativo, estabelecendo balizas antropológicas, éticas, pedagógicas que orientam nossas práticas e as relações construídas no ambiente educativo.

Com a parceria com o Sistema Anglo de Ensino e com as Editoras FTD, Moderna e Ática, as iniciativas contemporâneas de aprimoramento do processo educativo tomam força e fazem do nosso Colégio Vicentino Santa Cruz um lugar aconchegante de estudar, no qual nossos estudantes são cuidados e levados a descobrir suas potencialidades para, no futuro, exercerem os lugares sociais como atores responsáveis pela vida de seus semelhantes.

No Santa é assim: com 69 anos de atuação, ajudamos o futuro sonho de nossos estudantes a se consolidar, ajudando-os a elaborar o projeto de vida que fará a diferença. Isso é educação. Isso é projeto de vida.







16/02/2019


FALECIMENTOS

Faleceram na sexta-feira, 15, em Campo Mourão, Maria Aparecida da Silva, 50 anos e Oswaldo Leite de Andrade, 89. Velórios acontecem no Prever.


FIM DO HORÁRIO DE VERÃO - Odiado por uns, amado por outros, o horário de verão chega ao fim neste domingo, 17. Isso significa dizer que à meia-noite de sábado, 16, para domingo, o relógio deve retornar para 23 horas. A medida começou a valer em 4 de novembro.


COTAÇÃO - Soja R$ 70,00. Milho R$ 30,30. Trigo R$ 50,00; Café - R$ 6,14; Boi gordo R$ 153. Feijão Carioca (ausente)


NÚMEROS - Na sexta-feira, 15, a temperatura máxima em Campo Mourão foi de 26 graus. Choveu 10 milímetros. Rajadas de ventos de 50 a 60 quilômetros por hora entre 13h e 16 horas.


ASSEMBLEIA - A Coamo teve crescimento de 33,6% na receita global em 2018 em relação ao ano anterior. A sobra líquida foi de 800 milhões 380 mil.

Os resultados foram apresentados nesta sexta-feira (15), na Assembleia Geral Ordinária.

O rateio das sobras será pago na segunda-feira (18). O resultado do ano foi o melhor da cooperativa em relação as receitas globais, que totalizaram R$ 14,80 bilhões.







Iretama: cidade que surgiu
do sonho do fundador



Iretama está localizada a 61 quilômetros de Campo Mourão. Tem 10 mil 622 moradores, dos quais 6.121 moram na área rural. Ocupa a posição 182 entre os 399 municípios do Paraná. A taxa de escolarização das crianças de 6 a 14 anos chega a 99 por cento. Tem 20 por cento de rede de esgoto. As primeiras ruas começaram a surgir em 1954. Iretama significa "Colmeia".




Desmembrado de Campo Mourão, Iretama passou a ser município em novembro de 1961. Relatos históricos dos pioneiros, dão conta que em 1951, o empresário da cafeicultura Jayme Watt Longo, residente em São Paulo capital, estava em Apucarana negociando café, quando foi procurado por um corretor oferecendo terras. Não se interessava por terras; seu interesse era somente o café. Numa noite, sonhou que estava sobrevoando a gleba oferecida. Movido pela curiosidade, passou de avião pelo lugar. Entusiasmado foi ao Governo do Estado em Curitiba e comprou a Gleba, com a extensão de 32.000 alqueires. Uma semana após iniciou a titulação.




Iretama fica cercada de montanhas. Nem subindo no ponto mais alto da cidade, que é um loteamento novo, onde ficam as torres da repetidora da Rede Globo, saída para Roncador, foi possível fotografar a cidade.




Iretama ainda tem muitas casa de madeira, acho que quase metade das moradias. Várias ruas são pavimentadas com paralelepípedos.

A cidade conta com lotérica que realiza serviços da Caixa.

Tem serviços do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Cresol.

A atração turística é o Resort Termas de Jurema, que recebe visitantes do Brasil e do Exterior, um dos maiores do País. A água é classificada como mineral natural hipertermal alcalino-bicarbonatada fluoretada sulfurosa, com temperatura de 42°C, sendo indicada para doenças da pele e reumatológica. O resorte está localizado a 17 quilômetros da cidade e o acesso é feito pela BR-487 (Campo Mourão - Guarapuava).

O município também realiza a Expomeia, exposição com shows e barracas em julho, na semana do aniversário.




Paróquia Santa Rosa de Lima, pertence a diocese de Campo Mourão.






15/02/2019


FALECIMENTOS

Altamiro Marinho de Moraes, 87 anos. Velório no Prever. Sepultamento dia 15.

Tereza Conceição dos Santos, 60 anos. Velório no Prever. Sepultamento dia 15.

Zulmira Citoline Affonso, 78 anos. Velório no Prever. Sepultamento dia 15.


CONFIRMADO - MORADORA DO JARDIM FLORA É A PRIMEIRA VÍTIMA DA DENGUE EM CAMPO MOURÃO. Campo Mourão tem ainda outros quatro casos suspeitos cujos exames estão em análise. O setor de endemias fez bloqueio no bairro. Campo Mourão tem um alto risco de epidemia de dengue...


COTAÇÃO - Soja R$ 70,00. Milho R$ 30,30. Trigo R$ 50,00; Café - R$ 6,14; Boi gordo R$ 153. Feijão Carioca (ausente)


NÚMEROS - Na quinta-feira, 14, a temperatura máxima em Campo Mourão foi de 28 graus.







São João do Caiuá



São João do Caiuá está a 176 quilômetros de Campo Mourão, via Maringá e 188 quilômetros via Cianorte. Em ambos os casos é preciso chegar até Paranavaí. O município tem 5.911 habitantes. A taxa de escolarização de 6 a 14 anos é de 95 por cento. A economia do município está na posição 347 dos 399 do estado. Quarenta e dois por cento da cidade tem rede de esgoto.




A exemplo de Maringá, Cianorte, Umuarama e tantas outras cidades, São João do Caiuá teve origem em 1951 com a criação de um patrimônio formado pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná. O nome inicial foi São João do Paraíso. Como no Brasil, existia outra localidade com nome parecido, ficou São João do Caiuá, em homenagem a São João Batista, nome da primeira capela. Foi distrito de Nova Esperança e depois de Alto Paraná.




A Paróquia São João Batista pertence a diocese de Paranavaí.

A economia do município é movida principalmente pela Usina Santa Terezinha.

Uma das atrações na cidade são os rodeios, tendo inclusive um parque municipal para o evento.

Apesar de uma cidade pequena, conta com Associação Comercial.

A maior parte dos prédios na área central foram construídos nos anos 60 e 70.

Tem estádio com arquibancada e iluminação

Tem uma pequena lotérica (Rua Souza Naves) que oferece serviços da Caixa. Também tem agência do Bradesco.



14/02/2019


FALECIMENTOS

NÃO FORAM REGISTRADOS FALECIMENTOS NA QUARTA-FEIRA


MAIS UMA RÁDIO - A partir do dia 1º de março entra no ar a Rádio T de Paranavaí. Será na frequência FM de 99.1. A cidade que já recebia o sinal da rede pela emissora de Campo Mourão, contará com programação jornalística local.


COTAÇÃO - Soja R$ 70,00. Milho R$ 30,00. Trigo R$ 50,00; Café - R$ 6,31; Boi gordo R$ 153. Feijão Carioca (ausente)


NÚMEROS - Na quarta-feira, 13, a temperatura máxima em Campo Mourão foi de 27 graus. Choveu 1 milímetro. Hoje (14), durante o dia previsão de céu parcialmente nublado. Pode chover no período da noite. Amanhã sexta-feira tem pevisão de chuvas. Máxima de 28 graus.



Luiziana: uma emancipação polêmica



Luiziana a 32 quilômetros de Campo Mourão, tem 7 mil 315 habitantes. O município foi criado em 25 de setembro de 1987, e instalado em 1º de janeiro de 1989. Até então era distrito de Campo Mourão. O aniversário é comemorado em 25 de setembro. O povoado começou a ser formado em 1947. Foi elevado a condição de distrito em 1965.

O nome Luiziana, é homenagem a Luiza e Maria Luiza, mãe filha do fundador da localidade, Adauto da Silva Rocha.




Embora em população fique na posição 239 do Paraná, a economia baseada na agricultura (soja, milho e trico), coloca Luiziana em 110º no rankig dos mais ricos do Estado. Apenas 3 por cento da cidade tem rede de esgoto. A taxa de alfabetização é de 98 por cento.




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida, pertence a diocese de Campo Mourão.

Luiziana serve o prato típico "Boi na Brasa". Outra tradição é o costelão gigante realizado no ultimo domingo de agosto na comunidade rural da Campina do Amoral (a 20 quilômetros da cidade).

A principal avenida e entrada da cidade é a "Independência". Tem 3 quilômetros e corta toda a cidade.




A emancipação de Luiziana no final da década de 80 foi polêmica. O projeto foi apresentado pelo então vereador Nelson Tureck, contabilista no distrito.

O prefeito José Pochapski, era contrário, mas Campo Mourão acabou com uma uma área territorial menor que o seu distrito. Luiziana ficou com 908 quilometros quadrados de terras férteis, contra 757 quilômetros do município "mãe"

Em Campo Mourão era difícil encontrar alguém favorável a emancipação.

Foram muitos debates em rádio, brigas e discussões na Câmara.



13/02/2019


FALECIMENTOS

João Sérgio Kffuri, 73 anos. Empresário do ramo imobiliário e ex-vereador. Velório no Prever. Sepultamento dia 13.


BOA NOTÍCIA - Campo Mourão e a região seguem sem registro de casos de dengue ao longo de 2019. O novo relatório foi divulgado nesta terça-feira, 12.


COTAÇÃO - Soja R$ 69,00. A soja chegou a ser cotada a 69 e 50 no período da manhã, mas voltou aos 69 na cotação da tarde. Milho R$ 30, 00. Trigo R$ 50,00; Café - R$ 6,31; Boi gordo R$ 153. Feijão Carioca (ausente)


NÚMEROS - Na terça-feira, 12, a temperatura máxima em Campo Mourão foi de 25 graus. Choveu 33 milímetros. Rajadas de ventos chegaram a 62 quilômetros por hora.



Altamira do Paraná:
cidade com charme




Pelo censo de 2010, Altamira do Paraná, tem 4.306 habitantes, mas pela população estimada em 2018, deve estar com 2.209 moradores. Essa diferença não agradou por lá, pelo menos com quem nós conversamos. "A cidade melhorou muito em 10 anos, e o IBGE vem dizer que perdemos metade da população", comentou um morador. Altamira do Paraná, esta localizda a 128 quilômetros de Campo Mourão.




O nome Altamira significa "que vem do alto". Só que esse não é o caso. A denominação da cidade é uma homenagem da colonizadora Codal a Altamira do Pará. Em 15 de junho de 1983, o local conhecido por Altamira, ampliou para Altamira do Paraná, porque já existia um município no Pará com o mesmo nome. Até fevereiro de 1983, era distrito de Palmital.




De uma ponta da cidade, onde está a Coamo (vindo de Campina da Lagoa) até a saída para Laranjal, são 2 quilômetros e meio. A maioria das ruas são em curva. Além disso, o relevo tem altos e baixos. Essa duas situações dão um charme especial para a cidade, que tem ruas bem conservadas e sinalizadas. A foto acima é uma das poucas retas que tem por lá.




Altamira do Paraná tem lotérica, Banco Cresol, correspondentes Banco do Brasil e Bradesco, Hospital Municipal, Parque do Lago. O prato típico é o Carneiro Recheado e foi incluído no calendário estadual, inclusive com incetivo do governo do Paraná, fato raro entre os municípios. Por lá, a virada do ano também é diferenciada e atrai grande público, até de cidades vizinhas.




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Altamira do Paraná, pertence a diocese de Guarapuava. Sempre no dia 12 de outubro, acontece grande a festa da padroeira. No evento tem peregrinação da imagem da santa pelas comunidades rurais. Uma das atrações é a churrascada com leilão de gado e prêmios.



Ivatuba: cidade sede de
Universidade Adventista



Ivatuba de apenas 2.796 habitantes (870 na área rural), está localizada a 82 quilômetros de Campo Mourão e a 32 de Maringá. As primeiras casas foram construídas por volta de 1949, assim que o loteamento foi lançado pela empresa Grasso e Mazzucco. Em 1951, já funcionava a primeira cerâmica. Até 1961 foi distrito de Maringá. O nome Ivatuba significa "pomar" na lingua tupi.




Ivatuba, é destaque pela qualidade de ensino nas escolas da rede estadual, ficando em 1° lugar do Paraná no índice de avaliação do MEC, em 2007. É sede do Instituto Adventista Paranaense (foto acima),



Tendo o Rio Ivaí, bem pertinho, Ivatuba tem vários condomínios em formato de chácaras. Famílias moram alí, às margens do rio, ou construiram moradias para lazer. São casas de alto e médio padrão.



Embora fique em uma área rural, o acesso é todo pavimentado com pedras (paralelepípedo), ou seja pode chover, que você vai passar.



A paróquia Nossa Senhora do Rocio, pertence a diocese de Maringá.

Ivatuba tem hospital municipa.

Conta centro cultural em bonito prédio.

Casas de madeiras bem conservadas ao lado de residência modernas.

Talvez por estar muito perto de Maringá, e não ter pedágio (praça fica antes em Floresta), a cidade não dispõe de muitas empresas e bancos. De Ivatuba até a PR-317, são 19 quilômetros, e dalí mais 13 está em Maringá.




Ivatuba é sede do Instituto Adventista Paranaense (IAP), uma universidade com vários cursos superiores.




O Instituto está localizado na área rural. Prédios modernos, uma igreja e extensa área de bosques e plantações.






No local moram professores e estudantes em acomodações apropriadas. O Instituto tem a Orquestra de Sinos que faz apresentações pelo Paraná.



Cruzeiro do Sul: cidade dos ovos



Cruzeiro do Sul tem 4 mil 489 moradores. Está localizado a 150 quilômetros de Campo Mourão e a 67 de Maringá. Até 1956, foi distrito de Nova Esperança. A denominação “Cruzeiro do Sul”, foi dada pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, para diferençar do município de Cruzeiro do Oeste.




É predominante no Município as pequenas propriedades que se destacam pela diversificação da produção agropecuária. O solo é de areia. Tem mais de 20 granjas para a produção de ovos. Um dos maiores produtores de ovos do Paraná. A empresa que mais emprega é a Destilaria São José. Uma atração na cidade é o Parque Ecológico dos Pioneiros.




A paróquia São Judas Tadeu, pertence a diocese de Maringá.

Cruzeiro do Sul tem casa lotérica que oferece serviços da Caixa Econômica e posto de atendimento do Banco Itaú.

Residências modernas se misturam com moradias de madeira dos anos 60 e 70.

O comércio não tem lojas de rede, mas as empresas locais são variadas e oferecem quase tudo.

Alguns estabelecimentos comerciais, principalmente os bares estão em construções bem antigas.

Nos quintais muitas árvores frutíferas.



Palmital: difícil é encontrar palmito



A 180 quilômetros de Campo Mourão e 66 de Pitanga, o município de Palmital tem 13 mil 389 habitantes. Até 1963 foi distrito de Pitanga. O nome foi em razão da existência de grande quantidade de palmito. Hoje é raro encontrar esse alimento por lá.




Palmital tem uma bonita praça central dotada de equipamentos para atividades da terceira idade e a prática de esportes.

Palmital não conta com lojas de rede nacional, mas tem correspondentes do Banco do Brasil e Itaú. Através da casa lotérica oferece vários serviços da Caixa Econômica.




O templo da paróquia ucraniana São Miguel Arcanho em Palmital, está localizada em uma área rural conhecida como "Vila Burey", às margens da PR-456 que liga o município a Pitanga.

A área rural de Palmital é baseada na pecuária leiteira e corte. tem várias cachoeiras, grutas e até cavernas, mas por enquanto não são vistas como áreas turísticas, pois ficam em propriedades particulares. Por lá tem muita amora para a crianção do bicho-da-seda.




A paróquia Imaculada Conceição pertence a Diocese de Guarapuava.




Palmital tem uma extensa pista para pedestres e ciclistas margeando a principal rodovia que dá acesso a cidade.

Praticamente todas as ruas e avenidas são asfaltadas.



Início das aulas no Colégio
Vicentino Santa Cruz



O Colégio Vicentino Santa Cruz recebeu os novos estudantes 2019 com atividades diferenciadas, na sexta-feira (01/02).

Neste dia de adaptação escolar, todos conheceram os espaços do colégio, assim como os diferenciais da instituição e tiveram contato com os alguns dos professores e profissionais que fazem parte dos serviços exclusivos do Santa Cruz.

Já, no primeiro dia de aula (04/02), os estudantes tiveram uma recepção diferente no retorno às aulas. Participaram de atividades lúdicas coletivas com seus professores, o que proporcionou acolhimento, interação e aproximação entre estudantes e educadores.

Nosso jeito Vicentino de Educar é afetivo e efetivo.



Mamborê: cidade da
Leitoa Mateira



Com um portal polêmico em forma da letra "M", estamos chegando em Mamborê. A cidade está localizada a 38 quilômetros de Campo Mourão. Tem 13 mil 961 habitantes. A polêmica do portal, é que agricultores reclamam que fica dificil passar certas máquinas agrícolas. É preciso fazer malabarismo na pista e fora da pista, principalmente colheitadeira. Já foi mais apertado..




Até 1960, Mamborê foi distrito de Campo Mourão. As primeiras famílias começaram a chegar por volta de 1940, atraídas pela prosperidade da erva-mate. Mamborê em tupi-guarani significa "muito longe".




Mamborê é a terra da "Leitoa Mateira", prato típico do município, e cuja festa atrai mais de 2.200 pessoas. O prato tem origem histórica na exploração da erva-mate. O tempero da leitoa é guardado em segredo.




Um dos pontos de encontro da população é o Parque do Lago. Tem 135 mil metros qudrados. Leva o nome do ex-prefeito Armando Alves de Souza, o "Armadinho", que morreu em acidente, no exercício do mandato em abril de 2002, quando seguia para Curitiba. O carro colidiu de frente com um caminhão perto de Guarapuava.




Mamborê tem casa lotérica, e serviços do Bradesco, Caixa e Banco do Brasil. É sede de comarca.

Mamborê é a cidade Natal de uma das cantoras da dupla "As Marcianas". Gelcina Camargo da Silva, a Geizebel, gravou o primeiro disco com 8 anos de idade.




A Paróquia Imaculada Conceição, pertence a diocese de Campo Mourão.

Pouca gente sabe, mas na comunidade do Gavião (segue pela PR-471, estrada de terra para Campina da Lagoa) tem a igreja subterrânea Sagrado Coração de Jesus.



Tamboara: irmã de
Engenheiro e Francisco



Tamboara fica a 143 quilômetros de Campo Mourão e 20 quilômetros de Paranavaí. Tem 5 mil e 80 moradores. Foi distrito de Paranavai até 1954. A denominação "Tamboara", é da lingua Tupi. Era o nome de um cacique que habitava a região.




Na época do café o município chegou a ter 12 mil habitantes. Hoje a paisagem rural é marcada por pastagens. O número de bovinos é quase 4 vezes maior que o de moradores.




A Paróquia Santo Antônio de Pádua pertence a diocese de Paranavaí.

Tamboara foi fundada pela mesma colonizadora responsável pelos municípios de Engenheiro Beltrão e Francisco Beltrão.

Tem hospital municipal.

Segundo alguns moradores, é comum encontrar nas ruas e quintais o Tamanduá-Mirim.

Lá também aparecem pés de cana de açucar com até 7 metros.

Tamboará conta com casa lotérica que oferece serviços da Caixa.






JURANDA - Em Juranda os trailers de lanches, ficam juntos, no centro da cidade, em área coberta. Vai que chove!! Clique aqui e veja mais situações, curiosas, engraçadas e inovadoras que encontramos no meu Paraná.



Pitanga: a mãe de
Campo Mourão



Pitanga está localizada a 110 quilômetros de Campo Mourão. Mas além de percorrer essa distância, para chegar lá é preciso subir 322 metros.

Pitanga é bem "altinha", algo em torno de 950 metros acima do nível do mar. Fica a 85 quilômetros de Guarapuava. A cidade é rodeada de morros.

Habitantes: 32.638
No Paraná: 48º
No Brasil: 943º

Economia:

No Paraná: 202º
No Brasil: 1488º

Salário médio do trabalhador

Paraná: 116º
No Brasil: 1368º

Rede de esgoto:

No Paraná: 170 (35%)
No Brasil: 2885º

Arborização:

No Paraná: 170º
No Brasil: 1370º


Mortalidade infantil:

10.2 por 1.000

Taxa de escolarização de 6 a 14 anos: 99%




Distrito de Guarapuava, Pitanga virou município em 1943, mas o povo chegou lá bem antes, por volta de 1914. Até 1947, Campo Mourão foi distrito de Pitanga. Por isso o título de "mãe de Campo Mourão". O nome é o fruto da Pitangueira.



A Paróquia Santa Ana, é a Igreja Matriz (foto).

O que pouca gente sabe é que em 1923, aconteceu em Pitanga uma revolta dos índios. Como vinham perdendo terras para os colonos, eles atacaram Pitanga, dançaram na Igreja que depois foi incendiada. Este ataque resultou na morte de um casal de moradores.





Com forte tradição ucraniana o templo da Paróquia Nossa Senhora da Glória é uma das atrações da cidade. A paróquia existe desde 1952, mas templo foi construido entre 1974 e 1981.

Se quiser fazer curso superior, tem campus da Universidade Estadual do Centro-Oeste, Instituto Federal do Paraná e Faculdade de Ensino Superior do Centro do Paraná, além do Centro Estadual de Educação Profissional de Pitanga.

Pitanga conta com um marco que institui a cidade como centro do Paraná.

O município tem indústrias madereiras e de papelões, além da agricultura e pecuária.

A cidade é bem servida de agências bancárias, lojas e supermercados. Quem passar por lá com destino a Guarapuava pode experimentar o Chalé Colonial que serve lanche, almoço e jantar.

Em Pitanga estão em obras a pavimentação asfáltica até Mato Rico e também um hospital regional.

A cidade conta ainda com um clube de jipeiros e o grupo de carros antigos chamado de Pé de Bode.


Santo Antônio do Caiuá: uma
viagem aos anos 70



Santo Antônio do Caiuá tem 2.722 habitantes. Figura entre os 20 menores do estado. Caiuá provém do guarani "o que habita os montes". Também é uma variação do nome dos índios guaranis da margem esquerda do Rio Paraguai, chamados Caiuás. O município localizado a 190 quilômetros de Campo Mourão, faz divisa com o Estado de São Paulo, na altura do município de Teodoro Sampaio.




Santo Antônio do Caiuá tem apenas 20 ruas. A principal é a avenida São João com 1 quilômetro. Tem Hospital Municipal. A cidade tem muitas árvores, porém não segue um padrão de arborização. Na mesma quadra árvores de vários tamanhos. Grande parte das construções ainda remete aos anos 60 e 70, embora a maioria tenha sido reformada. São vários imóveis de madeira. É como se você tivesse voltado aos anos 70.




Quem estiver por lá e quiser fazer uma fézinha. Sem problemas. Tem a "Casa Lotérica da Chica". Tem calçadão com bancos de concreto. Conta com posto de atendimento do Bradesco




Paróquia Santo Antônio de Pádua.

A cidade tem Carnaval de Rua, organizado pela prefeitura. Vários blocos participam. É considerado como familiar, pois no evento estão pais, filhos e até os avós. Pois é, até o Carnaval é tipo "anos 70".



Os tempos não mudaram. Fomos nós que mudamos



De Altamira do Paraná até Laranjal não tem asfalto. São 34 quilômetros de pedras irregulares, barro, poeira, muitas curvas, subidas e é claro as descidas. A estrada é estreita e todo cuidado é pouco. Média de 35 quilômetros por hora e mais de uma hora para chegar ao destino.




Mas vale a pena. A paisagem é bonita, desde que você não se irrite com uma pedra espirrando na lataria do carro.




O negócio é o seguinte: passando por essa estrada, a gente percebeu que os tempos não mudaram. Fomos nós que mudamos. Alí tá quase tudo do jeitinho que o nosso avô e bisavô deixaram. Tá certo, tem uma casa de alvenaria no meio da fazenda, mas tem ainda aquelas residências de madeiras com chaminé. Dá pra ver de longe.




Gente...!! Tinha um senhor tocando boi e correndo atrás do bezerro. A última vez que eu ví isso foi.....Ah...1973...




As fotos não conseguem captar o que a gente vê alí ao vivo. A imagem fotográfica não consegue dimensionar as alturas. Tem aquele cheiro de mato




Mas, foi quase chegando em Laranjal que lembrei mesmo da minha infância. As duas crianças com vara de pescar. Não resisti e perguntei: - o rio é perto???. O maior responde: - é naquela baixada lá na frente. MEU DEUS!! NENHUM DOS DOIS TINHA CELULAR. E se acontecer alguma coisa????



Janiópolis: já teve 35 mil habitantes



Janiópolis, está localizada a 44 quilômetros de Campo Mourão, município do qual foi distrito. Tem 6.523 moradores. A comunidade foi batizada de Pinhalzinho. Em 1961, virou município e trocou de nome para Janiópolis, em homenagem ao presidente Jânio Quadros.




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida pertence a diocese de Campo Mourão.

Acredite. Em 1975, o município chegou a ter cerca de 35 mil habitantes. Mas aí veio aquela geada negra e acabou com os cafezais e muita gente foi embora.

A cidade conta com agência do Banco do Brasil.




A festa do aniversário é dia 18 de novembro, e acontece com o prato típico do município: Leitoa Fuçada. Ocorre que essa festa de vez em quando não é realizada ou os eventos são reduzidos dependendo da situação financeira do município.

Um fato que o morador de Janiópolis não esquece é a chacina ocorrida na madrugada de 15 de abril de 2012. O rapaz em um carro atirou em um grupo de pessoas que estava perto de uma lanchonete e matou quadro delas, incluindo uma grávida



Existem dois caminhos
para você chegar em Inajá



Inajá, está localizada a 200 quilômetros de Campo Mourão, e apenas 20 km da divisa com o Estado de São Paulo. Você chega lá por asfalto via Paranacity ou por terra e areia via Santo Antônio do Caiuá. Fiz a segunda opção, pois já estava mesmo ali, e eram só 20 quilômetros. O problema é que choveu forte bem no meio do trecho. Se a estrada fosse só lisa, tudo bem, o carro tem controle de tração e controle de estabilidade. Mas, sabe aquele barro em que metade das rodas fica enterrada? Pois é...A frente do veículo foi empurrando barro como se fosse uma motoniveladora. Quando saia do barro caia nos buracos...




O trecho foi aventureiro. E faltando 5 quilômetros a estrada melhorou, a chuva passou e fui brindado com "boas vindas". Parei um pouco. Nisso passa um sitiante da região com uma super picape, e olhando para o meu carro enlameado, perguntou: o senhor errou o caminho??? Respondi que não, só pensei que não iria chover. O agricultor então falou: "é que nos mapas, essa estrada está como asfaltada, políticos só prometem" !!!




Inajá tem 2.988 habitantes. Está entre os 20 menores do Paraná.

O nome é devido a existência de palmeiras da espécie Inajá, quando o patrimônio foi fundado nos anos 50.

Tem posto de atendimento do Bradesco e casa lotérica.

A agência dos Correios fica no mesmo prédio da Câmara (Câmara em cima, correios embaixo).

Tem o mercado "Pára-Raio"



Farol: município da água santa



Ex-distrito de Campo Mourão, Farol, está com 3.139 moradores. É um dos 40 municípios menos populosos do Paraná. Mas, a média salarial por lá está entre os 80 e o PIB entre os 40. Não tem rede de esgoto. Metade das ruas tem asfalto.




As primeiras casas surgiram lá entre 1941 e 1943. O povoado ganhou o nome de Pinhalão. Virou distrito em 1955. Como já existia uma localidade com o mesmo nome, passou a se chamar "Encruzo do Farol", "Farol do Oeste" e depois resumiram tudo para "Farol". Escolheram esse nome por que ali por perto tinha um cruzamento de estradas que ligava Campo Mourão e Boa Esperança e as placas eram fluorecentes. Foi elevado a município em 1991 com a instalação em janeiro de 1993.




A avenida Paraná (foto), a principal da cidade, tem 1 quilômetro. Nessa via tem lotérica, agência dos correios e também o "Xaropinho Lanches". Seguindo pela avenida Paraná, no sentido a Campo Mourão, você sai em uma estrada que leva a Capela Ucranina Nossa Senhora do Patrocínio (3 quilômetros da cidade)




A Paróquia Santo Antônio de Farol, pertence a Diocese de Campo Mourão.

Em Farol é feriado municipal em 11 de maio, dedicado ao Dia do Evangélico. A data foi escolhida porque nesse dia em 1975, foi fundada a Igreja Presbiteriana Renovada, a primeira denominação evangélica no município.




Perto do trevo de acesso a cidade, às margens da BR-272 que liga Campo Mourão a Goioerê, existe o Parque das Flores. Tem 110 mil metros quadrados. O lago tem mais ou menos 200 metros de comprimento por uns 90 de largura. Conta com pista de caminhada, parque infantil e quiosques.

O prato típico de Farol é o Pernil a Pururuca.

A cerca de 8 quilômetros da cidade, por estradas rurais, vamos encontrar a "Água da Fonte". O local é considerado sagrado. Lá tem uma bica dágua, que os fiéis acreditam ser milagrosa.







BOM SUCESSO - Ainda é possível encontrar no Paraná, principalmente no norte e noroeste, os reflexos da geada negra de 1975 que dizimou os cafezais e provocou desemprego em massa, gerando grande êxodo rural e também urbano. Clique aqui e veja mais situações, curiosas, engraçadas e inovadoras que encontramos no meu Paraná.



Paraíso do Norte: tem até restaurante no bosque



A 131 quilômetros de Campo Mourão, na região de Paranavaí, Paraíso do Norte é um município com 13 mil 631 moradores. Tem um dos menores índices de mortalidade infantil do Paraná, com 5 óbitos por 1.000 nascidos vivos. O nome foi dado pelo fundador do município que considerva o local como um verdadeiro paraíso.




Antes da geada de 1975 que acabou com os cafezais do Paraná, Paraíso do Norte tinha cerca de 20 mil habitantes. Em 1979, foi criada a Cooperativa Agrícola Regional de Produtos de Cana (Coopcana), o que resultou no aumento de IDH e PIB do município.




O Lago Leste é o ponto de encontro da população. Com um detalhe: é permitida a pescaria, mas tivemos a informação que pouca gente vai lá porque não dá muito peixe não. O local é bonito com área de estacionamento, pista para caminhada e quiosques para um churrasco. Não tem lanchonete. Como aconteceu em Campo Mourão, assim que o parque foi inaugurado, a área ao redor foi ocupada por loteamentos e residências.




Paraíso do Norte também tem um bosque na área central com restaurante. (foto acima).

O prato típico é Leitoa Desossada à Pururuca. A festa acontece em setembro.

Lá também tem o "Paraíso do Rock", um festival independente.

Tem Banco do Brasil, Bradesco, casa lotérica, faculdade particular local (FAPAN), rádio (Morena FM), hospital, bons hotéis. É sede de comarca.




Paróquia Nossa Senhora Aparecida, pertence a diocese de Paranavaí.



Boa Esperança: já foi
Barreiro do Oeste



Boa Esperança, a 57 quilômetros de Campo Mourão, surpreende pelos detalhes que demonstram o cuidado da administração pública pela cidade. A começar pela arborização, que segue um padrão que não interfere na iluminação, não representa grandes riscos de cair com temporais e é claro embeleza as vias públicas.




Com 4 mil 165 moradores, Boa Esperança, tem áreas de lazer bem conservadas, quebra-molas com elevação para passagem de pedestres e semáforos onde é preciso.




Mas os elogios não terminam. É bem sinalizada na horizontal e vertical. E outro detalhe: é difícil encontrar buraco. O tipo de asfalto é o mesmo utilizado em rodovia. A taxa de escolarização é de 99 por cento. Mas, como nem tudo é alegria, o índice de mortalidade infantil chega 18 por 1.000 nascidos vivos, é o 4º mais alto na região de Campo Mourão. Nem 1 por cento da cidade tem rede de esgoto.




No início Boa Esperança chegou a ser chamada de Barreiro do Oeste, por causa das estradas que ficavam intransitáveis devido as chuvas. Através de Lei Estadual de 6 de março de 1964, sancionada pelo governador Ney Braga, foi criado o município, porém com denominação alterada para Boa Esperança, e instalado oficialmente em 14 de dezembro de 1964. O nome foi alterado, demonstrando o otimismo dos colonizadores, que previram um futuro melhor.




Paróquia Nossa Senhora da Guia, pertence a diocese de Campo Mourão.

O agricultor Cláudio Gotardo, foi prefeito por, 16 anos e 4 mandados: de 97 a 2000; de 2001 a 2004; 2009 a 2012; 2013 a 2016.

Tem como prato típico "Vaca Atolada", festa realizada no último domingo de julho.

Tem agência do Banco do Brasil.

Várias ruas são denominadas com nomes de estados

Boa Esperança tem o Strike Bar, pra você jogar boliche e conta com parque do lago com pista de caminhada.



São Carlos do Ivaí: onde começou
a Móveis São Carlos



São Carlos do Ivaí está localizada a 115 quilômetros de Campo Mourão, com balsa no Rio Ivaí, ou 146 km passando por Rondon e Paraíso do Norte e a 56 quilômetros de Paranavaí. Tem 6.834 moradores. A primeira rua foi aberta em 1951. Na área urbana são 1.868 imóveis edificados. Outros 264 estão na área rural. Estão instaladas no município 23 olarias e cinco cerâmicas.




Igreja Matriz "São Carlos Borromeu".

A tradicional rede de lojas "Móveis São Carlos", foi fundada em São Carlos do Ivaí, no dia 16 de fevereiro de 1985, através dos sócios Marcos Antonio Pasquini e Antonio Nivaldo Mulon.

A cidade possui agência do Banco Itaú.

Você também pode saborear uma pizza na Lanchonete e Pizzaria do "Picão".

Tem estádio coberto e com iluminação.

Uma tradição dos jovens lá é passar o final de semana comendo lanche nos traileres que ficam perto da praça.

Para quem entra na cidade placas vão informando onde fica a Capela Mortuária.



Como nos velhos tempos !!



Se você estiver em Japurá e pretende chegar a São Carlos do Ivaí, cuja distância é de 21 quilômetros, o melhor negócio é a balsa, ou então dá uma volta de quase 80 km.




Se a balsa estiver do outro lado do Rio Ivaí, a espera é de no mínimo meia hora.




O operador do barco que "empurra" a balsa disse que o movimento não é grande. Em dia "corrido" passam por alí cerca de 40 veículos, a maioria caminhões de cana.




O preço é mais caro que o pedágio. Paguei 18 reais pela travessia. Isso porque era dia. No período da noite o valor para automóveis é 45 reais.




Utilizar tudo aquilo para atravessar só um carro até parece barato, e ainda tem o visual muito bonito.



Juranda: nome que surgiu
de um espírito



Juranda é um dos municípios mais novos do Paraná. Até 1982 era distrito de Mamborê. Tem 7.391 habitantes. A cidade está localizada às margens da BR-369, 70 quilômetros de Campo Mourão e a 92 km de Cascavel.




Juranda surgiu com um loteamento da Colonizadora Szaferman, dona de extensa área de terras na região de Campo Mourão.




Moradores contam que o nome da cidade surgiu com o pioneiro João Maffei Rosa, que era espírita. Ele realizava a derrubada da mata e viu a imagem da índia Juranda (cabocla). O rio que passa pela localidade também ganhou o mesmo nome.




A maioria das ruas e avenidas de Juranda tem nomes indígenas. Porém, as duas principais não. Uma é a "Brasil" e a outra é a "Paraná". A Paraná é a que dá acesso a Goioerê (40 km).

Tem agência do Banco do Brasil. Conta com emissora FM (Navita FM),

Na praça, em frente a igreja é possível saborear um espetinho "gourmet".

Na Lotérica Pé Quente é possível realizar serviços bancários da Caixa.




Paróquia Nossa Senhora Mãe de Deus, pertence a diocese de Campo Mourão.




Igreja Ucraniana Nossa Senhora do Perpétuo de Juranda.



Indianópolis: geada tirou mais da metade da população



Indianópolis, tem 4.449 habitantes. A cidade está localizada a 92 quilômetros de Campo Mourão e a 26 km de Cianorte. A localidade também foi fundada pela Companhia Norte do Paraná, a mesma de Maringá e Londrina. O nome homenageia os indígenas e significa "cidade dos índios". As ruas, avenidas e praças foram batizados com nomes indígenas. Até 1963, foi distrito de Rondon.




A avenida Tupinambás é a principal. A cidade conta com hospital municipal.

O município é conhecido pela tradicional Festa em Louvor ao Padroeiro Santo Antônio de Lisboa, comemorado anualmente em 13 de junho.

Devido a geada negra ocorrida em 1975, que dizimou os cafezais, o município que tinha 12.155 habitantes, perdeu 8 mil moradores.

Indianópolis tem duas cerâmicas que produzem 1 milhão e meio de tijolos por mês.

Conta com posto de atendimento do Bradesco, casa lotérica, e posto de atendimento eletrônico do Banco do Brasil.



Japurá: coisas curiosas



Japurá está localizada a 96 quilômetros de Campo Mourão e a 28 km de Cianorte. Tem 9 mil 349 moradores. A exemplo de Peabiru, o abastecimento de água não é feito pela Sanepar e sim pelo município. Está na linha do Trópico de Capricórnio.






A origem do nome da cidade tem controvérsias. Uns falam que é por causa da tribo "Japurás" que existe até hoje no Amazonas, ou homenagem a Miguel Maria Lisboa, "Barão de Japurá" que teria participado na colonização do Norte do Paraná. Porém, a mais aceita é que na região tem o córrego Japurá.




Paróquia São Sebastião. Japurá pertence a Diocese de Umuarama.

A principal avenida é a "Voluntários da Pátria". Tem cerca de 2 quilômetros e é trecho da PR - 498.

A cidade tem casa lotérica e Banco do Brasil.

Lá também tem o "Bar Pé na Cova" e a loja de confecções "Toca da Loba".




Perto da Igreja de Japurá, observei três grandes áreas cobertas repletas de mesas e cadeiras. (na foto acima só uma parte). Fui perguntar o que era. Uma senhora respondeu que tratava-se dos preparativos da Festa do Padroeiro. Fiquei espantado com a quantidade de gente que era esperada para a festa que aconteceu no dia 20 de janeiro (2019). Ela contou que mais de 3 mil pessoas almoçam ali. Tem churrasco e pernil. Infelizmente passei lá um dia antes.




Gostei da pista de caminhada de Japurá. Parece uma rodovia.



Paranacity: capital do Urucum



A 150 quilômetros de Campo Mourão e 45 da divisa com o Estado de São Paulo está a cidade Paranacity. Tem 11 mil 131 habitantes.






A Avenida Brasil, é a segunda principal, e corta a cidade de Leste a Oeste. É onde está a igreja matriz, tem quase dois quilômetros. Toda essa avenida tem um canteiro central com 16 metros de largura, e grande parte foi transformado em praça, ou seja uma pequena praça a cada quadra.





Outra importante avenida é a 14 de dezembro. Essa de pista simples, tem 2 quilômetros, corta a cidade de Norte a Sul e é um trecho da PR- 464. É nessa via que estão as principais empresas e agências do Banco do Brasil e Caixa, além do Fórum. Tem ainda HSBC e Bradesco, mas a cidade não conta com variedade de lojas de rede.




A gente percebeu que por lá, o pessoal protesta mesmo. Em várias partes tem muros e paredes com protesto contra a imprensa e políticos.


O município teve origem em 1940, num patrimônio formado pela Imobiliária Progresso de Apucarana. O nome Paranacity é homenagem a um dos seus sócios, de nacionalidade norte-americana, que significa CITY (cidade) PARANÁ (estado) "Cidade do Paraná".



Imagem acima: Paróquia Nossa Senhora de Lourdes.

Paranacity é conhecida como a capital brasileira do Urucum, usado na fabricação de corantes.



São Tomé



São Tomé, está localizada a 80 quilômetros de Campo Mourão, na região de Cianorte. Já na entrada, o portal com facão indica que uma das bases da economia é a cana. Tem 5 mil 693 habitantes. Até 1961 foi distrito de Cianorte.




Na imagem acima a foto da Avenida José Madureira, a principal de São Tome. Tem 1 quilômetro e 600 metros. É um trecho da PR 498.




A cidade tem casa lotérica, Bradesco e atendimento do Banco do Brasil. Conta com o hospital de clínicas Nossa Senhora Auxiliadora.




Após ser interditada por um bom tempo, devido a rachaduras na parede, a Casa da Cultura de São Tomé foi reformada.




A Paróquia São Tomé, pertence a diocese de Umuarama. Como curiosidade, a cidade de São Tomé fica no meio de quatro cidades importantes: Maringá, Umuarama, Campo Mourão e Paranavaí. E Umuarama é a mais distante.



Uniflor: o nome significa
"apenas uma flor"



Uniflor tem apenas 2.466 moradores. Dos 399 municípios do Paraná ocupa a posição 388. O registro do primeiro habitante é de 1950.

Quando os engenheiros da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná passaram pelo local, a vegetação estava castigada devido a seca, e às margens de um córrego, eles encontraram apenas uma flor, então passaram a chamar Córrego Uniflor (ou flor única), que acabou sendo o nome da cidade.

Distrito de Nova Esperança, o município foi instalado em 1965.




As duas principais avenidas da cidade são enfeitadas com vasos nos canteiros centrais.

Todas as ruas de Uniflor, têm nomes de flores.

Está localizada a 140 quilômetros de Campo Mourão e 56 km de Maringá.

A principal avenida chama-se "Avenida das Flores" e tem cerca de 1 quilômetro. Toda a cidade é menor que o Jardim Santa Cruz em Campo Mourão.

Uniflor não tem agências bancárias.




Paróquia Imaculada Conceição de Uniflor.



 
COLUNA DO ELY
a
COLUNA DO ELY
Campo Mourão - Paraná - Brasil - e-mail elyrodriguesdaniel@outlook.com / Rádio T FM - 44- 3523-5248