Falecimentos em C.Mourão no dia 18 de janeiro

Sem registros.


Falecimentos em C.Mourão no dia 17 de janeiro

Nerildo Oliveira da Cruz, 47 anos. Velório no Prever. Sepultamento dia 18.





















ALTAMIRA DO PARANÁ /

ALTO PARAÍSO /

ALTO PARANÁ/

AMAPORÃ /

AMPÉRE /

ÂNGULO /

ANTONINA /

APUCARANA /

ARAPONGAS /

ARARUNA /

ASSIS CHATEUBRIAND /

ASTORGA /

ATALAIA /

BOA VISTA DA APARECIDA /

BARBOSA FERRAZ - CIDADE E SANTUÁRIO /

BOA ESPERANÇA /

BOM SUCESSO /

CALIFÓRNIA /

CAMPINA DA LAGOA /

CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES /

CASCAVEL /

CASTRO / CASTROLANDA /

CIANORTE /

CORUMBATAÍ DO SUL /

CHOPINZINHO /

CIDADE GAÚCHA /

COLORADO /

CORONEL VIVIDA /

CRUZMALTINA /

CRUZEIRO DO OESTE /

CRUZEIRO DO SUL /

DOIS VIZINHOS /

DIAMANTE DO NORTE /

DOUTOR CAMARGO /

ENGENHEIRO BELTRÃO /

ESTRADA DE TERRA ALTAMIRA DO PARANÁ A LARANJAL

FAROL /

FAXINAL /

FÊNIX /

FORMOSA DO OESTE /

FLORAÍ /

FLORESTA /

FLÓRIDA /

FRANCISCO ALVES /

GUAIRAÇÁ /

GUAPOREMA /

GUARATUBA /

IBIPORÃ /

ICARAÍMA e Porto Camargo /

IGUARAÇU /

INAJÁ /

INDIANÓPOLIS /

IRACEMA DO OESTE /

IPORÃ /

IRETAMA /

IRATI /

ITAGUAJÉ /

ITAMBÉ /

ITAÚNA DO SUL /

IVATUBA /

JANDAIA DO SUL /

JANIÓPOLIS /

JAPURÁ /

JARDIM OLINDA /

JESUÍTAS /

JURANDA /

JUSSARA /

LARANJAL /

LARANJEIRAS DO SUL /

LIDIANÓPOLIS /

LINDOESTE /

LOANDA /

LOBATO /

LONDRINA /

LUIZIANA /

LUNARDELLI /

MAMBORÊ /

MANDAGUAÇU /

MANDAGUARI /

MANOEL RIBAS /

MARECHAL CÂNDIDO RONDON /

MARILUZ /

MARILÂNDIA DO SUL /

MARMELEIRO /

MARQUINHO /

MARIA HELENA /

MARIALVA /

MARILENA /

MARINGÁ /

MARIPÁ /

MATINHOS /

MAUÁ DA SERRA /

MERCEDES /

MIRADOR /

MOREIRA SALLES /

MORRETES /

MUNHOZ DE MELLO /

NOVA AURORA /

NOVA CANTU /

NOVA ESPERANÇA /

NOVA LONDRINA /

NOVA SANTA ROSA /

NOVA PRATA DO IGUAÇU /

OURIZONA /

PAIÇANDU /

PALMEIRA /

PALMITAL /

PALOTINA /

PARAÍSO DO NORTE /

PARANACITY /

PARANAGUÁ /

PARANAPOEMA /

PARANAVAÍ /

PATO BRANCO /

PEABIRU /

PEROBAL /

PITANGA /

PLANALTINA DO PARANÁ /

PONTAL DO PARANÁ /

PORTO RICO /

PRESIDENTE CASTELO BRANCO /

QUATRO BARRAS /

QUATRO PONTES /

QUERÊNCIA DO NORTE /

QUINTA DO SOL /

RANCHO ALEGRE DO OESTE /

REALEZA /

RENASCENÇA /

RIO BONITO DO IGUAÇU /

RIO IVAÍ PELA BALSA /

ROLÂNDIA /

RONCADOR /

RONDON /

SABÁUDIA /

SANTA CRUZ DO MONTE CASTELO /

SANTA FÉ /

SANTA INÊS /

SANTA ISABEL DO IVAÍ /

SANTA IZABEL DO OESTE /

SANTA LÚCIA /

SANTA MÔNICA /

SANTO ANTONIO DO CAIUÁ /

SANTO INÁCIO /

SÃO CARLOS DO IVAÍ /

SÃO JOÃO DO CAIUÁ /

SÃO JOÃO DO IVAÍ /

SÃO JORGE DO IVAÍ /

SALTO DO LONTRA /

SÃO MANOEL DO PARANÁ /

SÃO PEDRO DO IVAÍ /

SÃO PEDRO DO PARANÁ /

SÃO TOMÉ /

SARANDI /

SAUDADE DO IGUAÇÚ /

TAMARANA /

TAMBOARA /

TERRA BOA /

TERRA RICA /

TOLEDO /

TRÊS MORRINHOS (Terra Rica) /

TUNEIRAS DO OESTE /

UBIRATÃ /

UMUARAMA /

UNIFLOR /

VITORINO /

XAMBRÊ /


   














a
-----------------------------    
----------------------
a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a
------------ 
 










Tapejara: "caminho por onde passam os amigos"



Antes de abordar a cidade de Tapejara, vale mostrar a imagina acima , sobre a situação da rodovia que liga Tuneiras do Oeste até Tapejara.




O município de Tapejara tem 16 mil 205 habitantes pela estimativa de 2019 feita pelo IBGE, e 14.598 pelo último censo realizado em 2010. O salário médio mensal é de 2.3 salários mínimos, o 63º melhor dos 399 municípios do Paraná.




O PIB per capita de Tapejara figura na posição 149 no Paraná. Quase 90 por cento da cidade tem rede de esgoto e é bem arborizada.




Como em muitas cidades que visitamos, a rodoviária de Tapejara carece de uma reforma. O município surgiu nos anos 50, através da Companhia Imobiliária Tapejara. Muitos paulistas, mineiros, catarinenses, italianos e japoneses foram atraídos para o cultivo do café. Foi distrito de Cruzeiro do Oeste até o início de 1964.




Tapejara está localizada a 96 quilômetros de Campo Mourão, via Cruzeiro do Oeste, ou 73 km por Tuneiras do Oeste, mas por um trecho esburacado. A cidade está às margens da PR-323 que liga Umuarama a Maringá no trecho entre Cruzeiro do Oeste e Cianorte. Integra a região de Umuarama. O aniversário é no dia 11 de abril com a Expojara, incluindo shows nacionais e o tradicional rodeio.




Tapejara tem agências da Caixa e do Banco do Brasil, além de uma instituição privada. A cidade conta com uma emissora de rádio. “Tapejara” é um termo proveniente da língua guarani. Significa “Caminho por onde passam os amigos” ou “Senhor dos caminhos”.




A maior empresa de Tapejara é a Laticínios Pic Nic. Inaugurada em 1998, pertencia a um empresário de Maringá. Em 2017 fez uma parceria com o grupo norte americano Leprino Foods, com sede em Denver, Estados Unidos. A empresa fabrica queijos, manteiga, mussarela, requeijão e cream cheese. Outra grande empresa é a Usina Santa Terezinha. Dentre todas as unidades do Paraná, é a que possui a maior capacidade para moer cana-de-açúcar. O município conta com outras 100 empresas cadastradas como indústrias.




A Paróquia Nossa Senhora de Fátima pertence a Diocese de Umuarama. Tapejara tem cerca de 5.500 imóveis residenciais e 370 empresas comerciais e de prestação de serviços.



Colégio Vicentino Santa Cruz apresenta novidades para 2020



Pais e estudantes do Colégio Vicentino Santa Cruz poderão contar com novidades e inovações para ano letivo de 2020. As melhorias refletem a busca constante da instituição por aprimorar seus processos educacionais, no ano em que o Colégio celebrará seus 70 anos de missão educativa em Campo Mourão e região.

Um dos lançamentos é a oferta do Programa “Transformação Bilíngue Richmond Solution Go, em parceria Ricmond Solution, que estará disponível para estudantes a da Educação Infantil, a partir do Nível III. Serão 3 aulas semanais, integradas ao currículo, com custo acessível inserido na mensalidade.

A outra novidade para os alunos dos Ensinos Fundamental e Médio será a implantação da metodologia OPEE (Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo), criada pelo educador Leo Fraiman.

Alinhado ao desafio de educar por projetos de vida com atitude empreendedora, o Programa foca no desafio da convivência, autoconhecimento e inteligência emocional, educação financeira, escolha profissional, métodos de estudo, mercado de trabalho e valores.



Crescimento das cidades do Paraná: Campo Mourão



As imagens de satélite não deixam dúvidas. Nos últimos 35 anos, Campo Mourão "engordou e espichou". Em 84, o município tinha 39.997 eleitores. Campo Mourão tem hoje 65.395 eleitores. É bom lembrar que em 1984, Farol e Luiziana eram distritos de Campo Mourão. A COLUNA UTILIZA OS DADOS SOBRE ELEITORES, POIS SÃO ATUALIZADOS ATÉ O FINAL DE 2019. SOBRE QUANTIDADE DA POPULAÇÃO, O ÚLTIMO CENSO DO IBGE FOI EM 2010, E DE LÁ PARA CÁ, EXISTEM APENAS ESTIMATIVAS. O PRÓXIMO CENSO SERÁ REALIZADO AGORA EM 2020. Na terça-feira, 21, faremos uma avaliação de Cianorte, no mesmo período.










O TUDO A VER.. - Imbituva na região de Ponta Grossa tem o Clube dos Ji(ee)peiros. E nada melhor que a sede do grupo ter uma frente que lembre um Jeep !! CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ






Denir Daleffe: vamos começar o ano com otimismo!



Todos os anos são sempre iguais, expressamos aos amigos e familiares nossos melhores desejos e esperamos que todos eles façam o mesmo. Estimamos muita paz, saúde e dinheiro, mas muitas vezes esquecemos de inserir um pouco mais de sentimentos verdadeiros.

Devemos valorizar a positividade e manter diariamente uma visão otimista sobre os mais diferentes aspectos da vida, deixando para trás tudo aquilo que não vem integrado com a felicidade.

Vamos relembrar tudo de bom que nos aconteceu para incentivar novas conquistas, sem esquecer dos erros que jamais deverão ser cometidos.

Que este novo ano chegue repleto de pensamentos positivos e que cada um deles produza algum tipo de benefício!

Vamos começar o ano de 2020 com muito OTIMISMO, e quem sabe assim a felicidade não se torna uma companheira vitalícia.

Você pode superar todos os obstáculos! As vezes sentimos que não temos força, que não seremos capazes de ultrapassar os desafios. Sentimos até que não merecemos qualquer gênero de felicidade. MAS ESTAMOS ERRADOS!

Todo mundo tem o direito de ficar de bem com a vida. Mas também tem o dever de lutar até alcançar esse estado maravilhoso de PAZ E ALEGRIA.

Prezados amigos, mantenha o OTIMISMO na sua sua mente e batalhe todos os dias por um sorriso ou um momento especial. Seja feliz, por mais dificil que lhe pareça!!!!







Goioerê: já foi capital nacional do algodão



A cidade de Goioerê está localizada a 74 quilômetros de Campo Mourão. Pela estimativa do IBGE de 2019, tem 28.884 moradores. Pelo Censo de 2010 estava com 29.018 habitantes, ocupando a posição 62 entre os 399 municípios paranaenses. A Paróquia Nossa Senhora das Candeias pertence a Diocese de Campo Mourão.




Na área urbana, Goioerê tem cerca de 10 mil imóveis residenciais. Pouco mais de 1.000 empresas estão cadastradas como comerciais e de prestação de serviços e outras 83 estão configuradas como indústria. A rede de esgoto beneficia quase metade da cidade. Conta com agências da Caixa, Banco do Brasil e outras duas instituições privadas. Tem 3 emissoras de rádio.




Goioerê conta com uma filial do Paraná Supermercados, Lojas Americanas, Concessionárias Ford, Chevrolet e Fiat, além das cooperativas Coamo, C.Vale, Integrada e Copacol. A estimativa é de que 20 por cento da população tenha emprego com carteira assinada. Em riqueza, avaliando o PIB per capita, Goioerê está na posição 187 do Paraná.




Goioerê está entre as 50 cidades mais arborizadas do Paraná. Na agricultura o destaque é para a soja com área de 35.200 hectares. O milho vem na sequência com 20 mil e 200 hectares. Destaque também para a produção de leite e frangos.




Goioerê surgiu por volta de 1943, com a chegada dos pioneiros Francisco, Carlos e Vlademir Scarpari. Às margens do Rio Goio-Erê, os irmãos iniciaram as primeiras fazendas de café. Anos depois eles decidiram criar uma cidade e fundaram a empresa “Sociedade Goio-Erê”, planejando a área urbana e a venda de lotes. O nome se deve ao Rio Goio-Erê, que na língua indígena significa "água limpa" ou "àguas claras". Mas, segundo o indigenista Edívio Battistelli, a tradução inicial do nome de Goioerê foi feita errada: as palavras Goio e Erê, na verdade, significam "campo dágua" e não "águas claras". Até 1955 foi distrito de Campo Mourão.




Nos anos 80, Goioerê foi reconhecido como o maior produtor nacional de algodão. Na época, ainda englobava os antigos distritos de Rancho Alegre do Oeste e Quarto Centenário. A população chegou a quase 100 mil habitantes, a grande parte na área rural. O fim do algodão nos anos 90 provocou grande desemprego e vertiginosa queda populacional. A foto acima, é do novo fórum de Goioerê.




O trânsito na área central de Goioerê é controlado por semáforos e vias de mão única. Não tem estacionamento rotativo pago. A cidade conta com campus da UEM, que oferece os cursos de Engenharia Textil, Engenharia de Produção e Licenciatura em Física. O prato tipico é o "Leitão Maturado". Desde o dia 2 de abril de 1978, funciona em Goioerê uma Aldeia Infantil SOS, entidade mundial que cuida do bem estar de crianças e adolescentes.




A imagem da rodoviária de Goioerê também mostra um detalhe da cidade. É dificil encontrar os chamados "postes republicanos", moda na maioria das cidades que já visitamos. Lá é do tipo "chuveirinho".




A unidade do Corpo de Bombeiros está ao lado do Ginásio de Esportes 10 de Agosto. O Ginásio já foi palco de grandes disputas esportivas e shows musicais. Goioerê está ultimando os detalhes para a implantação da Guarda Municipal.




Goioerê tem 6 centros de educação infantil, 12 escolas de ensino fundamental, 6 colégios estaduais de ensino médio. A cidade conta com o Parque do Povo, com quadras esportivas, parque infantil, pista de caminhada e centro de convenções. Tem ainda o Parque Ecológico, onde é possível caminhar pelas trailhas.




Bem legal em Goioerê, é que apesar de contar com quase 30 mil habitantes, as principais lojas, órgãos públicos, biblioteca, ginásio de esportes, igreja matriz e até o estádio, ficam concentrados em um raio de 1 quilômetro.







Cândido de Abreu: o "Paraíso das Serras"



Cândido de Abreu é uma cidade localizada a 158 quilômetros de Campo Mourão. Pelo Censo de 2010 município tem 16.665 habitantes, mas estaria com 15.018 pela estimativa feita pelo IBGE em 2019. É bom salientar que quase 70 por cento da população mora na área rural. Apenas 14 por cento dos habitantes exercem atividades profissionais com carteira assinada, e a média é de 2 salários mínimos.




Cândido de Abreu utiliza o lema "Paraíso das Serras". Em um dos morros é possível observar a estátua do Cristo. Quando estivemos na cidade em outubro de 2019, o acesso ao local estava em obras e não foi possível chegar até lá. A prefeitura informou que são várias benfeitorias para tornar o local como ponto turístico. O mirante terá área de lazer, lanchonete e sanitários e possibilitará a visão de toda a cidade e das serras que a cercam.




O aniversário de Cândido de Abreu é comemorado no dia 26 de novembro com vários dias de shows, incluindo atrações nacionais, parque de diversões e gastronomia. O festejo acontece na praça da central. Em setembro é realizada a Exposição e Venda de Orquídeas. Um dos orgulhos da cidade é a Banda Municipal (vice campeã de 2019 em concurso nacional). A prefeitura realiza em agosto um festival local de bandas e fanfarras.




Toda a cidade está praticamente concentrada às margens de uma avenida (foto) acima. A via tem cerca de 3 quilômetros e é dividida por uma rotatória. De um lado recebe o nome de Manoel Ribas e do outro é denominada Avenida Paraná. Cândido de Abreu tem agência do Banco do Brasil e uma instituição bancária privada. A cidade tem aproximadamente 2.700 imóveis residenciais (40 por cento com rede de esgoto) e cerca de 300 empresas comerciais.




O maior espaço com agricultura é dedicado a soja (20.500 ha) milho (6.600 ha), trigo (6.000 ha), feijão (4.100 ha). O município também produz diversas frutas. Tem um grande rebanho bovino (101 mil cabeças). Também é produtor de frangos e leite. Conta com entreposto da Coamo Agroindustrial e é sede do Latícinios Dau (produtos Daulat).




A área de Cândido de Abreu, foi fundada em 1847, como "Colônia Tereza". O fundador foi o médico francês, João Maurício Faivre, com apoio da Imperatriz do Brasil, Dona Tereza Cristina. Mais tarde daria origem aos Municípios de Cândido de Abreu e Reserva. O núcleo não vingou. Anos depois, imigrantes poloneses, ucranianos, alemães e alguns brasileiros, se instalaram na mesma região e fundaram a Colônia Cândido de Abreu. O município foi distrito de Reserva até 1954. O nome é homenagem a Cândido Ferreira de Abreu, que ocupou o cargo de Diretor do Serviço de Colonização do Paraná. A Paróquia Senhor Bom Jesus, pertece a Diocese de Guarapuava.










DESTAQUE DA RODOVIA - Em uma area rural do município de Manoel Ribas, uma árvore chama mais atenção que qualquer lavoura ao seu redor. Ela atrai os olhos de quem trafega pela PR-487. CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ







Carambei: cidade onde surgiu a Batavo



A cidade de Carambeí está localizada na região de Ponta Grossa, a 352 quilômetros de Campo Mourão. Pela estimativa do IBGE divulgada em 2019, está com 23.415 habitantes. O Censo de 2010 apontava para 19.163 moradores. Tem o 17º melhor salário médio do Paraná, quase 3 mínimos de média por habitante e 41 por cento dos moradores têm carteira assinada.




Oitenta por cento da cidade de Carambeí é servida por rede de esgoto. A arborização, principalmente na área central, deixa a desejar. Praticamente toda a cidade é asfaltada, incluíndo os bairros mais afastados do centro. A parte sul do perímetro urbano é cercada por um grande bosque com cerca de 3 quilômetros de extensão.




Fundada por Holandeses, Carambei tem na sua paisagem os tradicionais moinhos holandeses que enfeitam a cidade. O da foto acima é de um restaurante/lanchonete, localizado às margens da rodovia que liga Ponta Grossa a Castro (Carambeí fica entre estas duas cidades).




Carambéi surgiu a partir de uma fazenda fundada pelos holandeses em 4 de abril de 1911. Alí eles criaram a Cooperativa Batavo (atual Frísia). Uma curiosidade é que a Batavo surgiu por acaso. A empresa ferroviária Brazil Railway Company, fez um contrato com os imigrantes holandeses para o fornecimento de leite e comida aos operários que trabalhavam na construção da estrada férrea São Paulo-Rio Grande. Foram criadas várias fábrica de queijo e leite, que anos mais tarde foram incorporadas em uma empresa chamada Batavo.




Em 1966, Carambei foi elevada a condição de distrito de Castro. Só virou município em 1995, sendo instalado em 1 de janeiro de 1997. Embora a economia fique baseada na agropecuária e na grande produção de leite e seus derivados, o município tem uma área com 24 mil hectares de soja. A cidade conta com agências do Banco do Brasil e Caixa Econômica e outras duas instituições particulares.




A Paróquia Nossa Senhora da Conceição pertence a Diocese de Ponta Grossa. Por sua origem europeia, grande parte dos habitantes frequentam a Igreja Luterana. Carambeí tem cerca de 6 mil e 400 imóveis residenciais, 141 indústrias e pouco mais de 400 empresas comerciais. Além da Batavo (hoje Frisia) também estão em Carambeí a AmBev e a Tetra Pak.




Carambeí tem vários eventos. A principal é a Exposição Agropécuária (maio). Em abril acontecem a Festa dos Imigrantes. Em outubro é realizada a Festa das Tortas e dezembro tem a Festa de São Nicolau. Um dos pontos turístico é o Parque Histórico e Parque Nacional dos Campos Gerais, além da cachoneira do Tamanduá.



Corbélia: Cidade das Flores



Corbélia está localizada a 147 quilômetros de Campo Mourão e 34 de Cascavel. Pela estimativa feita pelo IBGE em 2019, tem 17.071 habitantes. Ocupa a posição 110 entre os 399 municípios do Paraná. A taxa de escolarização de crianças entre 6 e 14 anos é de 98 por cento. Em PIB per capita é o 113º do Estado. Tem um dos mais baixos índices de mortalidade infantil: 4 para 1.000 nascidos vivos. Metade da cidade conta com rede de esgoto. Uma cidade bem arborizada.




Por ser considerada como "Cidade das Flores", esperava encontrar mais flores em canteiros centrais, calçadas e na praça central. A data do aniversário é 8 de dezembro.




Corbélia é servida por agências da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e outras duas instituições bancárias privadas. Na cidade são 5.553 imóveis residenciais e 555 empresas comerciais. Contabiliza ainda 39 indústrias. Tem duas emissoras de rádio. A média é de 1 automóvel por residência.




Os pioneiros vieram do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A localidade foi sendo ocupada de forma tranquila, mas o crescimento por causa da exploração da mata de Araucária criou conflitos e foi preciso a ação do Governo. Em 1953 formou-se o povoado às margens da estrada que liga Cascavel à região Norte do Estado. Seu idealizador foi Armando Zanatto, descendente de italianos, que, acatando sugestão, deu o nome de Corbélia. Distrito de Cascavel, foi emancipado em 1961.




Na agricultura a maior área plantada é com soja (32.778 ha), milho (17.106 ha), trigo (15.613 ha). Destaque para a produção de frangos.




No período de aniversário (dezembro) acontece a Festa das Flores (Expobelia) com shows, gastronomia, parque de diversões e exposições. O município realiza em outubro o Jocorbs, envolvendo mais de 3 mil crianças e adolescentes na disputa de diversas modalidades. É como se fossem os "Jogos Olímpicos" de Corbélia.




Praticamente todas as ruas de Corbélia tem nomes de flores. A avenida central é dividida por uma rotatória. De um lado é denominada de Paraná e do outro Santa Catarina. Outra avenida que corta a cidade é a Rio Grande do Sul.




A Paróquia São Judas Tadeu pertence a Diocese de Cascavel. A Paróquia transmite as missas ao vivo pelo Facebook. O nome da transmissão é "Paróquia Conectada".




Chama a atenção que na esquina, do outro lado da igreja, tem uma grande imagem de Nossa Senhora Aparecida.



Ponta Grossa 1ª parte: "A cidade"



A cidade de Ponta Grossa está localizada a 363 quilômetros de Campo Mourão via Guarapuava e a 338 km por Manoel Ribas. Pelo Censo de 2010 tem 311.611 habitantes e pela estimativa de 2019 são 351.736 pessoas. Por essa estimativa Cascavel tem 328.454, Maringá 423.666 e Londrina 569.733.




A principal avenida do centro de Ponta Grossa é a Dr. Vicente Machado, uma das vias de acesso ao Palladium Shopping. Ponta Grossa é a quarta maior cidade do Paraná e ocupa a posição 76 entre os 5.570 municípios brasileiros.




Por ser uma cidade antiga, Ponta Grossa mescla os "velhos" prédios com os modernos edifícios. Com muitas indústria de "peso", o município tem o 17º melhor salário médio do Paraná. Em 2017, era de 2.7 salários mínimos por pessoa. De toda a população, em torno de 100 mil trabalham com carteira assinada.




A avenida acima é a Ermelino Leão. É raro encontrar pista dupla ou alargada, como essa na área central de Ponta Grossa. A maioria é estreita de mão única, e grande parte em subida ou descida. Mais raro ainda é encontrar pista dupla com canteiro central. Comparando com outros municípios do Paraná, a arborização das vias públicas deixa a desejar.




O espaço de lazer mais frequentado de Ponta Grossa, fica pertinho do centro. É o complexo ambiental Governador Manoel Ribas. Tem mais de 500 metros de extensão.




O parque tem pista de caminhada no entorno, com marcações a cada 100 metros. Não é cercado. Possui várias quadras poliesportivas, espaço para patinação é até mesas para ping-pong. A menos de 200 metros fica o principal shopping da cidade.




Ponta Grossa conta com dois restaurantes do McDonalds. O da imagem acima é ao lado do Campus da Universiade Estadual (centro). O outro é no Shopping Palladium. A distância entre os dois é de apenas 1 quilômetro.




Mais de 80 por cento da cidade de Ponta Grossa é servida pela rede de esgoto. A taxa de escolaridade entre crianças de 6 a 14 anos é de 98 por cento. O município tem 163 escolas de ensino fundamental e 53 de ensino médio. Quem nasce em Ponta Grossa é denominado de "ponta-grossense".




O aniversário de Ponta Grossa é comemorado no dia 15 de setembro. Em 2019 completou 169 anos. Foi distrito de Castro. A cidade tem 124 mil 430 imóveis residenciais (2018).



Imbituva: a Cidade das Malhas



A cidade de Imbituva está localizada na região de Ponta Grossa, a 311 quilômetros de Campo Mourão. O município tem 32.564 moradores (estimativa 2019). Pelo Censo de 2010, possue 28.445. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 96 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 203 entre os 399 municípios paranaenses. Quase 70 por cento da cidade tem rede de esgoto.




Imbituva foi ponto de parada dos tropeiros e começou a se formar como em 1871. Na época a localidade era conhecida como Cupim. Alguns anos mais tarde passou a receber colonos, alemães, russo e italianos. Em 1881, foi elevada à categoria de vila, com denominação de Santo Antônio do Imbituva no Município de Ponta Grossa. Foi emancipado em 1910 e em 1929, passou a se chamar apenas Imbituva, nome de um rio perto da cidade. Imbituva é o nome de um tipo de cipó.




Imbituva é conhecida como "Cidade das Malhas". São mais de 50 indústrias atuando no ramo têxtil. No município também estão instaladas indústrias de calçados. Os dois setores são responsáveis pela maior parte dos empregos ofertados no município. A mais de 30 anos é realizada em abril a Femai (Feira de Malhas de Imbituva), atraindo compradores de vários estados. Outra atividade de destaque é produção de telhas e tijolos a base de argila, com 14 empresas atuando no setor. Também tem indústria de móveis.




Cerca de 40 por cento da população de Imbituva mora na área rural. A cidade tem agências da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, e outras duas instituições financeiras.




A cidade de Imbituva conta com cerca de 8 mil imóveis residenciais, 360 empresas comerciais e 58 indústrias. Possue duas emissoras de rádio.




No setor agrícola destaque para soja com (23 mil ha), milho (6.400 ha). Destaques também para o fumo, feijão, erva mate e produção de frangos.




Com 134 anos comemorados em maio de 2019, Imbituva é uma cidade antiga, e conta com vários prédios históricos na área central.




O Colégio Santo Antonio, o principal de Imbituva, foi construído no início dos anos 50. A escola porém é mais antiga. Iniciou as atividades em 1912 onde hoje funciona o Banco do Brasil.




Uma âncora diante de uma residência nos chamou a atenção: o artefato era utilizado em uma embarcação que pertenceu a Companhia de Transporte Fluvial e que navegava pelo Rio Imbituvão ao Piquiri. Isso lá em 1903.




A paróquia Santo Antonio tem mais de 140 anos. A atual igreja foi inaugurada em 1967. O projeto, em estilo neorromano moderno, foi criado pelo engenheiro Flavio Younglood, da cidade de Irati, e levou 10 anos para ser finalizado. Hoje a Igreja Matriz é um dos principais marcos históricos e turísticos do município.




Em Imbituva alguns casarões antigos são preservados na área rural. Uma outra curiosidade é que a cidade tinha um belo portal no acesso pela BR-153. Foi demolido em outubro de 2018 por decisão judicial, após o DNIT alegar que foi construído de maneira irregular e sem autorização, impossibilitando o tráfego para veículos com excesso de carga lateral.



Maringá: parte 12



Maringá tem 60 agências bancárias. São 10 do Banco do Brasil, 9 da Caixa Econômica Federal e 41 de outras instituições. A cidade conta com 10 emissoras de rádio e 5 canais de televisão. Noventa por cento da cidade tem rede de esgoto.




A Mesquita de Maringá, foi inaugurada no dia 15 de outubro de 1989. A arquitetura típica islâmica tem o Minarete, pequena torre onde são anunciados os horários das orações. Aos visitantes um recado: a maioria dos mapas indica que a mesquita fica na Rua Itália. O nome da rua mudou. Agora é outro: Rua Saadeddine Ali Wardeni, Jardim Guapor.




As visitas à mesquita só podem ser feitas com agendamento. Cerca de 500 muçulmanos de Maringá frequentam o local, além de outros 500 da região, incluindo Campo Mourão.




Maringá tem 156 mil 270 imóveis residenciais; 4.905 indústrias e 22.651 empresas comerciais e de prestação de serviços. No município estão emplacados 318 mil 482 veículos, dos quais, 173 mil 757 automóveis; 62. 545 motocicletas e 39. 605 caminhonetes (dados de novembro 2019).




O Aeroporto Silvio Name Júnior está localizado a 12 quilômetros do centro de Maringá, saída para Campo Mourão. Este é o segundo aeroporto da cidade. O primeiro com pista de terra entrou em atividade em 1940 e após reformas foi inaugurado em 1953 e passou a ser chamado de Gastão Vidigal, um dos diretores da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná. Novas reformas foram realizadas em 1960 e 1972. Em 1997 foi desativado.




O terminal de passageiros tem 4 mil metros quadrados e é climatizado. É administrado pela empresa de economia mista Terminais Aéreos de Maringá - SBMG. A média diária é de 20 decolagens e 20 pousos. Operam as companhias Azul, Gol e Latam.




A pista tem 2.100 metros de comprimento por 45 de largura e está sendo ampliada para 2.380 metros. O aeroporto também foi elevado a categoria 7 para receber cargas internacionais. O nome "Silvio Name Júnior", é uma homenagem a um empresário maringaense que morreu em acidente aéreo no ano 2.000 em São Paulo.




Mais de 90 por cento das ruas são arborizadas. Calcula-se que Maringá tenha quase 150 mil árvores. A maior parte pertence a dez espécies com liderança para as Sipibirunas (30%), Oiti (12%) e Ipê Roxo 8%.

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE MARINGÁ



Reserva: cidade do "Tomate Recheado"



A cidade de Reserva está localizada na região de Telêmaco Borba, a 230 quilômetros de Campo Mourão. A população é de 26 mil 715 moradores, ocupando a posição 69 entre os 399 municípios paranaenses. Cerca de 15 por cento dos habitantes trabalham com carteira assinada. O salário médio é de 2 mínimos mensais.




A taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 13 para 1.000 nascidos vivos. Metade da área urbana conta com rede de esgoto. A taxa de escolarização de crianças entre 6 e 14 anos é de 96 por cento.




Reserva tem cerca de 6.800 imóveis residenciais, 542 empresas comerciais e de prestação de serviços e perto de 100 pequenas indústrias, a maioria que tem a madeira como matéria prima. Conta com uma emissora de rádio, mas não tem agências da Caixa e do Banco do Brasil. Opera na cidade o Banco Itaú.




Os primeiros moradores oriundos de São Paulo começaram a chegar por volta de 1840. Muitos foram atraídos pela informação de que existia ouro de aluvião às margens do Rio Tibagi. O nome "Reserva" surgiu pelo fato de existir no local a reserva da tribo de índios Caingangueras. A localidade foi elevada à distrito de Tibagi em 1906 e a município em 1937 com o nome de Campinópolis. No ano seguinte voltou a denominação "Reserva"




Registros históricos relatam que ao chegar a região em 1840, procedente da então Província de São Paulo, os pioneiros iniciaram amizade com índios para não serem expulsos. Mais gente chegou e os índios não foram respeitados e acabaram sendo "empurrados" para outra área. A história política ficou marcada pela morte do primeiro prefeito, coronel Rogério Borba, assassinado no meio da rua principal, por questões políticas.




O município comemora aniversário no dia 26 de março. A festa é realizada em vários dias na área central da cidade e inclui shows nacionais. O prato típico de Reserva é o "Tomate Recheado". A "Festa do Tomate" acontece na mesma época.




A imagem acima é da Igreja Ucraniana Nossa Senhora do Perpétuio Socorro.

Embora a 230 quilômetros da sede da Coamo Agroindustrial (Campo Mourão), Reserva conta com entreposto da Cooperativa

O que mais se planta por lá é soja (28.750 ha), feijão (4.900 ha) e milho (4.850 ha). A área com tomate soma 600 hectares. Destaques para o rebanho bovino e a produção de frangos e leite.




A Paróquia Menino Jesus de Reserva, pertence a Diocese de Ponta Grossa. A igreja fica na estilosa praça central. Chama a atenção pela simplicidade e beleza. Na entrada três arcos. Em dezembro é realizada a Festa do Menino Jesus.



A Catedral de Maringá: tem ossário dentro do cone



Pouca gente sabe que a Catedral de Maringá, foi inspirada nos foguetes russos Sputnik, lançados entre o final dos anos 50 e começo dos anos 60. O projeto é do arquiteto José Augusto Bellucci. Bellucci nasceu em São Paulo em 1907 onde faleceu em 1998. Seu escritório funcionava na Praça da República no centro da capital paulista. Foi o responsável por vários projetos em Maringá, o primeiro do Grande Hotel em 1951. Em 53 ficou responsável pelo terminal do Aeroporto. Em 56, projetou o primeiro Clube Social de Maringá em seguida a Catedral, depois vieram os projetos da Praça Napoleão Moreira da Silva, Teatro Municipal entre outros.




A Catedral Basílica de Maringá é a mais alta da América do Sul. O cone tem 114 metros de altura e na ponta está a cruz com 10 metros, elevando o monumento para 124 metros. No piso o diâmetro é de 50 metros que vai se afunilando até o topo. A igreja comporta 3.500 pessoas em galerias superpostas. A 35 metros de altura está a imagem de Nossa Senhora da Glória. No interior do cone a 45 metros de altura, encontra-se o ossário, com 1.360 lóculos, que os fiéis compram para guardar os restos mortais de seus entes queridos.




A porta principal tem um significado: é voltada para o norte. A pedra fundamental, lançada em agosto de 1958, é um pedaço de mármore retirado das escavações da Basílica de São Pedro pelo Papa Pio XII. A Catedral foi construída entre julho de 1959 a maio de 1972. Foi consagrada em maio de 1981. Em 21 de janeiro de 1982 recebeu o título de Catedral Basílica Menor.




Embora tenha sido projeta no final dos anos 50, a Catedral Metropolitana Basílica Menor Nossa Senhora da Glória de Maringá, é símbolo da arquitetura moderna e arrojada. Uma escada com 466 degraus leva os visitantes a um mirante, que no momento (2019) está fechada. O espelho dágua ao redor do templo foi retirado para solucionar problemas de infiltração.

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE MARINGÁ



Guamiranga: de cada 10 habitantes, apenas 2 moram na cidade



A cidade de Guamiranga está localizada a 285 quilômetros de Campo Mourão, ás margens da BR 373 que liga Ponta Grossa a Prudentópolis. O portal em forma de duas chaminés de olarias, já "informa", que ali tem produção de telhas, pisos e tijolos.




Guamiranga é um dos municípios mais novos do Paraná. Distrito de Imbituva, a instalação aconteceu no dia 1º de janeiro de 1997. O município tem 8.739 habitantes pela estimativa de 2019 e 7.900 pelo Censo do IBGE realizado em 2010. Oitenta por cento da população mora ou trabalha na área rural. A taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,5 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 255 entre os 399 municípios do Paraná. A taxa de mortalidade infantil até 5 anos é de 27 por 1.000.




Na lavoura destaque para soja (8.200 ha); fumo (3.060 ha) e feijão (1.198 ha). Por possuir a maior parte da população na área rural, a economia do município é caracterizada principalmente pelo setor agrícola e depois pelo industrial. Destacam-se ainda como opções de fonte de renda da população o artesanato e a vinicultura.




O setor industrial é representado principalmente pelas olarias. Mesmo estando no Parque do Lago, dentro da cidade você percebe a presença delas. Guamiranga não tem agências da Caixa ou Banco do Brasil e não conta com rede de esgoto. A origem do nome “Guamiranga” vem do tupi-guarani, tendo o significado de “árvore de pequenas folhas de cor vermelha”.




A cidade tem cerca de 1.200 imóveis residenciais, pouco mais de 50 empresas comerciais e 15 pequenas indústrias. A principal empresa da cidade é a "Erva-Mate Globo", localizada na comunidade rural de Boa Vista.




Guamiranga foi um ponto de passagem dos tropeiros a partir de 1850. Em 1890 começaram a chegar os imigrantes poloneses, italianos e alemães. Guamiranga era conhecida como Monjolinho, passou a ser "Natal". O aniversário é comemorado em 16 de novembro. Em julho acontece a grande Festa do Agricultor. O padroeiro Menino Jesus é comemorado em 25 de dezembro. O município também realiza o evento da "Reforma Luterana".




O município de Guamiranga é rico em recursos naturais. Várias cachoeiras. Na comunidade do Tigre tem água sulfurosa. O ponto de encontro dos jovens aos finais de semana é no Sítio Boa Esperança. Possui área para banho e uma gruta para contemplação. O "Pico do Amor" na Serra da Água Branca, tem cerca de 1.100 metros.




A Paróquia Menino Jesus de Guamiranga, pertence a Diocese de Ponta Grossa. Conta-se que, quando estavam construindo a primeira Capela, encontraram na terra uma pequena imagem do Menino Jesus, por isso a razão de escolherem como Padroeiro da Igreja. A imagem está exposta na Igreja Matriz.






O MUNDO MUDOU - Em Santa Lúcia, na região de Cascavel, uma prova de que o mundo muda rápido. Até bem pouco tempo a moda era colocar nome de lojas "Aqui Agora", por influência de um programa do SBT, veiculado nos anos 2.000. O "Aqui Agora", passou para "Agora Aqui". CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE SANTA LÚCIA.



Turvo: de cada 10 habitantes, 6 ainda moram na área rural



A cidade de Turvo, cercada por grandes reservas de árvores, na região de Guarapuava, está localizada a 164 quilômetros de Campo Mourão. Até 2 de fevereiro de 1983 foi distrito de Guarapuava. O aniversário de fundação é no dia 12 de maio. A festa principal acontece em novembro com Olimpíada Rural e a Expoturvo, realizada no CTG Rincão do Pinhal. O município tem 13.811 habitantes, porém mais da metade, 8.785 residem na área rural. Está na posição 136 entre os 399 municípios mais populosos do Paraná.




Em Turvo, a alfabetização de crianças de 6 a 14 anos é de 97,5 por cento. Em PIB per capita é o 173º do Estado. Em tamanho territorial o município é o 44º.




É comum encontrar pinheiros no perímetro urbano de Turvo. É normal para quem mora lá, afinal Turvo possui uma das maiores reservas nativas de Pinheiro do Paraná (Araucaria Angustifolia).




Em 1897 foi fundado o povoado de Pitanga, e na época já existia uma estrada entre Pitanga a Guarapuava. A precária estradinha passava pelo local onde hoje está o território de Turvo. Os imigrantes eslavos, italianos e alemães preferiram ficar por ali por causa da madeira, e não nas colônias oferecidas pelo governo. Os pioneiros construíram a capela e a denominaram de Nossa Senhora Aparecida. O nome vem do Rio Turvo, que corta a cidade.




Na imagem acima está a Praça 31 de Outubro. A maior área plantada é com soja (15.700 ha) e depois o milho (2.370 ha). Destaques para o plantio de erva mate com 380 hectares, produção de leite e madeira em tora.




Na foto acima, a estação rodoviária. Turvo não tem agências da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. A cidade conta com cerca de 2 mil imóveis residenciais e 163 empresas comerciais. Cincoenta e cinco indústrias de pequeno porte (a maioria utiliza madeira como matéria prima) estão instaladas no município. Lá tem Banda Municipal.




A Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Turvo pertence a Diocese de Guarapuava.

No município está localizada a "Comunidade dos Morenos", uma área remanescente de Quilombo. Sempre em novembro, no Dia da Consciência Negra, a prefeitura realiza eventos especiais na localidade.

No município também existe uma Aldeia Indígena Kaigang.

Como é pequena a rede de esgoto, a prefeitura de Turvo tem 2 caminhões para fazer limpeza de fossas. O serviço é agendado pelo telefone.



Nova Aliança do Ivaí: Lei proibia "levar" a casa na mudança!!



Nova Aliança do Ivaí é uma cidade localizada a 140 quilômetros de Campo Mourão, região de Paranavaí. Em população é o segundo menor município do Paraná. Tem apenas 1.543 moradores. A taxa de escolarização de crianças entre 6 a 14 anos é de 98 por cento. Em PIB per capita ocupa a posição 199 entre os 399 municípios paranaenses.




Ao surgir entre os anos 50 e 60, Nova Aliança do Ivaí tinha o nome de Guaritá, um tipo de madeira. A localidade foi formada por influência de Paranavaí (20 quilômetros), e pelo auge do café. A localidade teve até cinema, mas no final do anos 60, começou a perder população com o progresso de Paranavaí e Paraíso do Norte. Uma das primeiras leis aprovadas na Câmara proibia o morador que deixava a cidade, desmontar e levar a "casa" (madeiras e telhas). Até 1961 foi distrito de Paraíso do Norte.




A maior área plantada é com cana (3.422 ha), depois vem a soja (300 ha) e milho (170). Destaques para o rebanho bovino e produção de frangos. Nova Aliança do Ivaí não tem agências da Caixa e do Banco do Brasil. A cidade tem cerca de 400 imóveis residenciais, 9 empresas comerciais e uma indústria.




A Paróquia São Benedito pertence a Diocese de Paranavaí.

É preciso ficar atento ao passar pelos canaviais de Nova Aliança do Ivaí. Vira e mexe tem onça passeando entre os pés de cana.

Em agosto de 2014, uma chuva de granizo danificou 80 por cento das casas da cidade.

Uma das atrações do município é uma pequena cachoeira chamada pelos moradores de "Salto". Está localizada a 1 quilômetro da cidade, mas é preciso percorrer um trecho de trilha.

Na cidade está instalado o Laticínio Rancho Aliança, que produz queijos, ricotas e requeijão. A sede é em Campinas (SP).






PARECIDO - Em Dois Vizinhos encontramos um Fusca "fantasiado" de Herbie. O lendário Herbie dos filmes, é um modelo 1953. Esse da foto é um Fuscão dos anos 70. CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ

VEJA AQUI O NOSSO ESPECIAL SOBRE DOIS VIZINHOS



 
COLUNA DO ELY
a
COLUNA DO ELY
Campo Mourão - Paraná - Brasil - e-mail elyrodriguesdaniel@outlook.com / Rádio T FM - 44- 3523-5248