Falecimentos em Campo Mourão no dia 14 de novembro

Maria Ana de Jesus, 82 anos. Velório no Prever. Sepultamento dia 15





















ALTAMIRA DO PARANÁ /

ALTO PARAÍSO /

ALTO PARANÁ/

AMAPORÃ /

AMPÉRE /

ÂNGULO /

ANTONINA /

APUCARANA /

ARAPONGAS /

ARARUNA /

ASSIS CHATEUBRIAND /

ASTORGA /

ATALAIA /

BOA VISTA DA APARECIDA /

BARBOSA FERRAZ - CIDADE E SANTUÁRIO /

BOA ESPERANÇA /

BOM SUCESSO /

CALIFÓRNIA /

CAMPINA DA LAGOA /

CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES /

CIANORTE /

CORUMBATAÍ DO SUL /

CHOPINZINHO /

CIDADE GAÚCHA /

COLORADO /

CORONEL VIVIDA /

CRUZMALTINA /

CRUZEIRO DO OESTE /

CRUZEIRO DO SUL /

DOIS VIZINHOS /

DIAMANTE DO NORTE /

DOUTOR CAMARGO /

ENGENHEIRO BELTRÃO /

ESTRADA DE TERRA ALTAMIRA DO PARANÁ A LARANJAL

EXPO LONDRINA 2019 /

FAROL /

FAXINAL /

FÊNIX /

FORMOSA DO OESTE /

FLORAÍ /

FLORESTA /

FLÓRIDA /

FRANCISCO ALVES /

GUAIRAÇÁ /

GUAPOREMA /

GUARATUBA /

IBIPORÃ /

ICARAÍMA e Porto Camargo /

IGUARAÇU /

INAJÁ /

INDIANÓPOLIS /

IRACEMA DO OESTE /

IPORÃ /

IRETAMA /

IRATI /

ITAGUAJÉ /

ITAMBÉ /

ITAÚNA DO SUL /

IVATUBA /

JANDAIA DO SUL /

JANIÓPOLIS /

JAPURÁ /

JARDIM OLINDA /

JESUÍTAS /

JURANDA /

JUSSARA /

LARANJAL /

LARANJEIRAS DO SUL /

LINDOESTE /

LOANDA /

LOBATO /

LONDRINA /

LUIZIANA /

LUNARDELLI /

MAMBORÊ /

MANDAGUAÇU /

MANDAGUARI /

MARECHAL CÂNDIDO RONDON /

MARILUZ /

MARMELEIRO /

MARQUINHO /

MARIA HELENA /

MARIALVA /

MARILENA /

MARINGÁ /

MARIPÁ /

MATINHOS /

MERCEDES /

MOREIRA SALLES /

MORRETES /

MUNHOZ DE MELLO /

NOVA AURORA /

NOVA CANTU /

NOVA ESPERANÇA /

NOVA LONDRINA /

NOVA OLÍMPIA /

NOVA SANTA ROSA /

NOVA PRATA DO IGUAÇU /

OURIZONA /

PAIÇANDU /

PALMEIRA /

PALMITAL /

PALOTINA /

PARAÍSO DO NORTE /

PARANACITY /

PARANAGUÁ /

PARANAPOEMA /

PARANAVAÍ /

PATO BRANCO /

PEABIRU /

PEROBAL /

PITANGA /

PLANALTINA DO PARANÁ /

PONTAL DO PARANÁ /

PORTO RICO /

PRESIDENTE CASTELO BRANCO /

QUARTO CENTENÁRIO /

QUATRO BARRAS /

QUATRO PONTES /

QUERÊNCIA DO NORTE /

QUINTA DO SOL /

RANCHO ALEGRE DO OESTE /

REALEZA /

RENASCENÇA /

RIO BONITO DO IGUAÇU /

RIO IVAÍ PELA BALSA /

ROLÂNDIA /

RONCADOR /

RONDON /

SABÁUDIA /

SANTA CRUZ DO MONTE CASTELO /

SANTA FÉ /

SANTA ISABEL DO IVAÍ /

SANTA LÚCIA /

SANTA MÔNICA /

SANTO ANTONIO DO CAIUÁ /

SÃO CARLOS DO IVAÍ /

SÃO JOÃO DO CAIUÁ /

SÃO JORGE DO IVAÍ /

SALTO DO LONTRA /

SÃO MANOEL DO PARANÁ /

SÃO PEDRO DO IVAÍ /

SÃO PEDRO DO PARANÁ /

SÃO TOMÉ /

SARANDI /

SAUDADE DO IGUAÇÚ /

TAMARANA /

TAMBOARA /

TERRA BOA /

TERRA RICA /

TOLEDO /

TRÊS MORRINHOS (Terra Rica) /

TUNEIRAS DO OESTE /

UBIRATÃ /

UMUARAMA /

UNIFLOR /

VITORINO /

XAMBRÊ /


   














a
-----------------------------    
----------------------
a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a
------------ 
 










Colégio Vicentino Santa Cruz celebra mais um concurso "O Bom Leitor"



O concurso O BOM LEITOR, organizado e coordenado pelo serviço de biblioteca do Colégio Vicentino Santa Cruz, acontece há alguns anos com o objetivo de despertar os estudantes à leitura de maneira prazerosa, além de proporcionar a ampliação do vocabulário, enriquecer a produção de textual, melhorar a escrita, valorizar o espaço da biblioteca e promover a interação entre os estudantes.

A premiação na categoria I (2º e 3º anos) ficou assim definida: 1° lugar: Uma assinatura semestral do plano Duni Leiturinha e um jogo Genus da Estrela. 2° Lugar: Mochila com livros. 3° Lugar: kit com livros. Já a premiação nas categoria II (4º e 5º) e Categoria III (6º, 7º e 8º) é a seguinte: 1° Lugar: Celular Smartphone Xiomi, Mi, A2LITE, 64 GB. 2° Lugar: Mochila com livros. 3° Lugar: kit com livros. Os demais participantes receberam kits de livros e medalhas.

GANHADORES: Categoria I:

3° lugar – Lara Zulin da Silva - 2° ANO A
2° Lugar – Lays Araújo Rovani - 3° ANO C
1° Lugar – Karina Scarpin Linhares - 3° ANO B

Categoria II:

3° lugar - Mário Shiguero Carbonera Yokoo - 5° ANO A e Maria Luisa Legnani Colpochi - 4° ANO D
2° Lugar - Lucas Miguel dos Santos Almeida - 4° ANO B
1° Lugar – Amanda Scarpin Linhares - 5° ANO C

Categoria III:

3° lugar - Gabrielle Alves da Silva - 7° ANO B
2° lugar – Kamargo Lima de Souza - 6° ANO B
1° Lugar - Giovana Santana de Mello - 6° ANO A

Nossos Parabéns a todos os estudantes participantes do Concurso 2019. A Direção agradece a preciosa colaboração da APMF - Associação de Pais, Mestres e Funcionários - do Colégio pelo patrocínio da premiação dos primeiros lugares, assim como aos patrocinadores Livraria A Estudantil, Amo Livros, Yazigi, Editora FTD e Editora Moderna, colaboradores dos demais prêmios.



Lidianópolis: o nome da mãe do fundador é Lídia



A cidade de Lidianópolis está localizada a 116 quilômetros de Campo Mourão, região de Ivaiporã. O município tem 4.783 habitantes, dos quais apenas 1.841 residem na área urbana.




O povoado de Lidianópolis começou a ser formado no final dos anos 40, quando Lázaro Pedro de Lima, instalou uma balsa no Rio Ivaí para a travessia de mercadorias. Até então aquela área pertencia a uma sociedade chamada Ubá. Em 1950, um pioneiro comprou um lote de terras, da Ubá, planejando instalar o povoado. Ele deu o nome da mãe Lídia. Até janeiro de 1993 foi distrito de Jardim Alegre.




A Paróquia São Sebastião pertence a Diocese de Apucarana. Em Lidianópolis. As maiores lavouras são de soja (5.900 hectares); trigo (3.500 ha); milho (2.400 ha) e café (390 ha). Na cidade são 1.070 residências e 42 empresas comerciais. Não tem agências do Banco do Brasil e da Caixa e não possui emissora de rádio. Uma das empresas de destaque na cidade é a "Campollo", que produz frango e ovo (caipira)










REFRESCANDO - Em Guaporema, na região de Cianorte, faz muito calor. Por isso, os vizinhos "humanos" ou não, se encontram para "tomar uma fresca"... CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ






Cascavel: a capital do Oeste paranaense



Cascavel está localizada a 196 quilômetros de Campo Mourão. O município tem 328 mil 456 habitantes. É o quinto mais populoso do Paraná depois de Curitiba, Londrina, Maringá e Ponta Grossa. Em área territorial é o sexto maior do Estado. Em PIB per capita figura na posição 96.




A cidade de Cascavel começou a surgir em 1928, quando José Silvério de Oliveira, o Nhô Jeca, arrendou as terras do colono Antônio José Elias. O local era o entroncamento de várias trilhas abertas por ervateiros, tropeiros e militares. Nhô Jeca, montou o primeiro armazem. Aos poucos, o ciclo da madeira, foi atraindo famílias de Santa Catarina e Rio Grande do Sul e, em especial, colonos poloneses, alemães e italianos, que juntos formaram a base da cidade.




Na medida em que as áreas de mata nativa eram esgotadas, a extração madeireira cedia lugar ao setor agropecuário. A vila foi oficializada pela prefeitura de Foz do Iguaçu em 1936, com a denominação de Cascavel. Entretanto, o monsenhor Guilherme Thiletzek, rebatizou como Aparecida dos Portos, nome que não vingou entre a população.




Em 20 de outubro de 1938, foi elevado a distrito de Foz do Iguaçu, com a volta do nome "Cascavel". A emancipação ocorreu em 14 de dezembro de 1952, mas a comemoração é no dia 14 de novembro, devido a uma confusão entre a proposta do governador e a assinatura da lei.




De acordo com pioneiros, o nome "Cascavel", surgiu de um grupo de colonos que, pernoitando nos arredores de um rio, descobriram um grande ninho de cobras cascavéis.




Um dos símbolos de Cascavel é o Shopping Central Park, também conhecido como "Torres Gemeas". O complexo foi inaugurado em novembro de 1997. A torre (direita) com frente para a Rua Paraná é o Hotel Bourbon. A torre (à sua esquerda) na Avenida Brasil, é comercial, incluindo o restaurante Picasso. As torres são ligadas pelo shopping (3 pavimentos). Esse shopping fecha sábado ao meio dia e não abre domingo.




Atualmente o maior shopping de Cascavel é o "JL", na Avenida Toledo. Abre todos os dias das 10 às 22h. Aos domingos e feriados das 14 às 20 horas. São 8.877 metros quadrados em dois pisos. Tem 384 vagas de estacionamento, 73 lojas, duas lojas âncora e 4 salas de cinema. Foi inaugurado em novembro de 2004. Pertence ao Grupo General Shopping e Outlets do Brasil desde novembro de 2007.

Em Cascavel a rede Catuaí (Londrina e Maringá) está construindo um Shopping com 70 mil metros quadrados, um dos maiores do Paraná. Terá 202 lojas. O problema é que a obra já tem quase 10 anos, por causa de ações na justiça. Embora aprovada pelo Instituito Ambiental do Paraná (IAP), um grupo contrário a obra alegou que o empreendimento próximo ao Lago Municipal colocaria em risco o meio ambiente. Agora em 2019, os donos do empreendimento ganharam na justiça pela continuidade da obra. A previsão de inauguração é para outubro de 2020.




Cascavel é uma cidade universitária. São quase 25 mil estudantes nas universidades da cidade. Entre as instituições estão: Univel, FAG, Faculdade Alfa Brasil, Faculdade de Tecnologia SENAI, Faculdade Itecne, Faculdade Missioneira do Paraná, Instituto Federal do Paraná, UNIOESTE, UNIPAR e UNOPAR.




O Kartódromo de Cascavel inaugurado em 1982, é considerado um dos melhores do Brasil. A pista tem 1.200 metros de comprimento por 8 de largura. Iluminado, comporta provas noturnas.




O Kartódrimo de Cascavel é homologado pela Confederação Brasileira de Automobilismo. Essa pista sedia vários campeonatos entre eles o Sul Americano e Brasileiro. Cascavel também conta com Autódromo Internacional, Centro Esportivo Ciro Nardi e Estádio Olímpico Regional (em breve imagens e informações sobre os locais).









A Avenida Brasil, a principal de Cascavel é uma das mais bonitas do País. Tem 12 quilômetros de comprimento com 50 metros de largura, dos quais 30 só de canteiro central. Em toda a sua extensão existem praças, brinquedos para crianças, atividades para a terceira, idade, estacionamento, ciclovia entre outras benfeitorias. Cascavel tem estacionamento pago e rotativo.




Avenida Brasil - Praça do Migrante.




Avenida Brasil - Paróquia Santo Antônio.




Avenida Brasil - Calçadão na Travessa Padre Champagnat.




Avenida Brasil - A exemplo de Campo Mourão, o comércio de Cascavel também abre aos sábados a tarde (primeiro do mês após o dia 5).




O Teatro Municipal de Cascavel é o segundo maior do Paraná. Comporta 1.368 pessoas. O espaço é de 8 mil 530 metros quadrados distribuidos em 5 andares. A cidade conta também com Orquestra Sinfônica.




O templo da arquidiocese de Cascavel começou a ser construído em 1974. A diocese foi criada em 1978, com a obra finalizada. Em 16 de outubro de 1979, a Diocese foi elevada à categoria de Arquidiocese e o templo à Catedral Metropolitana.




O projeto em forma de leque com 18 "gomos" em concreto armado é do arquiteto Gustavo Gama Monteiro. O leque representa o manto e a coroa de Nossa Senhora.




A escultura ao lado da Catedral, com duas mãos segurando uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, em um gesto de oferta. Foi instalada em 1995.




A Igreja Ucraniana (Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro), tem a arquitetura peculiar. Fica distante do centro da cidade, região do Bairro São Cristóvão.









Falando em arquitetura, esse prédio de apartamentos de Cascavel se destaca pelo estilo e flores em todas as janelas.




Cascavel é sede do 33º Batalhão de Infantaria Mecanizado, que pertence a 15ª Brigada. Esse Batalhão foi criado em 1970 em Jaraguão, Rio Grande do Sul e transferido para Cascavel em 1982. É denominado popularmente pelos militares como "Guardião da Costa Oeste Brasileira".




Por ese Batalhão de Cascavel já passaram mais de 13 mil jovens. Não foram permitidas fotos internas e algumas externas (orientação de soldados nas guaritas).







Cascavel: Parque Municipal



O Parque Ecológico Paulo Gorski, foi criado em 1977. Em 1996, passou por remodelação.




A pista de caminhada contorna o lago e tem 6 quilômetros.




O parque conta com brinquedos para as crianças, água gelada, sanitários, funcionários para orientação e vendedores ambulantes com os mais variados produtos.




A água do lago é oriunda de várias nascentes que formam o Rio Cascavel, manancial que abastece a maior parte da cidade. A lâmina dágua tem cerca de 40 hectares.




O local é ponto de encontro da população e de praticantes de esportes, como a canoagem. Não é permitida a pesca, salvo nas competições oficiais.




No período que antecede o Natal, o parque recebe brinquedos especiais para a diversão da criançada.




Em frente ao lago está a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. Na verdade ela não foi construída alí, e sim no distrito de São João do Oeste. É uma igreja pioneira de Cascavel. Em 1987, o templo foi desmontado e remontado no novo local. Não é aberto a visitantes. Abre em alguns eventos especiais.



Cascavel: Zoológico



O zoológico de Cascavel foi criado em 1978. Tem uma área de 18 hectares.




Instalado em meio a mata nativa. É preciso caminhar bastante para "visitar" os animais. O local tem área de estacionamento para automóveis. Tudo de graça.




Na vegetação nativa a "Araucaria" e Pinheiros. Recentemente ganhou novo serpentário. O parque é aberto de terça à domingo e não é cobrado ingresso.




Mais de 300 espécies, alguns ameaçadas de extinção como a onça-pintada.













Dentro zoológico um museu de história natural reune cerca de 600 peças. São animais "taxidermizados", fósseis, rochas e cristais.



Santa Izabel do Oeste: mas ela fica no Sudoeste



Santa Izabel do Oeste é uma cidade localizada a 260 quilômetros de Campo Mourão. Embora tenha "Oeste" no nome, o município está localizado no Sudoeste do Estado, perto de Francisco Beltrão e a 30 quilômetros da divisa com Santa Catarina.




Até o final de 1964, Santa Izabel do Oeste foi distrito de Realeza. Tem 14 mil 659 habitantes, ocupando a posição 148 entre os 399 municípios paranaenses. Soja lidera com 13.500 hectares; milho com 1.600 ha e feijão 800 ha. Destaques para o rebanho bovino e produção de frangos.




Na cidade estão cadastrados 3.110 imóveis residenciais. Tem agência do Banco do Brasil. No total são 270 empresas comerciais e 46 consideradas industriais. Cerca de 40 por cento dos imóveis são beneficiados com rede de esgoto. Conta com uma emissora de rádio. A média é de 1 automóvel por residência.




Os primeiros moradores começaram a chegar na década de 40, atraídos pela terra fértil. A maioria era de Santa Catarina. Na época o local pertencia a Capanema. O nome foi em homenagem a "Izabel", mãe do fundador e colonizador João Ribeiro Cordeiro. O feriado de aniversário é comemorado em 29 de novembro, data da lei de emancipação (1963).




A Paróquia Santa Isabel da Hungria, pertence a Diocese de Francisco Beltrão/ Palmas.

A denominação das avenidas, ruas e praças são de árvores. A avenida principal é a "Dos Pinheiros". A explicação é que na época da colonização existia uma grande floresta com pinheiro, marfim, cedro, jacarandá e outras espécies.

Um dos principais eventos de Santa Izabel do Oeste é o Festival de Música Sertaneja e Popular (Femusp).

Em setembro motociclistas se reunem para participar da "Trilha Atolados".

A cidade tem Fanfarra Municipal. Tem um campeonato denominado "Copa Soja de Futsal".




Na saída para Salto do Lontra está em construção (2019), a nova unidade da Coopavel de Santa Izabel do Oeste.



Denir Daleffe: As doenças !!



Gostaria de falar nesta coluna sobre as doenças. O que o espírito cristão tem a dizer sobre as doenças? A primeira coisa que temos que pensar é que se Deus quisesse, não existiria as doenças. As doenças só existem porque Deus a permite. E, por que Deus a permite?

Porque dela podem vir muitos bens espirituais. Por exemplo: o reconhecimento de que somos frágeis, de que somos pó; A necessidade de recorrer a Deus para pedir ajuda; A compreensão com os que sofrem; A união dos familiares; Propiciar uma ocasião para parar e pensar na vida.

Não é verdade que os bens que dissemos acima são muito importantes? Não é verdade que, se não sofrêssemos, não aprofundariamos nestes valores? Reconhecer, por exemplo, que somos frágeis, que somos Pó.

Quantas pessoas conhecemos que por terem saúde e uma ótima situação econômica sentem tão seguras de si que a preocupação com Deus inexiste. No entanto, quando contraem uma doença mais séria começam a pensar mais em Deus e decidem colocá-lo em primeiro lugar na sua vida.

Não é verdade que a doença propicia uma união familiar mais intensa? Não é verdade que quando uma pessoa está doente e nos provocou mágoas na vida passada, nessa hora o nosso coração se dilata e deixamos de lado estas mágoas, perdoamos e estreitamos a nossa relação com ela? Quantas barreiras familiares se evaporam nesta hora!

Não é verdade que é quando adoecemos que podemos parar um pouco e pensar melhor na nossa vida: repensar nos nossos valores, repensar no sentido da vida, repensar no rumo que estamos dando ao trabalho, à família etc. Necessitamos destas pausas e a dor da doença nos leva a ir mais a fundo nestes questionamentos tão importantes para nós.

Para aqueles que Deus está permitindo que padeçam uma doença grave, lembrem que Deus sabe o que faz, lembrem que esta doença pode ser uma grande ocasião de purificação dos pecados da vida passada, lembrem que você está sendo Cireneu, que ajudou Cristo a carregar a Cruz para a salvação dos homens.

Lembrem da bem-aventurança de Cristo: Bem aventurados os que sofrem porque serão consolados. Nenhuma dor ficará sem consolo, um consolo que virá, nada mais nada menos, do que das mãos de Deus! Uma santa semana a todos.



Mirador: Um dos menores do Paraná



Mirador, município localizado a 143 quilômetros de Campo Mourão, pertence a micro região de Paranavaí. Está entre os menores do Paraná, com 2.213 habitantes. Jardim Olinda é menor (1.409 moradores). Em renda per capita é o 74º entre os 399 municípios do Paraná.




A cidade começou a ser formada no começo dos anos 50. Muita gente foi atraída pela terra fértil para a produção de café. O nome "Mirador" deve-se ao fato de estar localizado em terreno alto avistando-se, de sua sede, várias outras localidades. Até 1961 foi distrito de Paraíso do Norte.




Na foto acima, as dependências da prefeitura de Mirador. A cana ocupa a maior área agricultável do município com 9.043 hectares. Soja com 1.600 ha e milho 1.300. É um grande produtor de ovos e mel.




Mirador não tem agências da Caixa e Banco do Brasil. Na cidade são cerca de 700 imóveis residenciais, 20 empresas comerciais e 7 pequenas indústrias cadastradas na prefeitura. Trinta e cinco por cento da população acima de 50 anos não sabe ler e escrever. O analfabetismo também atinge 15 por cento dos jovens entre 15 e 18 anos.




Paróquia São João Batista de Mirador pertence a Diocese de Paranavaí. A cidade fica a um quilômetro e meio do Rio Ivaí. Vez ou outra o Rio transborda chegando perto do perímetro urbano. Quando estivemos lá (setembro 2019), a balsa que encurta o caminho para Cianorte estava desativada e é preciso passar por Paraíso do Norte, aumentando o percurso em quase 30 quilômetros.



Mauá da Serra: "vulcão" em homenagem aos japoneses



Mauá da Serra é um município instalado em janeiro de 1993. Até então era distrito de Marilândia do Sul. A cidade está localizada a 186 quilômetros de Campo Mourão. Pertence a micro região de Apucarana.




As maiores áreas de plantio são com soja (4.340 ha) e trigo (3.000). Destaque para a produção de frangos. Embora o portal da cidade tenha em destaque uma espiga de milho, em 2018 essa lavoura ocupou só 80 hectares.




Mauá da Serra tem 10.601 habitantes. São 2.800 imóveis residenciais na área urbana. A maior parte dos empregos é gerado pela indústria (27 empresas). Depois o comércio e prestação de serviços (192 empresas). A cidade teve inicio nos anos 50 com o auge do café e foi projetada pela colonizadora com a avenidas amplas.




Em uma das entradas da cidade o monumento em homenagem ao padroeiro São Pedro. Entre os 399 municípios do Paraná, Mauá da Serra figura na posição 210 em número de habitantes. Em renda per capita é o 176º




Preste atenção na imagem acima. É o Parque Lagoa Bonita. Perceba que no meio tem a réplica de um vulcão. É uma homenagem aos imigrantes japoneses. Em maio durante as comemorações do aniversário acontece a tradição festa do milho. No município está a famosa "Serra do Cadeado".




Mauá da Serra é cortada pela importante BR-376 (rodovia do café), que liga Londrina e Maringá ao litoral do Estado. Às margens da estrada ótimos restaurantes. Em um deles, além do restaurante a família Gerber de origem holandesa contruiu um hotel e uma igreja (foto acima).




A Paróquia São Pedro pertence a Diocese de Apucarana. O primeiro nome de Mauá da Serra foi Lagoa Bonita. Depois passou para Governador Bento Munhoz da Rocha.



Rondon: lugar onde começou a fama de Chitãozinho e Xororó



A cidade de Rondon está localizada a 102 quilômetros de Campo Mourão. Tem 9.579 habitantes. Embora tenha nascido em Astorga, a dupla Chitãozinho e Xororó, começou a fazer sucesso em Rondon, onde o pai trabalhava em uma serraria e as crianças faziam apresentações na cidade. O portal da cidade faz homenagem aos cantores.




A cidade de Rondon começou a surgir no final dos anos 40, com a chegada das primeiras famílias interessadas no plantio de café. O nome é uma homenagem ao Marechal Mariano da Silva Rondon e Patrono das Comunicações do Brasil, de quem o pioneiro Leôncio de Oliveira Cunha, foi soldado e grande amigo. Leôncio iniciou a colonização da gleba de terras na região.




Rondon integra a região de Cianorte. Até 1954 era distrito de Peabiru. Possui ruas largas com pistas de caminhadas e ciclovias. A área plantada com cana é de 20 mil 492 hectares, enquanto soja ocupa 657 ha e milho 650. Também é grande a produção de frangos. Destaque para o rebanho bovino e produção de leite.




O que mais gera empregos em Rondon é a indústria de transformação com mais de 1.500 postos. Destaque para usina de álcool e alimentos com 9 estabelecimentos. O comércio e a prestação de serviços empregam em torno de 600 pessoas.




Rondon conta com 2.900 imóveis residenciais na área urbana; 191 empresas comerciais e 17 indústrias. Mais da metade da cidade tem rede de esgoto. Tem agência do Banco do Brasil.




O principal evento do município de Rondon é a "Festa do Peão", que acontece em dezembro, por ocasião dos festejos de aniversário. A festa inclui shows com cantores nacionais e barracas de alimentação e a inusitada competição "cavalo x moto". A cidade tem a "Fanfarra Municipal", que conquistou vários títulos estaduais. É formada por crianças, adolescentes e adultos.




O padroeiro de Rondon é São Pedro. A paróquia pertence a Diocese de Umuarama. A maior parte das ruas e avenidas são nominadas com nomes de estados, países e cidades.



Maringa fotos:



O Templo Budista de Maringá começou a ser construído em abril de 1980 e foi concluído em maio de 1983.




O Templo Budista tem um campanário com sino de 900 quilos, feito no Japão, que é tocado antes das celebrações e também na passagem de ano.




Avenida São Paulo é a via que passa em frente ao Parque do Ingá. É onde estão localizados o moderno Shopping Maringá Park e a antiga e tradicional Lojas Americanas (cruzamento com a Brasil). O prolongamento da via, após a Avenida Colombo, passa a ser chamada de "Avenida Morangueira".




Em uma rotatória no Jardim Aclimação (região do Cesumar), chama a atenção o avião de caça dos anos 70. Foi o primeiro avião a jato produzido no Brasil. Na verdade lá só está o casco dele. É uma doação da Força Aérea Brasileira. A praça é denominada oficialmente como "Letícia Nayara Nazareth Silva", mas agora só chamam de "Praça do Avião". O projeto da prefeitura é transformar o espaço em uma área histórica.

CURIOSIDADE - Em 1957, durante os festejos de 10 anos de Maringá, cinco aviões da Força Aérea Brasileira realizavam apresentação, quando um deles caiu. Dois tenentes morreram.




Uma das primeiras esculturas de Maringá, foi edificada na rotatória da Avenida Brasil que divide o Maringá Velho e a Nova Maringá. É uma homenagem aos pioneiros, mas ficou mesmo conhecido como "Peladão". A escultura é de Joaquim Henrique Aragão, tem 7 metros e 10 centímetros de altura e 980 quilos. A rotatória também passou a ser chamada de "Praça do Peladão", porém o nome oficial é "Sete de Setembro".

Curiosidade: A estátua foi construída no início dos anos 70 e surgiu a polêmica. As nádegas apontam para o Maringá Velho, o que na época não agradou os moradores.




No centro de Maringá, bem perto da Catedral e da Prefeitura estão as antigas dependências do Hotel Bandeirantes. construído no começo dos anos 50 foi um marco na arquitetura do Paraná. Em 2005, foi tombado como patrimonio histórico do Paraná. O imóvel é particular e o dono não deixa fazer fotos na parte interna.




O Teatro Calil Haddad é o maior do Norte do Paraná. O nome é uma homenagem a um pioneiro do teatro maringaense. Entre plateia e balcão tem capacidade para 759 pessoas. Foi inaugurado em dezembro de 1996. Também conta com um museu histórico de Maringá. Existe ainda um mosaico do artista plástico Poty Lazzaroto.




Avenida Tiradentes esquina com a Duque de Caxias. A Tiradentes é a avenida que dá acesso ao estacionamento da Catedral Metropolitana. Nessa via também estão os badalados Macdonalds (loja principal da cidade) e o restaurante e churrascaria Silvan Cut Grill. Dependendo do dia vá preparado, pois é preciso esperar na fila para almoçar ou jantar. Não abre às segundas-feiras.

CLIQUE AQUI PARA VER MAIS FOTOS E INFORMAÇÕES SOBRE MARINGÁ



Santo Inácio: uma história com quase 600 anos



Santo Inácio é uma cidade localizada a 184 quilômetros de Campo Mourão, e a 10 km da divisa com o estado de São Paulo (Rio Paranapanema). Tem 5 mil 438 habitantes. Ocupa a posição 291 entre os 399 municípios brasileiros. Tem uma das melhores médias salariais do Estado (2,5 mínimos).




O principal portal de entrada na cidade relata um fato histórico. De um lado, índios e jesuíta e de outro os Bandeirantes. É que no século XVI, a área onde está o município de Santo Inácio, existiu uma grande missão dos jesuítas da Espanha. Uma destas, foi a Redução de Santo Inácio Mini. Os índios e jesuítas foram expulsos pelos Bandeirantes de São Paulo e a região ficou abandonada.




O padroeiro Santo Inácio de Loyola é comemorado em 31 de julho. No começo dos anos 20, o engenheiro baiano Manuel Firmino de Almeida, conseguiu a gleba junto ao Governo do Paraná, incluindo as ruínas da histórica Redução de Santo Inácio Mini. Poucos anos depois surgiram as primeiras moradias e a comunidade foi denominada de Santo Inácio, por causa das ruínas dos jesuítas localizada nas imediações. Até 1952 foi distrito de Jaguapitã.




Santo Inácio conta com um frigorífico de aves da JBS (foto). A maior área com agricultura em Santo Inácio é destinada à cana de açúcar (8.638 hectares). Soja e milho representam 6 mil hectares.




O cemitério chama a atenção pelo belo portal. Santo Inácio conta com agência do Banco do Brasil. Na cidade existem cerca de 2.500 imóveis residenciais. São cerca de 200 empresas comerciais e prestadoras de serviços e 27 indústrias. Quarenta por cento da cidade tem rede de esgoto.




Santo Inácio é um dos poucos municípios paranaenses do seu porte que ainda tem rodoviária. As ruínas Jesuíticas de Santo Inácio Mini, estão a 10 quilômetros da cidade. As peças e os documentos estão expostos no Museu Histórico do município.

Entre os principais eventos de Santo Inácio estão: Festa do Padroeiro, Encontro de Fanfarras e Bandas (julho) e Festa do Peão Boiadeiro em setembro. O prato típico do município é o Porco Caipira na Lata.



Indianópolis: cidade que faz homenagem aos índios



Indianópolis, tem 4.457 habitantes. A cidade está localizada a 92 quilômetros de Campo Mourão e a 26 km de Cianorte. A localidade foi fundada pela Companhia Norte do Paraná, a mesma de Maringá, Umuarama e Londrina. O nome homenageia os indígenas e significa "cidade dos índios". As ruas, avenidas e praças foram batizados com nomes indígenas. Até 1968, foi distrito de Rondon.




As principais atividades comerciais e bancárias estão situadas ao redor de duas praças, em lados opostos, em formato de triângulo. Nesse espaço também estão a prefeitura e agência dos Correios. A avenida Tupinambás é a principal. Tem posto de atendimento do Bradesco, casa lotérica, e posto de atendimento eletrônico do Banco do Brasil.




A cidade conta com hospital municipal. O município é conhecido pela tradicional Festa em Louvor ao Padroeiro Santo Antônio de Lisboa, comemorado anualmente em 13 de junho. Devido a geada negra ocorrida em 1975, que dizimou os cafezais, o município que tinha 12.155 habitantes, perdeu 8 mil moradores. Indianópolis tem duas cerâmicas que produzem 1 milhão e meio de tijolos por mês.




Na praça da igreja matriz, antigos bancos de concreto relembram empresas que já fecharam. A maior área com lavouras fica com a cana de açucar com 3.300 hectares. Soja é plantada em 1.500 hectares, o mesmo espaço do milho. Também é produtor de frangos. A cidade tem cerca de 1.500 residências, 76 empresas comerciais e 5 indústrias.






TUDO A VER - Muitos prefeitos querem nomes bonitos ou homenagear pessoas com suas praças esportivas. Em Cruzmaltina isso não foi problema. O nome escolhido foi "Ginásio de Esportes Lascadão". Mas tem uma explicação: quando a comunidade surgiu, os pioneiros deram o nome de Pau Lascado, por que as casas eram feitas de madeira lascada. CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ



São João do Ivaí: a praça é o "point". Tem até teatro



A cidade de São João do Ivaí está localizada a 85 quilômetros de Campo Mourão. Tem 11 mil 525 habitantes. Trinta por cento da população mora na área rural. Pertence a micro região de Ivaiporã. É 263ª economia entre os 399 municípios do Paraná. Grande parte da cidade tem rede de esgoto.




A cidade começou a ser formada no final dos anos 40, quando o pioneiro Orozimbo Martins instalou um pequeno comércio e os frequentadores decidiram criar a praça (hoje Praça Duque de Caxias). O nome foi uma homenagem a São João Batista. Em 1954, Orozimbo vendeu parte das terras para José Martins Vieira, mais conhecido por Bispo Vieira. Para homenagear a mãe, mudou o nome do lugarejo para São João da Ocalina. Até 1964 foi distrito de Ivaiporã e voltou ao nome atual.




A área urbana tem cerca de 3 mil e 500 residências. O comércio e a prestação de serviços contam com 215 empresas e 12 indústrias. Soja é a principal atividade agrícola de São João do Ivaí com área de 18 mil e 500 hectares, seguida pelo milho com praticamente a mesma área.




A cidade tem duas emissoras de rádio e é servida pelo Banco do Brasil e Bradesco. O município é sede de comarca.




A Praça da Bíblia é o ponto de encontro da população. Tem área para diversão das crianças, espaço para atividades da terceira idade, local onde os jovens se encontram, barracas de alimentação e quadras esportivas.




A Praça da Bíblia não é a praça da Igreja Matriz. Está localizada a 300 metros da paróquia e é mais conhecida como praça do Teatro (Barracão) Banestado.




No Teatro Banestado são realizados os principais eventos de São João do Ivaí. Embora menor segue os mesmo modelo do existente em Maringá e foi construído pelo Governo do Paraná no final dos anos 80.




A Paróquia São João Batista pertence a Diocese de Apucarana. Surgiu ao redor de um cruzeiro, onde foi rezado o primeiro terço. Foi batizada com esse nome, por que o primeiro terço ocorreu no mês de junho, na data de celebração do santo. O cemitério está localizada a uma quadra da igreja.



 
COLUNA DO ELY
a
COLUNA DO ELY
Campo Mourão - Paraná - Brasil - e-mail elyrodriguesdaniel@outlook.com / Rádio T FM - 44- 3523-5248