Falecimentos em Campo Mourão no dia 20 de julho

Altair Garcia, 60 anos. Velório no Prever. Sepultamento dia 21.

Edi Carlos de Oliveira, 36 anos. Velório em residência. Rua Araruna. Jardim Copacabana. Sepultamento dia 21.

Maria Benedita Dias, 73 anos. Velório na Capela do Cemitério. Sepultamento dia 21.




























ALTAMIRA DO PARANÁ /

ALTO PARANÁ/

AMAPORÃ /

AMPÉRE /

ANTONINA /

APUCARANA /

ARAPONGAS /

ASSIS CHATEUBRIAND /

ASTORGA /

ATALAIA /

BOA ESPERANÇA /

BOM SUCESSO /

CIANORTE /

CHOPINZINHO /

CIDADE GAÚCHA /

CORONEL VIVIDA /

CRUZEIRO DO OESTE /

CRUZEIRO DO SUL /

DIAMANTE DO NORTE /

DOUTOR CAMARGO /

ENGENHEIRO BELTRÃO /

ESTRADA DE TERRA ALTAMIRA DO PARANÁ A LARANJAL

EXPO LONDRINA 2019 /

FAROL /

FÊNIX /

FORMOSA DO OESTE /

FLORESTA /

FRANCISCO ALVES /

GUAIRAÇÁ /

GUARATUBA /

IBIPORÃ /

IGUARAÇU /

INAJÁ /

INDIANÓPOLIS /

IRACEMA DO OESTE /

IPORÃ /

IRETAMA /

IRATI /

ITAMBÉ /

ITAÚNA DO SUL /

IVATUBA /

JANDAIA DO SUL /

JAPURÁ /

JESUÍTAS /

JURANDA /

LARANJAL /

LARANJEIRAS DO SUL /

LINDOESTE /

LOANDA /

LONDRINA /

LUIZIANA /

MAMBORÊ /

MANDAGUAÇU /

MARECHAL CÂNDIDO RONDON /

MARMELEIRO /

MARQUINHO /

MARIA HELENA /

MARIALVA /

MARILENA /

MARINGÁ /

MARIPÁ /

MATINHOS /

MERCEDES /

MORRETES /

NOVA AURORA /

NOVA CANTU /

NOVA ESPERANÇA /

NOVA LONDRINA /

NOVA OLÍMPIA /

PAIÇANDU /

PALMEIRA /

PALMITAL /

PALOTINA /

PARAÍSO DO NORTE /

PARANACITY /

PARANAGUÁ /

PARANAVAÍ /

PATO BRANCO /

PEABIRU /

PEROBAL /

PITANGA /

PONTAL DO PARANÁ /

PORTO RICO /

PRESIDENTE CASTELO BRANCO /

QUARTO CENTENÁRIO /

QUATRO BARRAS /

QUATRO PONTES /

QUERÊNCIA DO NORTE /

QUINTA DO SOL /

RANCHO ALEGRE DO OESTE /

REALEZA /

RIO IVAÍ PELA BALSA /

ROLÂNDIA /

RONCADOR /

RONDON /

SABÁUDIA /

SANTA ISABEL DO IVAÍ /

SANTA MÔNICA /

SANTO ANTONIO DO CAIUÁ /

SÃO CARLOS DO IVAÍ /

SÃO JOÃO DO CAIUÁ /

SÃO PEDRO DO IVAÍ /

SÃO TOMÉ /

SARANDI /

SAUDADE DO IGUAÇÚ /

TAMBOARA /

TERRA RICA /

TOLEDO /

TRÊS MORRINHOS (Terra Rica) /

TUNEIRAS DO OESTE /

UBIRATÃ /

UMUARAMA /

UNIFLOR /


   














a
-----------------------------    
----------------------
a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a

 

a
------------ 
 










NOSSO PARANÁ



Terça-feira, dia 23, aqui na COLUNA DO ELY, você vai conhecer um pouco mais sobre o município de Santa Cruz do Monte Castelo.






INFORMATIVO DO COLÉGIO VICENTINO SANTA CRUZ: 3º LUGAR – JUDÔ – NOS JOGOS ESCOLARES DO PARANÁ É DO COLÉGIO VICENTINO SANTA CRUZ. No dia 13 de julho, nosso aluno Derek Uchoa, do Colégio Vicentino Santa Cruz, do 8º ano A, conquistou medalha de bronze nos Jogos Escolares do Paraná - fase final, na categoria B que estão sendo disputados no município de Apucarana. O atleta disputou a modalidade do Judô na categoria superligeiro. Parabenizamos o atleta, seus familiares e o treinador Fabio Uchoa por mais esta conquista.







Itaguajé: está em uma região histórica



Itaguajé tem muitas árvores. O município conta com 4.568 habitantes e está localizado a 206 quilômetros de Campo Mourão na divisa com o Estado de São Paulo (região de Teodoro Sampaio). A taxa de alfabetização de crianças de 6 a 14 anos chega a 99 por cento. Em economia ocupa a posição 309 entre os 399 municípios paranaenses. Apenas 2 por cento da cidade tem rede de esgoto.




As pedras em petit pavet adotadas em várias praças do Paraná, principalmente nos anos 90 e depois substituídas por pedras mais firmes e mais fáceis de limpar, ainda ornamentam o calçadão de Itaguajé. Na cidade são 1.621 residências (2017) e na área rural mais 315.




Mas não é só no petit pavet que Itaguajé relembra outros tempos. O formato de propaganda em um dos cruzamentos da cidade, lembra aqueles totens dos anos 70. O município tem um pouco mais de 100 empresas comerciais e prestadoras de serviços e 9 indústrias de pequeno porte.




No canteiro que separa as duas vias de uma avenida no centro é possível estacionar carro, motocicleta, cavalo ou então colocar mesa e cadeiras para um bate papo.

O território onde surgiu a cidade foi visitado a mais de 400 anos com as expedições castelhanas e nas penetrações das bandeiras portuguesas. Por alí surgiu um reduto de índios batizados que viviam na redução de Nossa Senhora do Loreto. Esta redução foi fundada pelos padres jesuitas Mazete e Cstaldino.

Em 1629, os bandeirantes paulistas, na sua luta pela posse das terras, em busca de ouro, comandados por Antonio Raposo Tavares destruíram as reduções e expulsaram os Jesuítas e os dominadores castelhanos, reconquistando extensa faixa de terras para o Brasil.




Parte do município é banhado pelo Rio Paranapanema. Ali está a Usina Hidrelética Taquaruçú entre os municípios de Sandovalina (SP) e Itaguajé dividindo os dois estados. A Usina foi concluida em 1989, mas só foi inagurada em 1992.




Nascido em Minas, "Baiano", deixou Goiás em 1979 para trabalhar como eletricista na barragem da Usina de Taquaruçú. Gostou da região e não voltou mais. Formou uma família, abriu comércio com seu apelido no centro de Itaguajé.

Ele contou que a parte mais ao norte do Paraná sempre foi a preferida por mineiros e nordestinos por ser mais quente.




Itaguajé foi elevando a condição de município em 1954. Até então era distrito de Santo Inácio. Itaguajé surgiu com progresso do café. O nome Itaguagé, que vem do tupi-guarani que significa "pedra brilhante ou pintada", possivelmente pela existência de cristais de rocha ou quartzo na região. A paróquia é denominada de Nossa Senhora Aparecida.

Em novembro acontece no município o Torneio de Pesca Amadora do Tucunaré. Em dezembro tem Festa do Peão de Rodeio.

Para quem gosta de história em meio a mata existem resquícios da redução jesuítica do século XVI, como paredes de taipa e louças de cerâmica.









Em Paranaguá, cidade histórica, os prédios antigos da área central são preservados pelo patrimônio histórico. Assim, empresas que desejarem ficar em meio ao movimento precisam se adequar. A filial das Casas Bahia é um exemplo disso. CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ






Araruna: cidade do "Porco na Mandioca"



Araruna está localizada a 23 quilômetros de Campo Mourão. Tem 13 mil 939 habitantes. Está na posição 146 entre os 399 municípios do Paraná. É a 112ª economia do Estado. Tem um dos menores índices de mortalidade do Paraná. A taxa de escolarização das crianças de 6 a 14 anos é de 99 por cento.




O município é conhecido como um dos que tem a maior área com o plantio de mandioca. Pode ser, mas quem domina mesmo é a soja. São 30 mil hectares com a oleaginosa e 5 mil com a raiz. Destaque também para o milho com 6.600 hectares e a grande produção de frangos.




Araruna é um dos poucos municípios paranaenses que nos últimos anos, embora pequeno, apresenta crescimento com aumento da população. Na área urbana são cerca de 4 mil e 700 residências (metade com rede de esgoto) e na área rural a Copel contabiliza quase 800 ligações de energia.




Araruna é uma cidade com poucas pessoas desempregadas graças ao setor industrial. A indústria de transformação emprega mais de 2.000 pessoas. Na área comercial e de prestação de serviços são gerados mais 1.200 empregos. Isso fora o setor agrícola.

FOTOS - Entre as empresas de destaque em Araruna estão: A.J Rorato (fabricante de móveis) e a Farinha Pinduca.




Os pioneiros de Araruna começaram a chegar por volta de 1940. As famílias se instalaram à margem da Estrada Boiadeira. A Inspetoria de Terras do Departamento de Geografia, Terras e Colonização do Estado, percebeu que o povoado estava progredindo e resolveu incluir no seu plano de urbanização a povoação. O nome "Araruna" foi escolhido em 1951 (ano em que foi elevado à distrito de Peabiru), por Sady Silva, funcionário do órgão. Virou município em abril de 1955 e tinha Cianorte como distrito. Cianorte foi emancipado no ano seguinte.




A área de terras onde se encontra o município de Araruna foi palco de inúmeras incursões castelhanas logo após o descobrimento do Brasil, já que, a partir deste período, os padres jesuítas fundaram e mantiveram por longo período suas famosas reduções. Um trecho onde se localiza a sede do município teria sido cortado por um dos ramais do Caminho do Peabiru, uma trilha pré-cabralina criada e utilizada por povos indígenas, que ligava o Chaco no Paraguai ao litoral brasileiro.




Em Araruna por onde você vai tem a chamada "Araraúna". Elas são destaques nas entradas da cidade. A Araraúna é a maior das araras e vice principalmente nos cerrados. Também é chamada de Arara Azul.




A paróquia Santo Antônio de Araruna foi criada em 1956. Até então estava sob a responsabilidade da paróquia de Peabiru.

Em Brasília, mora H. R. Hikes, escritor nascido em Araruna, filho de Eddy Samadhi.

O prato típico de Araruna é o "Porco na Mandioca", servido em novembro nos festejos do aniversário.










INFORMATIVO DO COLÉGIO VICENTINO SANTA CRUZ: ABERTA A XXII OLIMPÍADA ESCOLAR VICENTINA. Na noite do dia 5 de julho, o Colégio Vicentino Santa Cruz realizou a abertura da XXII Olimpíada Escolar 2019, com a participação de estudantes de 6º ano do Ensino Fundamental a 3ª série do Ensino Médio, pais e padrinhos homenageados pelas turmas.

Neste ano, a temática da Campanha da Fraternidade (CF) “Fraternidade e Políticas Públicas” sugere diversas temáticas para as pesquisas e trabalhos desenvolvidos em todas as disciplinas ao longo do ano. Todos esses trabalhos culminam na semana da Olimpíada, na qual há torneios esportivos intersalas de várias modalidades, além do Seminário no qual os estudantes apresentam os temas selecionados à temática geral da Campanha da Fraternidade.

Desta forma, toda a comunidade educativa e sociedade participam das atividades, de maneira significativa.



Flórida: mais uma cidade surgida no auge do café



Flórida está localizada a 143 quilômetros de Campo Mourão, na micro região de Maringá. Na imagem acima a principal praça da cidade tem ao fundo a Paróquia Santo Antônio de Pádua, que pertence a diocese de Apucarana. O município tem apenas 2.679 moradores, posicionando entre os 15 menores do Paraná. Em economia ocupa a posição 290 entre os 399 municípios paranaenses. Na cidade são cerca de 950 residências e na área rural 130. A média é de um automóvel por família. Conta com apenas 3 por cento de rede de esgoto.




A instalação oficial é registrada como 23 de agosto de 1960, data em que foi empossado o primeiro prefeito, mas foi em 15 de novembro de 1961, que tomou posse o primeiro prefeito eleito. Até então Flórida foi distrito de Astorga e em seguida de Iguaraçu. Flórida em espanhol significa "florido", ou seja muitas flores. Quem deu esse nome à cidade foi a Companhia Melhoramentos Norte do Paraná.

A taxa de mortalidade infantil é alta na cidade com 31 óbitos para 1.000 nascidos vivos.




Na praça central de Flórida foi construído um palco especial para apresentações artísticas. As principais atrações turísticas são a Festa do Padroeiro Santo Antônio (junho) Cavalgada e Festeja Flórida (julho) e a Festa do Peão de Rodeio no mês de outubro. O local que atrai muita gente é o pesqueiro de nome "Balneário Flórida". Ali tem cascata, quiosques com churrasqueira, parque para as crianças e lanchonete.







São Pedro do Paraná: praias de água doce para descanso e lazer



À primeira vista, a cidade de São Pedro do Paraná, parece como qualquer outra do seu porte. Mas o forte do município com 2.491 moradores está na área rural denominada de Porto São Pedro, um balneário de água doce formado pelo Rio Paraná. São Pedro do Paraná está localizado a 210 quilômetros de Campo Mourão. Em população ocupa a posição 387 entre os 399 municípios paranaenses.




Como dissemos, São Pedro do Paraná, é uma cidade turística do Paraná. Margeando a rodovia que faz ligação com Porto Rico, existem vários condomínios com residências de alto padrão. Lá mora por exemplo, o bicampeão brasileiro dos Jogos Pan Americanos, o maratonista Vanderlei Cordeiro.




A área que abrange o Porto de São Pedro tem ilhas e praias de água doce. Uma delas é a Ilha da Barra – popularmente conhecida como Óleo Cru.





A IMAGEM ACIMA MOSTRA PORTO SÃO PEDRO, distrito de São Pedro do Paraná. No município a taxa de escolarização de crianças de 6 a 14 anos é de 100 por cento. Em economia figura na posição 185 do Paraná. A rede de esgoto não atinge 5 por cento.




A área urbana de São Pedro do Paraná, não é banhada pelo Rio Paraná, porém 18 quilômetros de sua área rural faz divisa com este rio, atraindo pescadores de todo o Brasil. E, se no perímetro urbano não existe a beleza do Rio Paraná, a cidade conta com uma bela área de lazer com lago artificial

Até 1964 foi distrito de Loanda.




A Paróquia é denominada de São Pedro, porém são duas festas religiosas. A de São Pedro em junho e de São José Operário em março. O município comemora o aniversário em dezembro, mas em agosto acontece o Campeonato de Pesca ao Jaú. A festa do reveillon ocorre no Porto São Pedro com shows nacionais.




Parece que por lá a areia é "sagrada". Além de oferecer lazer, a principal atividade econômica é a extração de areia do Rio do Paraná. O produto é transportado por esteiras suspensas, preservando uma faixa de 500 metros do rio.

VEJA AQUI TAMBÉM NOSSO ESPECIAL SOBRE PORTO RICO QUE FAZ DIVISA COM SÃO PEDRO DO PARANÁ



Ângulo: 100 por cento das crianças são alfabetizadas



De Maringá até a cidade de Ângulo são apenas 32 quilômetros, mas a Paróquia pertence a diocese de Apucarana que fica a 80 quilômetros. A igreja São João Batista é simples, porém tem um charme especial com sua torre dos sinos e o contraste das cores.

A área pertencia a empresa Companhia de Melhoramentos do Norte do Paraná, que fundou Londrina, Maringá, Cianorte, Umuarama entre outras, mas em 1946, três investidores da Rússia vieram ao Brasil e compraram as terras para o plantio de café. O local foi batizado de Fazenda Dois Irmãos.

O nome "Ângulo" foi escolhido por um dos russos ao analisar a configuração das estradas próximas. Passou a distrito em 1961 e em 1992 elegeu o primeiro prefeito, sendo elevado a município em janeiro de 93, desmembrando-se de Iguaraçu.




A área mais central da cidade tem uma rotatória enorme com mais de 5 mil metros quadrados e 75 metros de circunferência. Alí desembocam nada mais nada menos do que seis avenidas, duas delas prolongamentos de rodovias. (A título de curiosidade, Maringá tem na Zona 5, uma rotatória com 200 metros de circunferência, maior que as praças Getúlio Vargas e São José de Campo Mourão, juntas. ).

Ângulo tem 2.974 moradores. Em educação é o primeiro do Paraná com a alfabetização de 100 por cento das crianças de 6 a 14 anos. Na economia ocupa a posição 130 entre os 399 municípios paranaenses.




Ângulo tem uma grande criação de frangos e na agricultura as maiores áreas são com soja e milho. O setor industrial tem pouca influência na geração de empregos e na economia do município. Na cidade são 1.028 imóveis cadastrados (2017) e na área rural outros 190 (2017). O município não conta com atrações turísticas oficiais.



Copa Coamo: regional sede



Foi realizada no sábado (6) a última etapa classificatória para a final da Copa Coamo, que será no dia 27 de julho em Campo Mourão (Centro-Oeste do Paraná). A bola rolou nos campos da Arcam de Araruna, Campo Mourão, Luiziana e Peabiru num total de 63 jogos e 183 gols marcados, uma média de quase três gols por partida. Mesmo com o frio, cerca de três mil pessoas prestigiaram e vibraram com os cooperados/atletas que fizeram bonito dentro e fora de campo. Em Araruna, a equipe Primavera venceu São Martinho por 1 a 0. No total, foram 17 jogos, 47 gols, cinco cartões amarelos e um azul

FOTO - Equipe primavera vai representar Araruna na grande final em Campo Mourão




Em Luiziana a equipe Santa Maria foi campeã após empatar em 0 a 0 com a Fazenda São Paulo no tempo normal e vencer por 3 a 2 nas cobranças de pênaltis. A etapa contou com 15 jogos, 32 gols marcados, nove cartões amarelos e um azul.

FOTO - Time "Santa Maria" sofreu na decisão e representará Luiziana




Por 3 a 0, a equipe Nossa Senhora Aparecida venceu a Placa União e foi a campeã em Peabiru. Foram 12 jogos e 30 gols marcados, com quatro cartões amarelos e nenhum azul.

FOTO - Equipe Nossa Senhora Aparecida de Peabiru




A equipe Sambatti venceu os Amigos da Bola por 4 a 1 na final e sangrou-se a campeã. Foram marcados 74 gols em 19 jogos, com 26 cartões amarelos e cinco azul.

FOTO - Sambati é o campeão por Campo Mourão



O presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini percorreu as regionais e manteve contato com os associados nos locais dos jogos. “É um projeto de esporte e lazer que atende os objetivos de integração, amizade e promove uma confraternização com a família cooperada. Com certeza é uma festa do cooperativismo reunindo associados, diretoria, funcionários e a comunidade”, destaca.

FOTO - Dr. Aroldo presidente da Coamo.




CONGRESSO DA FINAL – O congresso técnico da fase final está confirmado para a próxima quinta-feira (11), às 15 horas, na Administração Central da Coamo, em Campo Mourão. Participarão representantes das 33 equipes finalistas para sorteio dos grupos e divulgação da tabela dos jogos.

FOTO - Equipe do Sambati comemora título por Campo Mourão


* FOTOS E INFORMAÇÕES DA COPA COAMO ETAPA REGIONAL CENTRO

* FOTOS E INFORMAÇÕES DA COPA COAMO ETAPA MATO GROSSO DO SUL

* FOTOS E INFORMAÇÕES DA COPA COAMO ETAPA REGIONAL OESTE

* FOTOS E INFORMAÇÕES DA COPA COAMO ETAPA CENTRO SUL

* FOTOS E INFORMAÇÕES DA COPA COAMO ETAPA VALE DO IVAÍ

* FOTOS E INFORMAÇÕES DA COPA COAMO ETAPA CENTRO-OESTE



Campina da Lagoa: cidade da gruta de Nossa Senhora



Campina da Lagoa tem essa denominação porque os pioneiros encontraram uma planície com 3 lagoas. Uma das lagoas secou e o nome da cidade ficou Campina da Lagoa. Em 2 de setembro de 1947, Campina da Lagoa é oficialmente reconhecida como povoado de Campo Mourão. Conseguiu a emancipação em 1961.




Campina da Lagoa tem 15 mil 394 habitantes. Está na posição 117 dos 399 municípios do Paraná. Em economia é o 138º. Uma pequena parte da cidade tem rede de esgoto. O setor industrial emprega cerca de 100 pessoas, o comércio em torno de 600 e serviços, 1.100. A taxa de mortalidade infantil é de 17 por 1.000




A principal praça de Campina da Lagoa tem como destaque o coreto cercado por lâminas dágua com chafariz. É uma praça que chama a atenção pelo colorido e árvores de vários tipos.

Campina da Lagoa tem agências do Bradesco e Banco e Banco do Brasil. Na cidade são 5.100 residências. Na área rural outras 850. Tem uma emissora de rádio. A quantidade de motocicletas é a metade da de automóveis.




Um dos locais mais visitados em Campina da Lagoa é a Gruta de Nossa Senhora. Está localizada a cerca de 2 quilômetros do centro da cidade. Parte do trajeto não tem asfalto.

Na agricultura o município se destaca na produção de soja e milho. Também é expressiva a criação de frangos.




Em Campina da Lagoa, um ex-prefeito de Campo Mourão é homenageado com nome de escola. No mandato de Roberto Brzezinski, entre 1955 a 1959, o local era distrito e os mais antigos relatam que ele foi o responsável por uma série de benefícios para a comunidade.




Campina da Lagoa tem um belo parque. O lago é formado por três minas. Nos últimos meses passou por uma completa reformulação.




O templo da paróquia Santa Terezinha, mudou muito nos ultimos 4 anos. A fachada mudou completamente e ganhou duas torres. As obras de reforma da igreja estão na fase de acabamento (julho 2019). Ao lado têm a réplica da primeira igreja. Alí funciona o museu Padre Vendelino Muller.



Com 95 anos, ele nasceu onde hoje é Campo Mourão..



Estivemos em uma chácara no município de Campina da Lagoa, onde mora Conceição Pereira da Cruz. Ele tem 95 anos. Nasceu dia 26 de março de 1924 na comunidade rural, conhecida na época como "quilômetro 23". Na época Campo Mourão tinha poucas casas e pertencia ao município de Guarapuava.

Conceição, filho de José Pereira da Cruz, morou em Campo Mourão até 1943, na época distrito de Pitanga. Com 19 anos fixou moradia em uma grande área de mata, onde anos depois surgiu Campina da Lagoa. A esposa (falecida há 8 anos), também tinha o nome de Conceição.

Apesar da idade, Conceição Pereira da Cruz é bem animado. Acorda cedo para cuidar da plantação de verduras e tirar leite das vacas. Após a morte da mulher, os filhos e netos, sempre estão com ele, principalmente a filha Terezinha Santana da Cruz (Terê), professora aposentada, que estudou Geografia na Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão, e que atualmente mora em Campina da Lagoa.

Muito receptivo, o pioneiro, mostrou um pedaço da chácara e lembrou alguns momentos. "Somos da família dos Irmãos Pereira. Meu pai, e os irmãos vieram de São Paulo em busca de madeira. Meu avô não veio, ficou em São Paulo. Quando eu saí do 23, para Campina da Lagoa, Campo Mourão não existia, era só mata. Nossa família é muito grande com gente espalhada por toda essa região".

Perguntado sobre qual o segredo para chegar aos 95 anos, Conceição disse que come arroz e feijão com mandioca todos os dias, sem falar nas verduras orgânicas que ele mesmo planta e cuida. "Eu também como ovos todos os dias, das galinhas que eu tenho aqui, e digo, o cigarro é um veneno. Eu mais moço fumava cigarro feito de fumo de corda, mas parei faz tempo. Hoje o cigarro é um veneno".



Mandaguari: foi maior que Maringá, e maior comarca do norte do Paraná



Bem...., logo de início vamos dizendo que Mandaguari tem o "melhor café do Brasil". Essa é a opinião dos moradores, mas faz sentido. Há vários anos que produtores do município conquistam prêmios estaduais e nacionais de qualidade. E lá, em quase todos os lugares do ramo, você encontra o chamado "café caseiro", aquele fabricado no sítio. Um deles é o "Café Boa Esperança". Muito bom mesmo!!!. Aliás bem na entrada da cidade, para quem vem de Maringá, o obelísco faz referência ao café.




Mandaguari é uma cidade bem sinalizada. Tem vias de mão única, semáforos em vários cruzamentos centrais. O traçado das ruas e avenidas é complicado com vários trechos em curva. É dificil encontrar por lá uma via que tenha mais de 500 metros de extensão. Mesmo a via mais comprida, com 4 quilômetros e meio, e que corta o centro é cheia de curvas.

Mandaguari tem 34 mil 281 moradores, ocupando a posição 47 no Paraná. Número de pessoas na área urbana passa dos 33 mil. Em economia figura na coloção 61. Cerca de 60 por cento da cidade tem rede de esgoto.




O setor industrial de Mandaguari é um dos pontes fortes do município. Conta com três parques industriais onde estão instaladas empresas como o Frigorífico Aurora, a fábrica de colchões Prorelax, a Romagnole indústria de transformadores, torres de transmissão e ferragens eletrotécnicas, Cocari e ainda SuperBAC Biotechnology Solutions, que atua na produção de biofertilizantes e aditivos biotecnológicos para a agricultura.




Mandaguari tem uma faculdade estadual (foto acima). É a Fundação Faculdade de Filosofia Ciências e Letras (Fafiman). Uma das mais antigas do estado. Foi fundada no dia 19 de agosto de 1966. O índice de alfateização no município é de 98 por cento. A cidade tem treze colégios públicos e cinco colégios privados. Por lá operam três emissoras de rádio, duas em Fm e uma AM, chamada de Rádio Guairacá, inaugurada em 1950, a pioneira do chamado "norte novo do Paraná".




Mandaguari surgiu no final dos anos 30 como "Vila de Lovat", que pertencia a Londrina. Com a emancipação de Apucarana a comunidade foi elevada a distrito em 1943. Passou a município em 1947 tendo como distritos Maringá, Paranavaí e Marialva. Mandaguari chegou a ser a maior comarca do norte do Paraná. Maringá, Paranavaí e Marialva, foram emancipados em 1951.

MUDOU DE NOME - Como dissemos, o lugar era chamado de Vila Lovat, mas na segunda guerra, as cidades que tinham o nome de origem alemã foram substituídas. Por acharem que Lovat era de origem germânica, o patrimônio de Lovat teve o nome alterado para Patrimônio Mandaguari. O nome é de origem indígena para uma espécie de abelha.




Mas sempre fica a pergunta: por que, Mandaguari, uma das maiores cidades do Paraná, nos anos 50 e 60, perdeu o posto para muitas outras, inclusiva Maringá que era seu distrito?...Bom, o comerciante Paulo, da foto acima, e muitos outros nos contaram que tudo começou com uma briga política lá nos anos 50. Diretores da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, que fundaram do local, tiveram um entreveiro com o então prefeito, e optaram por mudar a sede da empresa para a vizinha Maringá. A mudança da estrutura acabou fortalecendo Maringá com várias conquistas, como por exemplo a alteração de linhas aéreas, terminais de embarque e negociação de café. Hotéis foram transferidos para Maringá bem como linhas de ônibus.




Mandaguari tem um parque de exposições onde é realizada a Expo-Mandaguari, que ocorre em outubro, mes da emancipação do município. Mas lá também tem festa em maio data do aniversário de fundação (1937). É tradição cortar um bolo cujo tamanho é pela idade. Em 2019 teve 82 metros. Essa festa acontece na Praça Independência.




Mandaguari tem duas paróquias, as duas localizadas na área central da cidade, menos de um quilômetro uma da outra. A primeira, na imagem acima, é a Bom Pastor e a outra é a Nossa Senhora Aparecida. As duas são tão próximas que o pessoal por lá não gosta de dizer qual é a principal. "Aqui a gente considera as duas como matriz", comentou um dos moradores.




Mandaguari tem um imponente Centro de Eventos na área central (foto). A exemplo da maioria das cidades um dos locais mais bonitos é o lago. O nome lá é Parque da Pedreira, inaugurado em 1998. São 3 lagoas e tem até restaurante. A Casa da Cultura fica no centro desse parque.



Jardim Olinda: a menor cidade do Paraná



Na praça da igreja de Jardim Olinda, a escultura de um peixe já deixa claro que alí é um ótimo lugar para pescar e que essa é uma das atividades principais. Não é para menos, a cidade está localizada às margens do Rio Paranapanema. De Campo Mourão até lá são 203 quilômetros, mas os moradores chegam ao rio caminhando. É curioso, na maioria das cidades que visitamos sempre tem a imagem de um santo em frente à igreja, mas na capela Nossa Senhora de Fátima é o peixe. DETALHE: esse peixe também é um telefone público.




O portal na principal entrada de Jardim Olinda, também tem os peixes em destaque. O município todo tem apenas 1.403 habitantes. É a menor cidade do Paraná e está entre as 15 menores do Brasil. E não é uma localidade nova. Foi elevada à condição de município em 1964. Até então era distrito de Inajá. A maior área plantada é com cana-de-açúcar.




Na imagem acima uma visão da principal avenida de Jardim Olinda. A cidade tem cerca de 500 residências e mais ou menos 40 empresas. Segundo a Copel, incluindo a área rural são apenas 692 ligações de energia elétrica. Quase todos os moradores têm um automóvel, picape, ou caminhão, trator, ou pelo menos uma motocicleta.




O principal ponto de parada daqueles que vão pescar no Paranapanema está na avenida central. É a lanchonete "Por do Sol". Quem nasce em Jardim Olinda é denominado de "jardinolindense". Menos de 30 por cento da população tem registro de trabalho em carteira. A taxa de escolarização das crianças de 6 a 14 anos é de 98 por cento. A rede de esgoto está em 8 por cento da cidade.




Jardim Olinda não tem ponte para cruzar o Rio Paranapanema. Os moradores utilizavam uma estrada de terra para chegar até a PR-542, percorrendo 5 quilômetros até a ponte. Ocorre que isso não é mais possível. Há 3 anos a chuva levou a ponte sobre o Rio Pirapó e até agora (junho 2019) nada...Desse jeito para atingir a Ponte do Rio Paranapanema e atravessar a divisa, os moradores de Jardim Olinda precisam fazer um desvio de 30 quilômetros, passando pela cidade de Itaguajé. Essa é a maior reclamação dos moradores.

Jardim Olinda tem duas festas principais: a festa da padroeira Nossa Senhora de Fátima no mês de maio e o Forró Nordestino no período de festas juninas.



Planaltina do Paraná: cidade do Dalvan e do meio fio polêmico



Planaltina do Paraná está localizada a 180 quilômetros de Campo Mourão entre Paranavaí e Loanda. No topo da torre da Igreja Matriz de Santa Terezinha do Menino Jesus, tem mais coisas além da cruz. Várias antenas de celular que evidentemente devem gerar recursos para manutenção da paróquia. Isso sem falar nas duas torres de ferro bem próximas, que "poluem" o visual do templo. Isso acontece porque alí é o local mais alto do perímetro urbano de Planaltina do Paraná, município com 4 mil 254 moradores.




A principal praça de Planaltina do Paraná é "completinha". Tem um belo e bem cuidado jardim com uma grande variedade de plantas, e um parque para diversão das crianças (incluindo até o famoso escorregador), o que cá entre nós é difícil encontrar na maior parte das cidades. No meio da praça tem sanitários, outra coisa rara de se encontrar.

Planaltina do Paraná tem esse nome porque fica em um planalto. Como já existia uma Planaltina no Estado de Goiás, então foi acrescentado o Paraná.

Dalvan da famosa dupla com Duduca nasceu lá.

Apesar de pequena a população reclama da falta de segurança, dos casos de dengue e da situação das rodovias.




Planaltina do Paraná tem um canteiro central, na principal avenida que é motivo de opiniões divergentes. Para alguns é muito lindo, e para outros parece um cemitério. E na sua opinião: é bonito ou parece um cemitério??

Chão de areia. Tem pouca área de soja e milho por lá, algo em torno de 1.000 hectares juntando as duas lavouras. O negócio é cana e mandioca, além de um grande rebanho bovino e produção de frangos.

Na área mais central da cidade ainda existem empresas comerciais funcionando em prédios de madeira construídos nos anos 60, o que dá aquele ar de saudosismo.



Rio Bonito do Iguaçu: maior assentamento da América Latina



Rio Bonito do Iguaçu é uma cidade localizada a 285 quilômetros de Campo Mourão, na micro região de Guarapuava. O município tem 13 mil 283 habitantes.


Na agropecuária Rio Bonito do Iguaçu se destaca pela área de soja, milho feijão e na produção de frangos e leite. O setor industrial emprega cerca de 40 pessoas. No comércio o número de funcionários fica em torno dos 350 e na prestação de serviços mais 700. Na área urbana são 1.875 residências (2017) e na área rural outras 2.342 (2017). Tem uma emissora de rádio. A taxa de mortalidade infantil até 5 anos é de 22 por 1.000.




Até o final dos anos 60, a região era coberta por densas florestas, prevalencedo o "Pinheiro do Paraná". A localidade começou a ser formar no início dos anos 50, às margens da antiga estrada que ligava Guarapuava até Foz do Iguaçu. Essa estrada era conhecida como "estratégica e internacional". Na beira da rodovia está a Usina Hidrelétrica de Salto Santiago. Até 20 de março de 1992 foi distrito de Laranjeiras do Sul. Com uma área de 4.300 hectares de floresta nativa, é possível encontrar os restos da antiga Vila dos Trabalhadores, que construiram a Usina (20 quilômetros da cidade). Até 1968 a região era explorada por safrista, os quais faziam a derrubada da mata para plantar milho e colocavam suínos para a engorda, que eram comercializados em Ponta Grossa. A partir deste ano começou o plantio e a comercialização de produtos agrícolas, que até então só eram usados para a subsistência.




O turismo é explorado pelo município, que possui belezas naturais proporcionadas pelo Rio Iguaçu. Tem uma estância com piscinas hidrominerais termais, camping, lanchonete, sanitários e uma vista privilegiada. Outra atração é artificial chamada de Balneário do Alagado. O lago é resultado da construção da Usina Hidrelétrica de Salto Santiago.




A Paróquia Santo Antonio de Pádua pertence a Diocese de Guarapuava. A média salarial é de 2,1 mínimos, mas em análise por moradia, 46 por cento das pessoas recebem em média meio salário. A taxa de escolarização das crianças de 6 a 14 anos é de 98 por cento. Apenas 8 por cento da cidade tem rede de esgoto.

POLÍTICA - Rio Bonito do Iguaçu pode ser considerado um município do PT (Partido dos Trabalhadores). Nas eleições para presidente em 2018, Hadad fez 66 por cento dos votos e Bolsonaro 20%. Foi o único a dar Vitória para o Dr. Rosinha para governador 47%. Uma explicação pode ser o fato do município possuir 3 assentamentos surgidos com a desapropriação da Fazenda Araupel em 1998. São os maiores da América Latina com mais de 10 mil assentados, mais que dobrando a população. O curioso é que para prefeito o PT não ganha.

Uma das atrações em Rio Bonito do Iguaçu são as competições de carrinhos de rolimã.





No centro da cidade de São Tomé, região de Cianorte, o passado e o presente convivem "lado a lado". São dois estilos modernos de arquitetura, cada um para sua época.. CLIQUE AQUI E VEJA MAIS SITUAÇÕES CURIOSAS, ENGRAÇADAS E INOVADORAS QUE ENCONTRAMOS PELO PARANÁ



Vitorino: cidade crescendo e impasse com índios



A cidade de Vitorino está localizada a 395 quilômetros de Campo Mourão. O município faz divisa com Santa Catarina. A população é de 6 mil 818 moradores. O salário médio é de 2,3 mínimos, mas em 32 por cento das famílias a média é de meio salário mínimo por pessoa. Embora em população ocupe a posição 251 entre os 399 municípios paranaenses, Vitorino está em 24º em riqueza. Metade da cidade tem rede de esgoto.


Na agropecuária Vitorino se destaca pela área de soja, feijão, produção de frangos e leite. O setor industrial emprega cerca de 400 pessoas. No comércio o número de funcionários fica em torno dos 700 e na prestação de serviços mais 500. Na área urbana são 2.245 residências (2017) e na área rural outras 605 (2017). A cidade não tem emissora de rádio. A taxa de mortalidade infantil até 5 anos é de 25 por 1.000.




De acordo com informações fornecidas pela prefeitura, o município de Vitorino teve como origem um entreposto que ficava no caminho percorrido pelas tropas de burro, transportando mercadorias entre Barracão e Clevelândia, no período de 1920 a 1925. A construção da chamada Estrada Estratégica estimulou a vinda de catarinenses e gaúchos atraídos pela abundância e fertilidade da terra e pela possibilidade da exploração da madeira existente. Foi distrito de Clevelândia até 1961.


O nome Vitorino, deu-se em homenagem ao cacique de uma tribo de índios Tupi Guarani, que residiam nas imediações da sede do município.


O município de Vitorino vive um conflito indígena. Índios Kaigang foram expulsos de uma reserva e ficaram às margens da BR 158, próximo ao Rio Vitorino


MAIS INFORMAÇÕES: Vitorino conta com revendas dos caminhões Iveco e tratores Case Possui uma grande indústria no ramo de enxovais com o nome "Bella Enxovais". Tem agência do Bradesco. A cidade tem vários loteamentos com construções novas e iniciando (2019).


FOTO: Paróquia Senhor Bom Jesus da Coluna.



Lobato: sede da Líder Alimentos



Lobato está localizada a 150 quilômetros de Campo Mourão e a 59 quilômetros de Maringá. A população é de 4.755 moradores. Ocupa a posição 322 entre os 399 municípios do Paraná. Em 26 por cento das residências o salário médio por pessoa é de meio salário mínimo. De uma forma geral o salário médio é de 2,3 salários. Em riqueza está na posição 79 no Paraná. Mais de 90 por cento da cidade tem rede de esgoto. A taxa de escolarização de crianças entre 6 e 14 anos é de 99 por cento.




Lobato começou a ser formada em 1948 pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, a mesma de Maringá, Londrina, Cianorte e Umuarama. O nome foi em homenagem ao escritor brasileiro Monteiro Lobato. Lobato não chegou a ser elevado Distrito, tendo sido promovido diretamente a condição de município emancipado de Astorga, em 31 de julho de 1.956.




Em Lobato a maior área agrícola é destinada a cana-de-açúcar. Na sequência estão soja e milho. Destaque também para a produção de leite. A cidade conta com agência do Banco do Brasil. Lobato tem 1.671 moradias na área urbana e 170 na área rura. O município tem 38 indústrias e 129 empresas nas áreas comercial e de prestação de serviços. A cidade não tem emissora de rádio.

FOTO: Lobato é sede da indústria Líder, que atua na produção de leite de caixinha, achocolatados e outras bebidas.




O prato típico de Lobato é a Leitoa no Tacho. A festa acontece em agosto durante os festejos de aniversário do município. Em abril tem a Festa do Peão (a cidade tem uma área exclusiva para rodeios).

FOTO: Paróquia Sagrado Coração de Jesus.



Renascença: ressurgiu após conflito na revolução



Renascença está localizada a 375 quilômetros de Campo Mourão entre as cidades de Francisco Beltrão e Pato Branco. A população é de 6.818 habitantes. Na média cada habitante recebe 2,3 salários mínimos por mês, mas em 36 por cento das residências a média para cada morador é de até meio salário. No inverno, a cidade é uma das mais frias do Paraná.




A criação do município de Renascença foi fruto da campanha denominada “Marcha para o Oeste”. Com a construção da estrada entre Clevelândia e Francisco Beltrão, surgiu o povoado de Vargem Bonita. O povoado foi destruído durante os combates entre forças do governo e revoltosos na chamada Revolução de 1924. Anos depois as casas começaram a ser construídas e as pessoas comentavam que o lugar estava "renascendo". Em 1947 tornou-se distrito de Clevelândia e em 1951 ficou sob a responsabilidade do novo município de Pato Branco. Em 1960 foi elevado a categoria de município com o nome de Renascença. A instalação ocorreu em 29 de novembro de 1961.

FOTO: O Parque Yara foi inaugurado em 2004. O parque é o ponto de encontro aos finais de semana e é ali que o município celebra o Natal e Ano Novo.




O que mais se planta em Renascença é soja, milho e feijão. Destaque também para a criação de aves e pecuária. Vários produtores têm dedicação exclusiva na produção de leite. A indústria emprega cerca de 350 pessoas. A mesma quantidade de empregos é gerada pelo comércio e a prestação de serviços. Na cidade estão 1.557 residências (2017) e na área rural 873. Tem 158 empresas comerciais (2017). A taxa de mortalidade infantil é de 10 por 1.000 nascidos vivos. Mais da metade da cidade tem rede de esgoto.

FOTO: Parque Yara.




Um fato que colocou Renascença no cenário nacional foi a morte do cantor Gonzaguinha. Ele morreu em acidente de carro em 29 de abril de 1991, em rodovia do município. A virada do ano na cidade é marcada por show com fogos de artifício e atrações artísticas no Lago Yara.Existem estudos indicando Renascença como sede de um aeroporto regional do Sudoeste. O local escolhido é perto da comunidade Canela. Se em outro locais a polícia apreende cigarro contrabandeado, em Renascença é comum apreensão de vinho e camarão da Argentina. Uma tradição por lá é a Romaria de Nossa Senhora da Salete. As ruas e avenidas têm nomes de ex-presidentes do Brasil. A principal é a Castelo Branco.

FOTO: Paróquia Cristo Rei.




 
COLUNA DO ELY
a
COLUNA DO ELY
Campo Mourão - Paraná - Brasil - e-mail elyrodriguesdaniel@outlook.com / Rádio T FM - 44- 3523-5248